Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right 10 versões clássicas de “Anything Goes”

10 versões clássicas de “Anything Goes”

Uma das canções mais trocistas de Cole Porter, que descreve um tempo de desnorte, em que vale tudo e nada causa escândalo, converteu-se num standard tocado por numerosos músicos de jazz

Por José Carlos Fernandes |
Publicidade
Cole Porter
©DR Cole Porter ao Piano

Nos 83 anos que decorreram desde que foi escrita, os detalhes da letra original de “Anything Goes” converteram-se em enigmas indecifráveis, mas a sua essência não perdeu actualidade – muito pelo contrário.

Cole Porter (1891-1964), o autor da letra e da música, faz alusão, em tom satírico, a vários eventos escandalosos ou ridículos do show bizz e do jet set norte-americanos daquele tempo. Por exemplo, o filme Nana, uma produção de Samuel Goldwyn desse mesmo ano de 1934, que deveria ter imposto a actriz Anna Sten como uma rival de Greta Garbo, mas que foi um fiasco, em boa parte porque o inglês da ucraniana Sten era praticamente incompreensível – algo que só Goldwyn, nascido e criado na Polónia, não terá percebido.

Naturalmente, os cantores foram deixando cair estas referências à medida que foram ficando datadas e cingiram-se à parte intemporal da letra, o que faz com que a maioria das versões vocais dure pouco mais de dois minutos, uma brevidade que, pelo menos nos anos 50, parece ter contagiado também as versões instrumentais.

A letra diz-nos que muito mudou desde que os puritanos do Mayflower desembarcaram em 1620 em Plymouth Rock (no que é hoje o Massachusetts), evento que é visto como um momento fundador na história dos EUA. Queixa-se Porter de que “Em dias passados, entrever umas meias/ Era tido como algo de chocante/ Mas hoje, sabe Deus/ Vale tudo/ Os escritores de renome, que em tempos eram educados/ Agora só usam palavras ordinárias/ Na escrita da prosa/ Vale tudo/ O mundo de hoje enlouqueceu/ O bom é mau/ E o preto é branco/ E a noite é dia/ Neste tempo em que os homens/ Que as mulheres mais prezam/ São gigolôs tontos”.

A canção fez parte do musical homónimo estreado em 1934, que continha duas outras canções que também se converteram em standards, “I Get a Kick Out of You” e “You’re the Top”.

Recomendado: 10 versões jazz de bandas sonoras famosas

10 versões clássicas de “Anything Goes”

Cole Porter

Ano: 1934
Álbum: Cole Porter: A Centennial Celebration (RCA)

Uma verdadeira raridade: é o próprio compositor que canta, acompanhando-se ao piano, no ano da estreia da canção. A letra é a original, retendo os muitos versos omitidos nas versões posteriores.

Helen Merrill

Ano: 1955
Álbum: Helen Merrill with Strings (EmArcy)

Nesta versão de “Anything Goes”, Merrill escolhe uma abordagem invulgarmente lenta e suave e uma articulação pausada e meticulosa, que, em vez de atenuarem a ironia da letra, acabam por a realçar. E se é verdade que, no trecho “When most guys today/ That women prize today/ Are just silly gigolos”, o recato a faz substituir “gigolos” por “Romeos”, no final ela acrescenta, em tom malicioso: “Qualquer coisa que me queiras fazer, querido, está bem para mim.”

A sessão de Outubro de 1955 conta com um quarteto com Hank Jones (piano), Barry Galbraith (guitarra), Milt Hinton (contrabaixo) e Sol Gubin (bateria) e uma orquestra de cordas arranjada e dirigida por Richard Hayman (a que se soma algo que soa como um clarinete-baixo, logo no início de “Anything Goes”).

Publicidade

Frank Sinatra

Ano: 1955-56
Álbum: Songs for Swingin’ Lovers! (Capitol)

Songs for Swingin’ Lovers! foi o quarto álbum da ditosa colaboração entre Sinatra e o orquestrador e maestro Nelson Riddle e é dominado por canções de tempos médios e rápidos e uma toada mais jazzística e exuberante do que a média dos álbuns anteriores.

Chris Connor

Ano: 1956
Álbum: Chris Connor (Atlantic)

Chris Connor já tinha gravado cinco álbuns para a Bethlehem, em 1954-55, quando se estreou na Atlantic com o álbum Chris Connor (que marcou a estreia da editora no jazz vocal). O álbum reúne material de três sessões diferentes, uma com orquestra de 19 elementos arranjada por Ralph Burns, outra mais intimista, com um quarteto liderado pelo pianista John Lewis, e outra com um decateto de que fazia parte Zoot Sims. Foi com este último que Connor gravou "Anything Goes”, a 8 de Fevereiro de 1956.

Publicidade

Ella Fitzgerald

Ano: 1956
Álbum: Sings the Cole Porter Songbook (Verve)

Cole Porter foi o autor escolhido por Norman Granz para inaugurar a série American Songbook e, ao mesmo tempo, o catálogo da sua editora. A série, que se estenderia até 1964 (com o Johnny Mercer Songbook) iria ficar como o maior feito da prolífica carreira de Ella e um marco na história do jazz vocal. Nestes dois LPs, gravados em Fevereiro-Março de 1956 e contendo 32 canções, Ella contou com o respaldo de uma orquestra arranjada e dirigida por Buddy Bregman.

Quando o disco foi editado, Granz fez questão de o levar, em pessoa, a Cole Porter, que terá emitido apenas este comentário: “Que dicção maravilhosa tem esta rapariga”. É verdade, mas a “rapariga” tinha muito mais do que isso.

Sonny Criss

Ano: 1956
Álbum: Sony Criss Plays Cole Porter (Imperial)

Apesar de uma carreira de três décadas como líder – de California Boppin’ (1947) a The Joy of Sax (1977) – o saxofonista alto Sonny Criss nunca alcançou grande visibilidade, embora os seus discos da década de 50 tenham sido bem recebidos pela crítica. Foi o caso deste álbum dedicado a composições de Cole Porter, que inclui uma versão de “Anything Goes” com Sonny Clark (piano), Larry Bunker (vibrafone), Buddy Woodson (contrabaixo) e Lawrence Marable (bateria).

Publicidade

Dakota Staton

Ano: 1958
Álbum: Dynamic! (Capitol)

A cantora Dakota Staton, acompanhada por um combo dirigido por Sid Feller, dá-nos uma versão zombeteira e muito viva de “Anything Goes”, uma disposição que parece contagiar a trompete.

Gerry Mulligan & Stan Getz

Ano: 1957
Álbum: Gerry Mulligan Meets Stan Getz (Verve), também editado como Mulligan Meets Getz in Hi-Fi

Os álbuns em colaboração que, na década de 1950, o saxofonista barítono Gerry Mulligan, lançou com outros nomes grandes do jazz, são quase todos indispensáveis e a reunião com o saxofonista tenor Stan Getz não é excepção. “Anything Goes” é atacado com invulgar ímpeto pelos dois sopradores, sustentados pela efervescente secção rítmica formada por Lou Levy (piano), Ray Brown (contrabaixo) e Stan Levey (bateria).

Publicidade

Count Basie & Tony Bennett

Ano: 1959
Álbum: Basie Swings, Bennett Sings (Roulette), reeditado como Strike Up the Band

Em 1959, Tony Bennett gravou dois álbuns com a orquestra de Count Basie, In Person! para a Columbia, e Basie Swings, Bennett Sings para a Roulette. Não sendo uma versão que possa comparar-se às de Ella, Sinatra ou Merrill, é bem melhor do que a que viria a gravar, 64 anos depois, com Lady Gaga, para o álbum em dueto Cheek to Cheek e em que ambos passam a maior parte do tempo a berrar para disfarçar quão limitadas são as qualidades vocais (as dele porque as perdeu, ela porque nunca as teve). Se Porter os ouvisse comentaria “Anything goes!”.

Martial Solal

Ano: 1960
Álbum: The quintessence. Paris 1956-1962 (Frémeaux & Associés)

Esta versão traquinas de “Anything Goes” foi registada a solo por Martial Solal, um pianista francês nascido em 1927 na Argélia, que descobriu o jazz com os soldados americanos que desembarcaram no Norte de África em 1942 e se estreou em disco como líder em 1953 e soube manter uma carreira de invulgar vitalidade e irreverência até ao final da primeira década do século XXI. As sessões a solo registadas em 1960, em Paris, podem ser encontradas em várias compilações, nomeadamente na que se menciona acima.

Mais jazz em versões

Billie Holiday
@William P. Gottlieb
Música, Jazz

11 versões de “Summertime”

“Summertime” é um objecto de difícil classificação. É uma ária de ópera – é ela que abre Porgy & Bess (1935) –, é uma canção de embalar – Clara canta-a para adormecer o seu bebé –, tem raízes nos espirituais negros e no blues, um musicólogo viu nela influências de Dvorák, Wayne Shorter filia-a no “acorde de Tristão, de Wagner, e foi entusiasticamente adoptada pelo jazz – embora não tenha despertado grande interesse até ao final da II Guerra Mundial, nas décadas de 1950 e 1960 foram gravadas cerca de 400 versões por músicos de jazz.

Chuva
©DR
Música

10 versões de “Here’s That Rainy Day”

Quem diria que uma canção tão melancólica proveio de um musical com o título Carnival in Flanders? A atmosfera não é de Terça-Feira Gorda mas de Quarta-Feira de Cinzas; o tema é a desilusão e a erosão do amor, algo que parece impossível quando se está apaixonado: “ri-me da ideia de que pudesse acabar assim”. Porém, o amor acabou mesmo por “transformar-se num dia chuvoso e frio”.

Publicidade
Música

10 versões de “Night and Day”

A canção faz parte do musical Gay Divorce, com música de Cole Porter e libreto de Dwight Taylor e um título que hoje poderia sugerir uma sátira ao casamento gay – porém, em 1932, quando o musical estreou, “gay” era apenas entendido no sentido de “alegre” e o casamento que se encaminha para um inevitável (e nada trágico) divórcio é heterossexual.

You may also like

    Publicidade