Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Como celebrar o Pride em casa
LGBT+, Bandeira
©DR

Como celebrar o Pride em casa

O Global Pride celebra-se online, na sequência do cancelamento de marchas e eventos Pride no mundo inteiro. Festeje sem sair de casa

Por Clara Silva
Publicidade

Com o cancelamento de marchas e eventos Pride no mundo inteiro, devido à pandemia de Covid-19, este ano o Global Pride celebra-se na internet. E em casa. Há 24 horas de performances, discursos, concertos e mensagens de apoio, para acompanhar online ao longo do próximo sábado, 27 de Junho, em www.globalpride2020.org e no YouTube do Global Pride. Mas as celebrações não se ficam por aí. Damos-lhe um guia completo para os festejos caseiros.

Recomendado: O Global Pride é no sábado. Conheça a programação

Orgulho em casa

Roupa, Levis's Pride, #Use Your Voice
Roupa, Levis's Pride, #Use Your Voice
©DR

Vista-se a rigor

Lá por festejar o Pride pela primeira vez em casa não quer dizer que não possa hastear a bandeira LGBT+ à janela e vestir a camisola. Várias marcas lançaram no início do mês as suas colecções Pride, cujos lucros revertem a favor de associações LGBT do mundo inteiro. Espreite as colecções coloridas e solidárias de marcas como a Levi’s, a Puma, a Converse ou a Happy Socks.

Global Pride 2020, Exist, Persist, Resist
Global Pride 2020, Exist, Persist, Resist
©DR

Ligue-se

São 24 horas de performances, discursos, concertos e mensagens de apoio. O Global Pride, apresentado pelo actor, cantor e coreógrafo Todrick Hall e transmitido no sábado, 27 de Junho, em www.globalpride2020.org e no YouTube do Global Pride, é o resultado do esforço de voluntários do mundo inteiro que se juntaram virtualmente depois de milhares de eventos Pride terem sido cancelados devido à pandemia. Mais de 500 associações LGBT+ do mundo inteiro enviaram conteúdos à organização do Global Pride (entre elas a ILGA Portugal), que irá exibi-los já editados em streaming no sábado. A Time Out é um dos parceiros de comunicação do evento.

Publicidade
LGBT+, #BlackLivesMatter, Oradores
LGBT+, #BlackLivesMatter, Oradores
©DR

Conheça os oradores

A organização do Global Pride já adiantou em comunicado que o evento online iria amplificar várias “vozes negras” do movimento #BlackLivesMatter. Entre as mais recentes confirmações no painel dos oradores deste Pride digital está o democrata Joe Biden, candidato à presidência dos Estados Unidos. O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, e Guðni Jóhannesson, presidente da Islândia, também vão discursar.

LGBT+, Pabllo Vittar
LGBT+, Pabllo Vittar
©DR

Não perca os concertos

São muitos os artistas na lista de concertos e performances do Pride. Adam Lambert, Conchita Wurst, Leann Rimes, Mel C (das Spice Girls), Olivia Newton-John, Pabllo Vittar (na foto), Peaches, Pussycat Dolls, Pussy Riot, Rita Ora e Village People estão entre os nomes já confirmados pela organização. É provável que ainda haja mais surpresas de última hora.

Publicidade
VideoJogo, Switch Animal Crossing: New Horizons, Marcha Pride Virtual
VideoJogo, Switch Animal Crossing: New Horizons, Marcha Pride Virtual
©DR

Marche

As celebrações virtuais estendem-se a outras plataformas, como o videojogo para a Nintendo Switch Animal Crossing: New Horizons, o mais vendido durante a quarentena. A organização do Global Pride incita os jogadores a criarem a sua própria marcha Pride no jogo e a visitar uma ilha Pride decorada a rigor, que terá uma marcha virtual no dia 27. O Global Pride Crossing começou na quinta-feira, 18, e dura até ao fim do mês.

Filme, Cinema, Documentário, A Vida e a Morte de Marsha P. Johnson
Filme, Cinema, Documentário, A Vida e a Morte de Marsha P. Johnson
©DR

Estude a licão

Há vários documentários sobre personalidades LGBT disponíveis nas plataformas, ideais para ver – ou rever – neste mês Pride. Um deles é A Vida e a Morte de Marsha P. Johnson, na Netflix, sobre esta activista trans, uma das figuras mais importantes da Revolta de Stonewall em Junho de 1969 e dos movimentos pelos direitos LGBT. No filme de 2017, realizado por David France, Victoria Cruz, activista e amiga de Marsha, investiga as causas suspeitas da sua morte, em 1992, classificada na altura pela polícia como suicídio.

Também lhe pode interessar

Call Me By Your Name
©IMDB

Os melhores filmes gays

Filmes

Nas últimas décadas, o preconceito parece ter-se esbatido. Não é que a posição da indústria em relação ao assunto seja unânime, mas há cada vez mais espaço para grandes histórias que, numa outra altura, teriam ficado arquivadas na gaveta. Ainda bem que assim o é, caso contrário, títulos como Felizes Juntos, de Wong Kar-Wai, Os Rapazes Não Choram, de Kimberly Pierce, ou Moonlight, de Barry Jenkins, nunca teriam chegado à tela. Na lista abaixo estão 13 filmes gays essenciais a qualquer cinéfilo, mas há sempre espaço a mais.

Filme, Cinema, Green Book - Um Guia para a Vida (2018)
©Ascot Elite

Filmes gays nos Óscares: os mais marcantes a concorrer à estatueta dourada

Gay

É uma época de ouro para o cinema LGBTI+. Filmes como Moonlight, Chama-me Pelo Teu Nome ou Um Homem Singular trouxeram uma representação muito necessária para o grande ecrã, ao mesmo tempo que proporcionam experiências cinematográficas surpreendentes. A democratização das questões de género e da orientação sexual é um tópico que ganha cada vez mais força e a Academia vai reconhecendo o talento — ainda que a plenitude ainda não tenha sido alcançada. Saia do armário connosco, instale-se confortavelmente no sofá e recorde os filmes gays que marcaram os Óscares.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade