Willem Dafoe: “As pessoas agora estão a engatar-se a elas próprias”

‘The Florida Project', de Sean Baker, pode ser o filme que finalmente rende um Óscar a Willem Dafoe. Falámos com ele

©Marc SchmidtThe Florida Project

Willem Dafoe sofre como gente grande. É o seu maior talento, sofrer. Seja à frente da câmara de Lars von Trier, no brutalmente violento Anticristo, ou debaixo da vela de Madonna, a pingar cera para o seu Corpo de Delito, Dafoe aturou muita coisa. O actor de 62 anos tem o talento de parecer sempre vexado; e tanto deixou realizadores aproveitarem-se disso para nos fazerem rir, como Wes Anderson, como para ainda tornarem mais grandiosos filmes de super-heróis – entrou na trilogia de Homem-Aranha de Sam Raini e vai começar a trabalhar em Aquaman. Mas talvez The Florida Project, o novo filme de Sean Baker, seja o seu papel mais puxado. Encarna o gerente de um motel à beira da Disney World e a interpretação é capaz de lhe valer o primeiro Óscar. Mas ele não se deixa afectar por essa conversa e prefere falar sobre aquilo que faz melhor: desaparecer.

Recomendado: Óscares 2018

 

O Bobby, o teu personagem em The Florida Project, é o gerente de um motel, mas também é, de vez em quando, o protector de garotos que têm uma vida complicada.

Gosto da posição que ele ocupa. O Bobby está com eles, mas também está de fora – ele está dentro e fora. Não há nada de extraordinário nele enquanto pessoa, mas há algo de belo na forma como é apenas um tipo normal que faz pequenos actos heróicos.

Há alturas no filme em que a vida destas crianças parece uma maravilha, mas percebemos que não é o caso quando conhecemos os pais.

Tens o mundo das crianças, que roça o caos, que é pura diversão e irresponsabilidade, mas isso choca com a realidade, com as vidas, que são complicadas. Fazer a ponte entre esses dois mundos é um privilégio.

Este papel dá-te muitas oportunidades para improvisar. Como aquela cena na varanda, simplesmente a fumar e a pensar.

Isso é principalmente o Sean [Baker] a dizer: “Quero filmar o Bobby, temos uma boa luz. Podes ir para o segundo andar? Alguém tem cigarros?” É muito fluido. Sabia que trabalhar com ele ia ser muito livre.

A ansiedade do Bobby parece remeter directamente para a tua prestação icónica em A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese. Esse papel persegue-te?

Acho que foi crucial para mim. Foi muito exigente. Os actores gostam de ser desafiados, de ser pressionados. Repara que era um filme de baixo orçamento. A maior parte das pessoas esquece-se disso. Estávamos a curar cegos à tarde e pregados à cruz à noite. E atenção que não me estou a queixar – de certa forma foi uma bênção.

Entrar num filme do Wes Anderson – e pelas minhas contas já vais em três, incluindo um em que fazes de rato – deve ser muito diferente de um papel que exige alguma capacidade de improviso.

Sim, é o oposto. O mais importante com o Wes Anderson é aperfeiçoar o gesto. E muitas vezes esse gesto é decidido antes de tudo. No Grand Budapest Hotel, antes de começarmos a trabalhar, o Wes mostrou-me uma versão animada, desenhada à mão, de todo o filme. E era fantástico. Ele fez todas as vozes. Eu disse-lhe “Não tens de fazer o filme – lança isto.” E ele disse-me só: “Alguns actores querem ver isto, porque não me querem ouvir dizer as deixas deles.” Mas eu adoro isso. Acredito na imitação. Acredito em trabalhar a partir de modelos. É um ponto de partida. É uma linguagem. A ti cabe apenas dar-lhe vida.

Onde é que te ensinaram isso? Às vezes as tuas interpretações parecem flirts.

Já ninguém flirta. As pessoas agora estão a engatar-se a elas próprias. [Olha para um telefone imaginário na sua mão] Isto é um espelho.

O teu trabalho é muito autêntico.

É uma questão de retornar à natureza das coisas, de ser um animal num cenário de pureza. Isso é o mais importante para mim. Queres desaparecer para dentro de algo maior.

Conversa filmada

John Carroll Lynch: “Para o Harry, representar era respirar”

Intérprete de filmes como Fargo, Zodiac ou O Fundador, e de séries como American Horror Story, John Carroll Lynch é um dos mais conhecidos actores de composição americanos. E coube-lhe trabalhar com Harry Dean Stanton no seu primeiro filme atrás das câmaras, o derradeiro do seu grande e falecido colega.

Ler mais
Por Eurico de Barros
Publicidade

Gal Gadot: "A Mulher-Maravilha é maior do que eu"

Gal Gadot cresceu em Telavive. Queria ser advogada, mas foi convencida a concorrer a Miss Israel em 2004. Seguiu-se uma carreira na moda, interrompida pelos dois anos de serviço militar obrigatório. Hoje, é a Mulher-Maravilha da DC.

Ler mais
Por Cath Clarke

Comentários

0 comments