13 discos indispensáveis de jazz português

Estamos aqui para lembrar aos mais distraídos o alto nível atingido pelo jazz português. Os 13 discos que se seguem só o confirmam
Rodrigo Amado Trio
©Nuno Martins
Por José Carlos Fernandes |
Publicidade

A famosa dupla Maria João e Mário Laginha, Carlos Bica e Azul, L.U.M.E. e Júlio Resende são alguns dos nomes que constam desta lista de discos indispensáveis de jazz português. Porque nunca é demais lembrar que o nacional é bom.

13 discos indispensáveis de jazz português

Maria João - Fábula
©DR

Maria João & Mário Laginha: Fábula (1996, Verve)

Não faltam bons discos na longa e frutuosa colaboração entre Maria João & Mário Laginha. Mesmo com alguns anos de interregno na parceria, somam já uma dúzia, entre Danças, de 1994, e Iridescente, de 2012, umas vezes só com voz e piano, outras com a companhia de distintos músicos nacionais e internacionais, numa ocasião com a Orquestra Filarmónica da NDR, de Hannover, mas Fábula é o mais perfeito dos 12. O duo é enriquecido por convidados de luxo, como Ralph Towner (guitarra clássica e de 12 cordas), Ricardo Rocha (guitarra portuguesa), Dino Saluzzi (bandoneon), Kai Eckhardt de Camargo (baixo) e Manu Katché (bateria) e o repertório é uma feliz e harmoniosa mistura de composições de Laginha, Ralph Towner, música tradicional portuguesa e canções de Edu Lobo/Chico Buarque.

[“Beatriz”, de Edu Lobo/Chico Buarque]

Carlos Barreto Trio - Radio Song
©DR

Carlos Barretto Trio: Radio Song (2002, Clean Feed)

O contrabaixista Carlos Barretto tinha já vários discos gravados como líder – Impressões (1993) e Going Up (1996) – mas foi no trio com Mário Delgado (guitarra) e Alexandre Frazão (bateria) que o seu talento encontrou a mais apurada expressão. Suíte da Terra (1998) ainda é um disco de busca e é em Radio Song (editado originalmente pela CBTM e reeditado em 2007 pela Clean Feed) que o trio começa a carburar em pleno. Em Radio Song o trio tem como convidado um clarinetista francês de primeiro plano, Louis Sclavis, que dará lugar, no álbum seguinte, Lokomotiv (2003, Clean Feed), ao não menos brilhante François Corneloup. O disco seguinte, Labirintos (2011, Clean Feed), regressa ao formato de trio (adoptando a designação de Lokomotiv, que permanece até hoje) e é igualmente recomendável.

[“Radio Song”, do álbum homónimo]

Publicidade
Carlos Bica & Azul - Look what they've done to my Song
©DR

Carlos Bica & Azul: Look What They’ve Done To My Song (2003, ENJA)

O trio Azul leva por esta altura 20 anos de existência e seis discos, o mais recente dos quais é More Than This, editado pela Clean Feed no final de 2016. São todos indispensáveis e a escolha de Things About é meramente arbitrária. Azul, o disco de estreia, de 1996, produziu um efeito de surpresa – nunca um trio de guitarra, contrabaixo e bateria tinha soado assim – mas cada um dos discos que se seguiram trouxe a renovação do milagre, soando tão frescos e originais como o primeiro. Magníficas melodias casam-se com adstringência e angulosidade, a música tradicional portuguesa convive com a dos Balcãs, o rock e o jazz confundem-se, uma canção melosa de Melanie ganha uma segunda e bem mais interessante vida. Tudo isto só é possível porque o contrabaixista Carlos Bica, o guitarrista alemão Frank Möbus e o baterista americano Jim Black não só são mestres absolutos dos seus instrumentos como possuem o supremo talento de saber colocar, a cada instante, a sua mestria ao serviço das composições e de terem desenvolvido uma cumplicidade que faz a mais céptica das criaturas crer na telepatia.

[“Password”]

Mario Laginha Trio - Espaço
©DR

Mário Laginha Trio: Espaço (2007, Clean Feed)

Mário Laginha é músico de facetas múltiplas, que vão da parceria com Maria João (que remonta a 1983, ainda no tempo do Quinteto Maria João), à composição de concertos para piano e outras peças “eruditas” para orquestra, passando por incursões no repertório clássico, com Pedro Burmester, pelas parcerias com Bernardo Sassetti e, mais recentemente, com Camané, e pelo piano solo (Canções & Fugas, de 2006). A faceta mais próxima dos cânones jazzísticos (pelo menos no instrumentário) é o trio que há muitos anos mantém com Bernardo Moreira (contrabaixo) e Alexandre Frazão (bateria) e do qual existem dois estupendos registos: este e Mongrel (2010, ONC), em que reinterpreta para a sua linguagem várias peças para piano solo de Chopin. Espaço resultou de uma encomenda da Trienal de Arquitectura de Lisboa de 2007 e merecia um Prémio Pritzker, tão ousadas, angulosas e fluidas são as suas linhas.

[“Tráfico”]

Publicidade
L.U.M.E. - L.U.M.E.
©DR

L.U.M.E.: L.U.M.E. (2010, JACC Records)

Perante a designação Lisbon Underground Music Ensemble (L.U.M.E.) haverá quem pense que, contando a Banda da Carris com quase nove décadas de vida, já era mais do que tempo de o Metropolitano de Lisboa ter a sua filarmónica. Só que ninguém no L.U.M.E. é funcionário do Metro e, escutando-o, ao vivo ou em disco, fica-se com a ideia que será melhor que a nenhum destes celerados seja confiado o transporte colectivo de passageiros. O L.U.M.E. segue trajectórias imprevisíveis, faz acelerações e travagens abruptas, ignora paragens, apeadeiros e estações, despreza sinais de trânsito e limites de velocidade, circula em contramão e não demonstra qualquer consideração pelo conforto e segurança do passageiro/ouvinte. E pratica estes desacatos ostentando um sorriso maníaco que faz pensar em Frank Zappa e na Flat Earth Society.

O L.U.M.E. é uma big band muito peculiar, congeminada por Marco Barroso, que, além de pianista, é responsável pelos samples e manipulações electrónicas. O disco de estreia, homónimo, saiu na JACC Records e na editora belga Buzz. Em 2016, a Clean Feed editou o opus 2, Xabregas 10, captado ao vivo no festival Jazz em Agosto de 2014.

[“Freestyle Boogie”, composição incluída no disco de estreia, homónimo, numa versão ao vivo no Teatro Gil Vicente, Coimbra, Novembro 2006]

Bernardo Sassetti Trio - Motion
©DR

Bernardo Sassetti Trio: Motion (2010, Clean Feed)

O pianista Bernardo Sassetti deixou-nos em 2012, interrompendo abruptamente uma vida criativa que ainda teria imenso para dar. À data da gravação deste seu último disco, o trio de Sassetti com Carlos Barretto (contrabaixo) e Alexandre Frazão (bateria) já levava 12 anos de vida e tinha produzido um magnífico disco, Nocturno (2002, Clean Feed), mais outro, não menos admirável, em “trio expandido”, Ascent (2005, Clean Feed). As múltiplas actividades por que os seus membros se dividiam explicam que o opus III tenha demorado, mas, no interim, o grupo não estagnou: apurou o despojamento e a contenção que lhe permite obter o máximo de sentido com um mínimo de gestos. O dia nasce com a suave demência de “Homecoming Queen” (uma canção dos Sparklehorse), a percussão a reforçar a atmosfera de caixinha de música avariada. Se há quem consiga resistir aos hipnotizadores dos circos, não haverá alma sensível que não fique subjugada ao encantamento de “Reflexos – Movimento Circular”. O dia avança e as brumas matinais dão dando lugar a ambientes diversificados: há breves frémitos de piano preparado, interferências radiofónicas, algum swing, e até um poderoso ritmo de drum’n’bass. A noite vai caindo e a melancolia volta a recobrir o mundo: “Chegada” tem a dolência de um Nocturno de Chopin, depois vem a peça de Mompou e… fim? Se ficar meio minuto no escuro a deixar a “Cançó” ecoar dentro de si, será recompensado.

[“Reflexos – Movimento Circular”]

Publicidade
Luis Lopes Humanization 4tet - Electricity
©DR

Luís Lopes Humanization 4tet: Electricity (2010, Ayler Records)

A alta voltagem só representa perigo para quem espera que o jazz se limite a massajar-lhe suavemente as orelhas após um dia estafante. “Dehumanization Blues”, o assertivo e áspero tema de abertura de Electricity, deixa claro que não é repouso que o Humanization 4tet tem para oferecer. Tão pouco se encontrará refrigério no turbilhão furioso de “Jungle Gymnastics” ou no groove funk, no riff sinuoso de sax e no contraponto ácido de guitarra de “Two Girls”, ou na viagem vertiginosa por subúrbios inquietantes de “Procurei-te na Noite”.

O Humanization 4tet do guitarrista Luís Lopes estreou-se na Clean Feed com um fulgurante disco homónimo e gravou dois discos de calibre idêntico para a editora sueca Ayler Records. Os irmãos González – Aaron no contrabaixo e Stefan na bateria – asseguram propulsão potente e elástica, Rodrigo Amado tem um discurso de uma solidez e incandescência que explicam porque razão é o músico de jazz português com mais prestigiante e prolífico currículo internacional e Luís Lopes, embora continue a deixar o primeiro plano a Amado, afirma-se como guitarrista original e de múltiplos recursos. A escuta de Electricity toma cerca de uma hora, mas fornece carga para uma semana de actividade.

[“Two Girls”]

Júlio Resende - You Taste Like Song
©DR

Júlio Resende: You Taste Like a Song (2011, Clean Feed)

O pianista Júlio Resende estreou-se na Clean Feed com o promissor Da Alma, confirmou as expectativas com Assim Falava Jazzatustra e ultrapassou-as com este terceiro disco, em trio com o contrabaixista norueguês Ole Morten Vagan e o baterista Joel Silva.

“Silêncio: For the Fado” começa com o contraste entre as ruminações inquietas de contrabaixo e o discurso tranquilo e límpido do piano e desabrocha num lirismo luminoso. Já “Hip-Hop Du-Bop” tem ritmo hip-hop anguloso e um piano a fazer de MC neurótico. “Airbag”, dos Radiohead, uma canção de extraordinária tensão e densidade, é reinventada como hino sereno e de claro recorte melódico, e a convencional “Who Did You Think I Was”, de John Mayer, ganha segunda vida impelida por ritmo dançarino e acentuações inesperadas. Mesmo quando toma um jazz standard, como é o caso de “Straight No Chaser”, o trio faz questão de o reconstruir em profundidade. Mas talvez a melhor porta de entrada seja o tema-título e “Um Pouco Mais de Azul”, com as suas melodias singelas repetidas obsessivamente, que ganham ímpeto e intensidade a cada nova volta e deixarão inebriado o mais sorumbático ouvinte.

[“Um Pouco Mais de Azul”]

Publicidade
Filipe Raposo - First Falls
©DR

Filipe Raposo Trio: First Falls (2011, Orfeu)

“Kind of Impatience” cita, sobre ritmo cambaleante, a pungente melodia do Andante con moto do Trio nº 2 D929 de Schubert, o endiabrado “Sadir Donka” baseia-se em folclore búlgaro (e evoca o jazz balcânico de Bojan Z.) e outros temas incorporam influências de Bach, Fauré e música tradicional portuguesa – é o próprio Filipe Raposo que o confessa. “Closer” parece enredado no barroco, o duo de piano e contrabaixo “Em Fado” sabe mesmo a fado, “Departure”, com piano melancólico sobre groove mecânico, deriva para o trip hop. Raposo, um pianista de curriculum que abarca vários géneros musicais, encontra em Yuri Daniel (contrabaixo e baixo fretless) ou Carlos Bica (contrabaixo) e em Carlos Miguel ou Vicky Marques (bateria) os cúmplices perfeitos para que esta confluência de influências não gere um cinzento pardo mas antes um admirável caleidoscópio sonoro.

[“First Falls”]

Rodrigo Amado Motion & Jeb Bishop
©DR

Rodrigo Amado Motion Trio & Jeb Bishop: Burning Live at Jazz ao Centro (2012, JACC Records)

Desde 2009, quando foi gravado o CD de estreia do Motion Trio, que junta Rodrigo Amado (sax), Miguel Mira (violoncelo) e Gabriel Ferrandini (bateria), a irreprimível energia nervosa do trio foi ganhando foco e direcção e atingiu o ponto de incandescência neste registo ao vivo, em Coimbra, no Festival Jazz ao Centro de 2011, em que o trio é complementado pelo trombonista Jeb Bishop, esteio de muito do jazz que se faz em Chicago (integrou durante muitos anos o Vandermark 5) e que traz a Burning Live uma densidade e intensidade acrescidas – a ponto de por vezes fazer esquecer que se está a ouvir só um quarteto.

O CD compõe-se de três longas faixas e a primeira e a última levam os indicadores de temperatura ao vermelho durante longos e exaltantes minutos, com o frenesim dos sopros a ser sustentado por um turbilhão demoníaco de violoncelo e bateria. A colaboração entre o Motion Trio e Bishop seria repetida em The Flame Alphabet, ainda e sempre sob o signo do fogo.



[“Burning live”]

Mostrar mais

Mais jazz

Charlie Byrd
©DR
Música, Jazz

10 encontros felizes entre jazz e bossa nova

Em 1961, o guitarrista Charlie Byrd fez parte de uma embaixada cultural que foi ao Brasil mostrar o jazz norte-americano e ficou fascinado com a bossa nova, um género então ainda com poucos anos de vida – Chega de Saudade, o álbum de estreia de João Gilberto, fora editado apenas dois anos antes. De regresso aos EUA, mostrou os discos de bossa nova que comprara no Brasil ao saxofonista Stan Getz, que também ficou cativado.

The Rolling Stones
Photograph: Courtesy The Rolling Stones
Música

10 clássicos rock reinventados pelo jazz

Em tempos, julgou-se que o jazz só se alimentava de standards, mas tem vindo a descobrir-se que o seu estômago é capaz de digerir todo o tipo de música, como é o caso destas canções, maioritariamente dos anos 70.

Publicidade
Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com