Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Vinganças femininas no cinema
Kill Bill: Vol. 1
Kill Bill: Vol. 1

Vinganças femininas no cinema

Recorde estes filmes sobre mulheres que se vingam do mal que lhes fizeram

Por Eurico de Barros
Publicidade

São violadas, brutalizadas, matam-lhes os maridos, os noivos ou os namorados, tiram-lhes ou raptam-lhes os filhos, arruinam-lhes as vidas. As mulheres destes “revenge movies” (e “rape and revenge movies”) têm motivos muito fortes para irem atrás daqueles que as maltrataram, e àqueles que mais amavam, e darem cabo deles, por vezes com requintes de malvadez. Interpretadas por actrizes como Zoe Tamerlis, Sondra Locke, Uma Thurman, a sul-coreana Yeong-ae Lee ou Jodie Foster, são dirigidas por cineastas como Abel Ferrara, Clint Eastwood, Quentin Tarantino, Chan-wook Park ou Neil Jordan, nestes sete filmes de vinganças femininas.

Recomendado: Filmes em cartaz esta semana

 

Vinganças femininas no cinema

1. ‘Mulher Violada’, de Meir Zarchi (1978)

Na linha de The Last House on the Left, de Wes Craven, feito alguns anos antes, este filme sobre uma escritora nova-iorquina que é violada por quatro homens quando de férias no campo e deixada por morta, e depois se vinga deles da forma mais cruel possível, é um típico título de exploitation da década de 70, tendo sido proibido ou censurado em vários países. Teve um remake em 2010, seguido de várias continuações. Camille Keaton, a protagonista, entraria noutros filmes iguais, caso de Savage Revenge (1983).

2. ‘Vingança de uma Mulher’, de Abel Ferrara (1981)

Uma sólida e genuína série B e um dos primeiros filmes de Abel Ferrara. Zoe Tamerlis interpreta uma tímida e muda costureira que é violada duas vezes na mesma noite, conseguindo matar o segundo homem, que lhe estava a assaltar a casa. De posse da arma deste, começa a sair para as ruas de Nova Iorque à noite e a matar homens ameaçadores ou que estão a maltratar mulheres. Directo e visceral, Vingança de uma Mulher representa o melhor cinema de Ferrara, feito nas mean streets e alimentando-se das suas histórias e figuras.
Publicidade

3. ‘Impacto Súbito’, de Clint Eastwood (1983)

O quarto filme protagonizado pelo inspector “Dirty” Harry Callahan de Clint Eastwood tem no centro uma história de vingança feminina. Sondra Locke, então namorada do actor e realizador, interpreta Jennifer Spencer uma artista plástica que foi vítima de uma violação colectiva juntamente com a irmã, que ficou em estado vegetativo. Dez anos depois, ela vai vingar-se dos violadores e Callahan investiga o caso. Eastwood põe Jennifer a usar os quadros que pinta, verdadeiras visões de pesadelo, para tentar purgar as memórias da violação.

4. ‘Arma de Fogo’, de Tony Garnett (1983)

Argumentista e produtor, nomeadamente de filmes de Ken Loach, o britânico Tony Garnett também realizou um par de fitas. Uma delas é Arma de Fogo, rodada nos EUA. Uma pacata rapariga católica que se mudou de Boston para Dallas é violada por um rapaz aparentemente afável com quem saiu, e decide caçá-lo e matá-lo. Para isso, aprende a atirar e masculiniza a sua imagem. Arma de Fogo é uma invulgar combinação de rape and revenge movie feminino e de reflexão documental sobre a cultura das armas nos EUA.
Publicidade

5. ‘Kill Bill – A Vingança (Vol. 1 e 2)', de Quentin Tarantino (2003/2004)

O tema da vingança feminina, aqui representada pela “Noiva” de Uma Thurman, que volta literalmente da sepultura para matar aqueles e (aquelas) que lhe devastaram a vida, é apenas um cabide em que Quentin Tarantino pendura, nesta produção em duas partes (ou “volumes”), uma homenagem multiforme a vários subgéneros do cinema de acção: filmes de artes marciais, blaxploitation, séries Z de ultraviolência e até as mais sangrentas animações japonesas. Seja como for, as mulheres têm um enorme destaque na história e no elenco.

6. ‘Vingança Planeada’, de Chan-wook Park (2005)

Eis aquele que é, provavelmente, o melhor revenge movie feminino já feito, e que encerra a Trilogia da Vingança do realizador sul-coreano, também composta por Em Nome da Vingança e Oldboy – Velho Amigo. Yeong-ae Lee interpreta uma mulher que esteve injustamente presa durante 13 anos e à qual as autoridades tiraram a filha. Uma vez libertada, vai descobrir e matar o raptor e assassino de crianças em vez do qual foi presa. Vingança Planeada consegue ser sofisticado, absorvente, brilhante e inventivo (ver a resolução “colectiva”). Aqui, a vingança é dupla: de mulher, mas também de mãe.

Publicidade

7. ‘A Estranha em Mim’, de Neil Jordan (2007)

Jodie Foster tem aqui uma soberba interpretação no papel de Erica Bain, uma radialista de Nova Iorque que se transforma numa “vigilante” após ela e o namorado terem sido brutalizados por malfeitores, levando à morte deste. O detective Mercer (Terrence Howard) desconfia que é ela que anda a matar delinquentes, mas não tem provas. A Estranha em Mim está uns bons furos acima da média do formato, graças ao realismo do retrato emocional e psicológico de Erica, e à relação que se estabelece entre ela e Mercer.

Cinema no feminino

20 filmes sobre feminismo

Filmes

O feminismo pode estar na moda, mas é uma causa antiga. Causa que o cinema tem representado, ou de que pelo menos há muito vem dando sinais, alguns involuntários (até por a maioria dos filmes continuar a ser feito por homens), mas nem por isso menos importantes. Eis 20 filmes sobre feminismo essenciais. 

Mulheres de armas no cinema

Filmes

Recordamos sete actrizes que dão cartas no cinema de acção. Juntam-se a Charlize Theron neste punhado de mulheres duras de roer do cinema, com provas dadas em vários filmes, Pam Grier, Michelle Rodriguez, Angelina Jolie, Michelle Yeo, Cynthia Rothrock e Milla Jovovich.

Publicidade
Christian Bale em American Psycho
©IMDB

Dez filmes de terror realizados por mulheres

Filmes Terror

Foram sobretudo os homens que, historicamente, se sentaram na cadeira de realizador de filmes de terror (e não só). Mas, ao longo das últimas décadas, esse desequilíbrio começou a esbater-se, o género perdeu a conotação caricata, a qualidade das produções subiu, e hoje são várias as obras assinadas no feminino que nos fazem saltar do assento.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade