10 obras do tempo de Murillo

O 43.º Festival de Estoril Lisboa, que decorre de 1 a 28 de Julho, é pontuado por três concertos que celebram os 400 anos do nascimento do pintor Bartolomé Murillo. É um bom pretexto para recordar obras de um período de ouro da música espanhola
The Young Beggar
©Bartolomé Esteban Murillo
Por José Carlos Fernandes |
Publicidade

Bartolomé Murillo (1617-1682) foi baptizado em Sevilha e aí foi iniciado na arte da pintura por Juan del Castillo. Em 1642, com 26 anos, mudou-se para Madrid, mas regressou três anos depois e ficou na cidade andaluza até à morte, aos 64 anos. Embora tenha deixado uma imensa quantidade de pintura religiosa, é hoje mais lembrado pelos quadros que captam a vida das classes populares e em particular das crianças pobres, que representou de forma realista, não omitindo a sujidade nem as roupas rasgadas, remendadas e puídas, e apresentando-as entregues a actividades banais e quotidianas como comer, jogar aos dados ou catar pulgas. Apesar da pobreza, o tom costuma ser bem-humorado e anedótico, algo que se perdeu com os imitadores de Murillo, que apenas exploram o lado amável e sentimental e criaram milhares de meninos pobres lacrimejantes e lacrimogéneos que, durante boa parte do século XX, foram peça indispensável da decoração doméstica (isto foi antes de haver IKEA, claro).

O tempo de Murillo foi pródigo em grandes pintores – Ribera, Velázquez, Zurbarán – mas também teve grandes compositores, embora os segundos estejam hoje longe de gozar da visibilidade dos primeiros.

Concertos de homenagem a Murillo no 43º Festival de Estoril Lisboa

O organista Andrés Cea Galán dá um recital preenchido por obras de compositores espanhóis do século XVII – Francisco Correa Arauxo, Pablo Bruna, Juan Cabanilles, Joséph Jiménez.

Igreja de S. Vicente de Fora, sábado 8 de Julho, 17.00, grátis.

O Sonor Ensemble, dirigido por Luis Aguirre, propõe um programa que inclui a estreia de Niños de Murillo, de Sebastian Mariné (n. 1957) e Cádiz e Sevilla, de Albéniz; sem relação com Murillo, ouvir-se-ão o Concerto para violino e piano op.21, de Chausson, e o Verano Porteño, de Piazzolla.

Palácio Nacional da Ajuda, segunda-feira 10 de Julho, 18.00, 12€.

O ensemble de música antiga Orphenica Lyra propõe obras de contemporâneos e conterrâneos de Murillo, como Juan Arañés, Sebastian Durón, Francisco Guerau, Juan Hidalgo, José Marín, Miguel Martí Valenciano, Antonio Martín y Coll e Gaspar Sanz. A interpretação é de Soledad Cardoso (soprano), Ventura Rico (viola da gamba) e José Miguel Moreno (guitarra barroca).

Palácio Nacional da Ajuda, sábado 15 de Julho, 18.00, 12€.

10 obras do tempo de Murillo

Camera

“Batalla de Morales”, de Francisco Correa de Arauxo

O sevilhano Francisco Correa de Arauxo (1584-1654) foi organista nas catedrais de Sevilha e Jaén e publicou livros de teoria musical. Aos nossos dias apenas chegou o Libro de tientos intitulado Facultad organica (1626), que, como o título indica, diz respeito ao órgão e reúne composições, um tratado teórico e considerações práticas sobre execução.

As “batallas” são um género frequente na música para órgão ibérica da Renascença e Barroco e costumavam ser tocadas no momento da Consagração, durante a Eucaristia. Têm, como o nome indica, uma sonoridade aguerrida, replicando os ruídos de um confronto militar, com fanfarras, disparos de canhão e rolamentos de tambores. Há quem veja nelas uma representação musical da luta entre o Bem e o Mal.

[Transcrição para ensemble da peça original para órgão, pelo Hespèrion XX, dirigido por Jordi Savall, no Festival Tibor Varga, Sion, Suíça, 1998]
Camera

“Tiento de 2.º Tono sobre la Letanía de la Vírgen”, de Pablo Bruna

Pablo Bruna (1611-1679) faz parte de uma tradição de grandes organistas cegos que marcou o Renascimento e o Barroco. Era conhecido como o “El Ciego de Daroca”, pois foi nesta cidade (um centro de peregrinação com sete igrejas e sete conventos, na província de Zaragoza) que nasceu, viveu e morreu. Tornou-se organista da Colegiata de Santa Maria la Mayor aos 16 anos, foi confirmado oficialmente no cargo aos 20 e desempenhou-o até falecer, aos 68 anos. Se Bruna não saiu de Daroca, a sua fama era suficiente para que Filipe IV e Carlos II se deslocassem à cidade expressamente para ouvi-lo.

[Por Santiago Banda, no órgão do século XVII na Igreja dos Padres Agustinos, Pamplona, 2008]
Publicidade
Camera

“Sólo Es Querer”, de Juan Hidalgo

O harpista Juan Hidalgo de Polanco (1614-1685) nasceu e morreu em Madrid e serviu as cortes de Filipe V e Carlos II. Este último tinha a sua música em tanta estima que fez com que todas as suas composições fossem guardadas nos arquivos musicais da corte – o que levou a que boa parte da sua obra se perdesse quando o Real Alcázar de Madrid foi devastado por um incêndio em 1734.

Hidalgo foi pioneiro da ópera em Espanha, com Celos Aun del Aire Matan (1660), com libreto de Calderón de la Barca, e compôs muitos “tonos humanos”, designação dada a composições profanas para voz solo e acompanhamento instrumental (um equivalente aproximado da cantata profana italiana) do século XVII espanhol. Um desses tonos humanos é “Sólo Es Querer”, que exprime os paradoxos do amor, que ao mesmo tempo proporciona prazer e sofrimento, e o imperativo de ocultar as penas e ardores que consomem o coração apaixonado.

[Por Raquel Andueza (soprano), Jesús Fernández (tiorba) e Pierre Pitzl (guitarra barroca)]
Camera

“Serafín que con Dulce Harmonia”, de Joan Cererols

O catalão Joan Cererols Fornells (1618-1680) iniciou a sua formação no coro do Mosteiro de Montserrat, perto de Barcelona, e, após um período em Madrid, regressou ao Mosteiro de Montserrat, em 1648, para assumir o posto de mestre de capela, até à morte, 32 anos depois.

Compôs essencialmente música sacra, entre a qual se contam nove missas (duas delas de defuntos) e numerosos motetos e villancicos, um género tipicamente ibérico, que nasceu como canção profana popular, com alternância de estrofe e refrão, mas depois foi associado a textos sacros, frequentemente de temática natalícia, e ganhou elaboração polifónica. “Serafín que con Dulce Harmonia” é um villancico natalício a 8 vozes: a “Vida” a que aludem os versos “Anjo, que com doce harmonia/ A Vida que nasce adorando estás” é, claro, o Menino Jesus.

[Por La Capella Reial de Catalunya e Hespèrion XX, dirigidos por Jordi Savall, no Festival Tibor Varga, Sion, Suíça, 1998]
Publicidade
Camera

“No Pense Menguilla Ya”, de José Marín

José Marín (1619-1699) foi cantor da capela real de Filipe V entre 1644 e 1649, viajou até a Roma (onde foi ordenado padre) e às Américas, regressando a Espanha em 1654 para se envolver, nos três anos seguintes, em casos de roubo e homicídio que acabaram por resultar na sua prisão e condenação a 10 anos de desterro. Consta que se arrependeu sinceramente desta vida pecaminosa e terá pautado o resto da vida por uma conduta exemplar. Deixou apreciável quantidade de “tonos humanos”, tendo meia centena deles sido coligidos no manuscrito Cancionero de Marín (1690).

[Por Montserrat Figueras (soprano), Rolf Lislevand (guitarra), Arianna Savall (harpa, soprano) e Pedro Estevan (percussão) e Adela González-Campa (castanholas), do CD Tonos Humanos (Alia Vox)]
Camera

“Oygan los Dulzes Ecos”, de Cristobál Galán

O valenciano Cristobál Galán (c.1615-1684) foi mestre de capela em Cagliari, na Sardenha (a ilha esteve sob domínio aragonês/espanhol entre 1323 e 1708), depois na catedral de Segóvia (1664-67) e no Mosteiro das Descalzas Reales de Madrid (1667-80), até que foi nomeado mestre da capela real em 1680, cargo que exerceu até à morte.

Compôs sobretudo música religiosa, entre a qual está o villancico de ecos “Oygan los Dulzes Ecos”. O villancico de ecos é assim denominado pelos engenhosos efeitos de eco (e jogos de palavras) em “desconfía, confía, fía”, “recobra, cobra, obra”, “adivino, divino, vino”, “arroxas, rojas, hojas”, “adoro, doro, oro”, que ilustram o argumento central do texto: o eco do divino no coração humano é a fé.

[Pelo ensemble Al Ayre Español, com direcção de Eduardo López Banzo, do CD A Batallar Estrellas (Harmonia Mundi)]
Publicidade
Camera

“Marionas por la B”, de Gaspar Sanz

O guitarrista Francisco Bartolomé Sanz Celma (1640-1710), que adoptou o nome de Gaspar Sanz, estudou música e teologia na universidade de Salamanca e prosseguiu os estudos musicais em Roma e Nápoles, tendo sido organista do vice-rei de Nápoles (então sob domínio espanhol). De regresso a Espanha, tornou-se professor de guitarra de D. João de Áustria (filho bastardo de Filipe IV), mas pouco mais se sabe da sua vida. Tal não impede que seja figura central da tradição espanhola de guitarra, tendo escrito três tratados com o título Instrucción de Música sobre la Guitarra Espanõla, surgidos em 1674, 1675 e 1697.

As “marionas” são uma dança popular de origem hispânica ou hispano-americana que esteve em voga nos séculos XVII-XVIII e que tem afinidades, pela sua linha de baixo repetitiva, com a passacalla.

[Por Xavier Díaz-Latorre (guitarra barroca) e Pedro Estevan (percussão), do CD Laberintos Ingeniosos (Cantus)]
Camera

“Los Coflades de la Estleya”, de Juan de Araujo

Juan de Araujo (1642-1712), nasceu em Villafranca de los Barros, em Espanha, e fez a maior parte da carreira no Novo Mundo, tendo sido mestre de capela nas catedrais de Lima (Perú), Cuzco (Perú) e Sucre (então no Alto Perú, hoje na Bolívia).

A música sacra de Araujo que nos chegou – cerca de 150 obras – revela uma colorida fusão das tradições ibérica, sul-americana e africana, de que dá testemunho “Los Coflades de la Estleya”, um “negrito a la Navidad del Senõr”. Um negrito, também conhecido como negrilla, negro ou guineo, é um caso particular do villancico que faz intervir personagens africanas falando em crioulo (português ou espanhol) e que incorpora influências rítmicas africanas. Tem quase sempre temática natalícia, envolvendo os pastores e a adoração de Jesus, como é este o caso: “Los coflades de la estleya/ Vamo turus a Beleya”, ou seja, “Os confrades da estrela/ Vamos todos a Belém”.

[Pelo GCC Grupo de Canto Coral, dirigido por Néstor Andrenacci]
Publicidade
Camera

“Batalla Imperial”, de Juan Cabanilles

O valenciano Juan Bautista Cabanilles (1644-1712) foi nomeado segundo organista da catedral de Valencia, em 1665 (com 20 anos) e ascendeu a primeiro organista um ano depois, após a morte de Andrés Peris, “El Ciego de Valencia” (mais um dos célebres organistas cegos desta época). Ocupou o cargo durante os 45 anos seguintes, deixando música vocal sacra e duas centenas de peças para órgão.

[Pelo organista Paulino Ortíz, no “órgão do Imperador”, o mais antigo dos órgãos da catedral de Toledo, construído em meados do século XVI]
Camera

“A Este Sol Peregrino”, de Tomás de Torrejón y Velasco

Tomás de Torrejón y Velasco Sánchez (1644-1728) nasceu em Albacete e, como tantos compositores ibéricos do seu tempo, rumou ao Novo Mundo, tendo, em 1676, sucedido a Juan Araujo como mestre de capela na catedral de Lima, no Perú, posto que ocupou durante 52 anos, até à morte, aos 84 anos. “A Este Sol Peregrino” é um “villancico-bailete” que equipara o esplendor de São Pedro ao do astro-rei: “Divino Pedro, as tuas glórias intimidam a minha voz [...]/ De Ocidente a Oriente caminha o teu soberano esplendor”.

[Por The Boston Camerata, The Boston Shawm & Sackbutt Ensemble e Schola Cantorum of Boston, com direcção de Joel Cohen, do CD Nueva España: Close Encounters in the New World (Warner Classics)]

Clássica para todos

Música

10 peças clássicas associadas a filmes famosos

A maioria dos filmes não é capaz de dispensar da música e algumas obras de compositores clássicos, umas já célebres, outras obscuras, têm sido chamadas a complementar as imagens, acabando, por vezes, por ficar associadas para sempre às películas.

András Schiff
©Birgitta Kowsky
Música, Clássica e ópera

Dez concertos para piano que precisa de ouvir

O pianoforte, o grácil antepassado do robusto instrumento que hoje conhecemos como piano, foi inventado por Bartolomeo Cristofori no início do século XVIII, mas levou algum tempo até que pudesse contestar a hegemonia do cravo e os compositores começassem a escrever peças destinadas especificamente a ele. 

Publicidade
Bathers in Asnières
©Georges Seurat
Música

10 obras clássicas para celebrar o Verão

Antes de se ter tornado sinónimo de odor a protector solar, sunset parties e bares de praia a bombar música chill out a volumes sísmicos, o Verão inspirou grandes obras musicais. Eis uma amostra que vai de meados do séc. XVII a meados do séc. XX.

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com