Cinco filmes a não perder no Queer Lisboa 2017

A 21ª edição do Queer Lisboa – Festival Internacional de Cinema Queer começa esta sexta, 15 de Setembro. Sugerimos-lhe cinco filmes para ver até dia 23 no cinema São Jorge
Beach Rats
©DR Beach Rats de Eliza Hittman
Por Clara Silva |
Publicidade

Depois de soprar 20 velas em 2016, o Queer Lisboa, o festival de cinema mais antigo da cidade, está de volta com um recorde de países participantes. Ao todo são 92 filmes de 32 países. Facilitamos-lhe a tarefa e escolhemos cinco a não perder na 21ª edição.

Cinco filmes a não perder no Queer Lisboa

Camera
Filmes

God’s Own Country, de Francis Lee

icon-location-pin Avenida da Liberdade

Sexta 15, às 21.00; repete domingo 17, às 17.15.

O filme de abertura do festival, God’s Own Country, marca a estreia do britânico Francis Lee e é por muitos “definido como uma espécie de Brokeback Mountain inglês”, diz João Ferreira, director do Queer. A história é a da relação entre Johnny Saxby e Gheorghe, um romeno que chega para ajudá-lo no trabalho numa fazenda do Yorkshire. O filme estreou este ano em Sundance e é baseado na vida do próprio realizador.

Camera
Filmes

Beach Rats, de Eliza Hittman

icon-location-pin Avenida da Liberdade

Sábado 16, às 19.30.

“Um dos filmes que mais lutámos para conseguir este ano, o Beach Rats, esteve em Sundance e mostra muito bem como o cinema queer tem reinventado as suas histórias”, continua João Ferreira, director do festival. Passado em Brooklyn, é um filme sobre “a descoberta da sexualidade” de Frankie (Harris Dickinson), um adolescente nos subúrbios de Nova Iorque que divide o seu tempo entre a nova namorada e homens mais velhos que vai conhecendo online.

Publicidade
Camera
Filmes

100 Men, de Paul Oremland

icon-location-pin Avenida da Liberdade

Sábado, 23, às 17.15.

Numa parceria com o centro de rastreio Checkpoint LX, no Príncipe Real, para testes rápidos de VIH a homens que têm sexo com homens, o Queer apresenta o documentário neozelandês – seguido de um debate – 100 Men, no qual o realizador, Paul Oremland, procura todos os homens com quem teve sexo ao longo da vida e acaba por, a partir da sua história, traçar outra mais universal.

Camera
Filmes

1:54, de Yan England

icon-location-pin Avenida da Liberdade

Sexta, 22, às 22.00.

O canadiano Yan England vem ao Queer apresentar 1:54, uma longa-metragem sobre o bullying sofrido na escola por Tim (Antoine-Olivier Pilon, protagonista também de Mommy, de Xavier Dolan), um atleta de 16 anos a tentar qualificar-se para os nacionais de atletismo (1:54, o nome do filme, é o tempo que tem de fazer). O realizador já esteve nomeado para o Óscar de Melhor Curta-Metragem em 2013, com Henry.

Publicidade
Camera
Filmes

Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert

icon-location-pin Avenida da Liberdade

Sábado 23, às 21.00.

Para encerrar o festival, o Queer apresenta a estreia de Mãe Só Há Uma (sábado, 23, às 21.00), filme da brasileira Anna Muylaert que já conhecemos de Que Horas Ela Volta?, com Regina Casé no papel de uma empregada doméstica. Neste Mãe Só Há Uma, Pierre (Naomi Nero) descobre a sua sexualidade, ao mesmo tempo que também descobre a sua mãe biológica. O filme esteve no festival de Berlim do ano passado, onde recebeu o prémio Teddy, para filmes LGBT, e está nomeado em três categorias do Grande Prémio do Cinema Brasileiro.

Mais Queer

Notícias, LGBT

Conheça a programação do Queer Lisboa

A 21ª edição do Festival Internacional de Cinema Queer acontece entre 15 e 23 de Setembro no Cinema São Jorge. São 90 filmes de 32 países (com os Estados Unidos em maioria, com 21 filmes) em competição e fora de competição. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com