Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Cinco saxofonistas de jazz portugueses que precisa de ouvir
Música, Jazz, Saxofonista, Ricardo Toscano
©DR Ricardo Toscano

Cinco saxofonistas de jazz portugueses que precisa de ouvir

O saxofone é o mais emblemático instrumento do jazz. E estes são cinco saxofonistas portugueses que precisa de ouvir

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

O saxofone raramente mereceu a atenção dos compositores eruditos – pouco mais tem do que papéis secundários em obras menores de Bizet, Strauss, Berlioz, Saint-Saëns e Debussy –, mas tornou-se num dos instrumentos centrais do jazz. Ainda assim, nos primórdios deste género, teve de lutar para se impor contra a primazia do clarinete e da trompete. Mas, quando começaram a surgir mestres da envergadura de Coleman Hawkins, Lester Young, Johnny Hodges e Charlie Parker, o saxofone tornou-se na estrela do grupo – posição que seria confirmada por gigantes como John Coltrane, Stan Getz, Sonny Rollins ou Gerry Mulligan.

Portugal não é excepção a este domínio do saxofone no jazz e, embora se trate de um segredo bem guardado, pode orgulhar-se de um saxofonista que, por duas vezes, foi eleito pela crítica internacional como o melhor do mundo.

Recomendado: Os oito melhores sítios para ouvir jazz em Lisboa

Cinco saxofonistas de jazz portugueses que precisa de ouvir

Carlos Martins

O saxofonista tenor (e soprano) Carlos Martins (n. 1961) tem tocado com quase todos os grandes músicos de jazz nacionais e com jazzmen internacionais como Ralph Peterson Jr. e Don Pullen. Tem estendido os seus interesses a outras artes, colaborando com os coreógrafos Rui Horta e Vera Mantero e compondo para cinema (Filha da Mãe, de João Canijo). Na sua discografia destacam-se Passages (1995), com Bernardo Sassetti, Carlos Barretto e Cindy Blackman; Água (2008), com Sassetti, André Fernandes, Nelson Cascais e Alexandre Frazão e que foi eleito pela crítica como o melhor disco de jazz nacional de 2008; Absence (2014), com Mário Delgado, Carlos Barretto e Alexandre Frazão e que não anda longe da melancolia nocturna de Charles Lloyd; e Carlos Martins (2016), com a mesma formação do disco anterior.

[“Absence”, pelo quarteto de Carlos Martins, com Mário Delgado (guitarra), Carlos Barretto (contrabaixo) e Alexandre Frazão (bateria), ao vivo no Hot Clube, Lisboa, 19.03.15]

Rodrigo Amado

Não é só no futebol que temos o n.º 1 do mundo: Rodrigo Amado (n. 1964) foi eleito em 2015 e 2017 como saxofonista tenor n.º 1 pela International Critics Poll organizado pelo site El Intruso, concorrendo com nomes sonantes como Joe Lovano, Evan Parker, Ken Vandermark, Chris Potter ou Ivo Perelman.

Dos vários grupos que Amado lidera, o mais prolífico é o Motion Trio, com Miguel Mira (violoncelo) e Gabriel Ferrandini (bateria), que se estreou em 2009 com álbum homónimo, a que se seguiram duas colaborações com o trombonista Jeb Bishop – Burning Live at Jazz Ao Centro (2012) e The Flame Alphabet (2013) – e outras duas com o trompetista Peter Evans – Live in Lisbon e The Freedom Principle (ambos de 2014) – regressando ao formato trio com Desire & Freedom (2016).

A discografia de Amado é vasta e multiforme e tem como títulos mais recentes a History of Nothing, o segundo disco do quarteto com Joe McPhee, Kent Kessler e Chris Corsano, e Praise of Our Folly, pelo colectivo Lisbon Freedom Unit (ambos de 2018) e Summer Bummer, o segundo disco do projecto The Attic, e No Place to Fall, um duo com o baterista Chris Corsano.

[O Motion Trio com Rodrigo Pinheiro (pianista do RED Trio) como convidado, ao vivo no Hot Clube, Lisboa, 09.04.15]

Publicidade

Desidério Lázaro

Desidério Lázaro (n. 1982), que se divide pelos saxofones tenor e soprano, estreou-se como líder com Rotina Impermanente (2010), a que se seguiram Samsara (2012), Cérebro: Estado Zero (2013), Subtractive Colors (2015). Com Moving (2018) e Homegrown (2019), ambos gravados com João Firmino (guitarra), Francisco Brito (contrabaixo) e Joel Silva (bateria), Lázaro faz uma brusca inflexão na sua trajectória e aproxima-se do universo do funk e do rock.

[Apresentação do álbum Homegrown]

João Mortágua

Janela (2014), o disco de estreia do jovem saxofonista alto (e soprano) João Mortágua, continha indicações promissoras, mas ninguém esperaria que saltasse para o patamar das obras-primas logo no segundo e terceiro discos – Mirrors e Axes, respectivamente, ambos de 2017. Mirrors foi gravado por um quinteto com Ricardo Formoso (trompete), Virxilio da Silva (guitarra), Felix Barth (baixo) e Iago Fernández (bateria), e o ainda mais excitante Axes conta com um invulgar sexteto de quatro saxofones – Mortágua, José Soares, Hugo Grácio e Rui Teixeira – e duas baterias – Alex Lázaro e Pedro Vasconcelos.

A equipa de Janela – Miguel Moreira (guitarra), José Carlos Barbosa (contrabaixo) e José Marrucho (bateria) – reforçada com o saxofone de José Pedro Coelho, regressou no disco de 2019 Dentro da Janela, que confirma a impressionante maturação dos conceitos musicais de Mortágua e atesta o domínio de uma grande variedade de registos, incorporando elementos funk e rock.

Mortágua faz também parte do colectivo The Nada e tem tocado no quarteto de Alexandre Coelho, no trio de Filipe Teixeira, nos BounceLab de Mané Fernandes, e nos pLoo de Paulo Costa. Mais recentemente, foi editado o álbum Land de outro dos seus projectos, os Mazam.

[Excertos de concerto do quinteto Mirrors, no festival Jazz na Caixa, Famalicão, 07.10.17]

Publicidade

Ricardo Toscano

Em 2015, o saxofonista tenor Ricardo Toscano foi eleito músico de jazz do ano pelos sites Jazz.pt e JazzLogical e pelo programa 5 Minutos de Jazz (Antena 1). Seria um feito notável para um músico maduro e com um extenso curriculum, mas acontece que, à data, Toscano tinha 22 anos...

Os jazzmen mais jovens tendem a assimilar influências dos universos do rock e da electrónica, mas Toscano tem um cordão umbilical a ligá-lo ao jazz clássico e aos standards do American Songbook. Ainda assim, o seu muito aguardado disco de estreia como líder, Ricardo Toscano Quartet (2018, Clean Feed), com João Pedro Coelho (saxofone), Romeu Tristão (contrabaixo) e João Lopes Pereira (bateria), revela já abertura a sonoridades menos ortodoxas – sem surpresa, foi eleito disco de jazz português do ano por várias publicações.

Divide a sua actividade principal pelo quarteto que lidera, pelo duo com João Paulo Esteves da Silva e pelo Septeto do Hot Clube de Portugal.

[“Almería”, do álbum Ricardo Toscano Quartet]

Os nomes portugueses do jazz

Carlos Bica
©Jorge Monjardino

Dez contrabaixistas de jazz portugueses que precisa de ouvir

Música

Começou por ter um papel apagado e discreto, percebeu-se que poderia ser mais do que um mero marcador de ritmo com Jimmy Blanton, emancipou-se com Charles Mingus e Scott LaFaro. Hoje é consensual que o contrabaixo não só não é um “instrumento menor” como pode assumir protagonismo equivalente ao do saxofone ou do piano e não é por acaso que alguns dos mais excitantes projectos do jazz português são liderados por contrabaixistas.  

Gabriel Ferrandini
©Sara Rafael

Oito bateristas de jazz portugueses que precisa de ouvir

Música Jazz

Em contraste com a música clássica, em que a percussão costuma desempenhar um papel menor e há obras em que o percussionista passa meia hora imóvel e apenas intervém no “tcham-tcham” final, o jazz confiou, desde os seus primórdios um papel importante à bateria. Na era do swing, virtuosos como Gene Krupa e Buddy Rich deram à bateria um novo protagonismo e quando, na viragem das décadas de 1940-50, o bebop fez explodir a linguagem do jazz, havia bateristas como Max Roach e Art Blakey a liderar a revolução. Alguns dos mais excitantes grupos do nosso tempo têm bateristas à frente – e Portugal não é excepção. 

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade