Concertos gratuitos de Jazz & Clássica em Julho

Com a chegada do Verão, multiplicam-se os concertos gratuitos de jazz e música clássica, muitos deles ao ar livre, como pede a estação
Joana Carneiro
©Dave Weiland Joana Carneiro
Por José Carlos Fernandes |
Publicidade

Chega o Verão e com ele uma vasta oferta cultural. O programa de concertos gratuitos de Julho oferece música nos mais diversos estilos e para as mais variadas formações em diferentes sítios da cidade. Estas sugestões permitem-lhe ouvir música ao vivo durante quase todo o mês sem gastar um cêntimo. Em igrejas, jardins, parques e museus. Para que se oriente e organize a agenda, nós dizemos-lhe os concertos gratuitos de jazz e clássica que não pode perder em Julho em Lisboa.

Recomendado: Festivais de Verão: o que vem aí

Concertos gratuitos de Jazz & Clássica em Julho

1
Bruno Santos
©DR
Música, Jazz

Bruno Santos

Jam sessions com o o guitarrista Bruno Santos, cujo curriculum inclui a direcção do Septeto do Hot Clube e os discos Wrong Way (2005), TrioAngular (2007) e Bruno Santos Ensemble e Caixa de Música (ambos de 2014).

2
Música, Clássica e ópera

Bach, Strauss, Wagner

O programa mistura música orquestral barroca – o Concerto para dois violinos de Johann Sebastian Bach – com ópera romântica – a Abertura Os Mestres Cantores de Nuremberga (Die Meistersinger von Nürnberg), de Richard Wagner – e ópera do século XX – a Suíte extraída de Der Rosenkavalier, de Richard Strauss, que, embora estreada em 1911, lança um olhar nostálgico sobre o tempo de Mozart.

Por Klára Erdei e Xuan Du (violinos) e a Orquestra Sinfónica Portuguesa, com direcção de Johannes Stert. Festival ao Largo.

[II andamento (Largo ma non tanto) do Concerto para dois violinos, de Bach, pela Orquestra Barroca de Bremen, ao vivo na Igreja Unser Lieben Frauen, Bremen, 2015]

Publicidade
3
Música, Jazz

Eduardo Cardinho Quinteto

Além do Eduardo Cardinho Quinteto, que venceu o Prémio Jovens Músicos de 2014 e se estreou em CD em 2016 com Black Hole (Carimbo Porta-Jazz), o vibrafonista lidera os grupos Lisbon Trio e Home. Somersby OutJazz.

[Eduardo Cardinho Quinteto, com José Soares (saxofone), André Silva (guitarra), Filipe Louro (contrabaixo) e Pedro Alves (bateria), ao vivo no Festival Porta-Jazz, Edifício AXA, Porto, 2013]
4
Música, Clássica e ópera

Handel: Alcina

Alcina (1735) é uma das muitas óperas barrocas com libreto inspirado no Orlando Furioso, de Ariosto. Na versão musicada por Handel, o destemido cavaleiro Ruggiero aterra, após uma viagem de hipogrifo, na ilha da feiticeira Alcina e não tarda a cair sob os seus poderes mágicos. O que lhe vale é que Bradamante a sua noiva, que anda, como sempre, em sua busca (Ruggiero tende a sair para comprar cigarros e não voltar), também surge na ilha, sob disfarce, e acaba por conseguir quebrar os feitiços de Alcina.

Transmissão do Festival de Aix-en-Provence, com um elenco vocal encabeçado por duas estrelas da música barroca: Patricia Petibon (Alcina), Philippe Jaroussky (Ruggiero). Com Anna Prohaska (Morgana), Katarina Bradic (Bradamante), Anthony Gregory (Oronte), Coro MusicAeterna (da Ópera de Perm) e a Orquestra Barroca de Freiburg, em instrumentos de época, com direcção de Andrea Marcon (fundador da Orquestra Barroca de Veneza) e encenação de Katie Mitchell. Ciclo Jardim de Verão.

[“Sta nell’Ircana Pietrosa Tana”, de Alcina, pelo contratenor Philippe Jaroussky (Ruggiero) e a Orquestra Barroca de Freiburg, em instrumentos de época, com direcção de Andrea Marcon]
Publicidade
6
Música, Clássica e ópera

Mendelssohn e Shostakovich

Felix Mendelssohn tinha 16 anos quando, em 1825, compôs o Octeto para cordas op.20 e nunca mais escreveu nada tão azougado e genial nos restantes – Schumann diria que “nem nos tempos antigos nem no nosso tempo pode encontrar-se tamanha perfeição num tão jovem mestre”. O “jovem mestre” tem a companhia das Duas peças para octeto de cordas de Shostakovich. Esta noite de música de câmara está a cargo dos Solistas de Lisboa. Festival ao Largo.

[Excerto do Octeto de Mendelssohn, pelo Octeto de Cordas Filarmónico de Berlim, ao vivo no Auditório do Louvre, Paris, 2010]
Publicidade
7
Música, Jazz

Lisbon Underground Music Ensemble

O Lisbon Underground Music Ensemble é uma big band pouco ortodoxa que congrega 15 jazzmen portugueses e da qual se podem esperar bandas sonoras para perseguições de James Bond à máfia albanesa pelos esgotos de Lisboa, ao boogie-funk endemoninhado ou colagens cartoonescas sob a égide dos Naked City (ou do seu inspirador Carl Stalling). Este frenesim musical, que não nega influências de Frank Zappa e da Flat Earth Society, é dirigido a partir do piano por Marco Barroso, que é também o compositor de todas as peças. A JACC Records lançou em 2010 o disco de estreia, homónimo, que teve edição internacional pela Challenge em 2013. Festival ao Largo.

[O L.U.M.E. ao vivo no Moers Festival]
8
Gabriel Ferrandini
©André Cepeda
Música, Jazz

Sousa/ Pinheiro/ Ferrandini

Música improvisada por três músicos que se têm cruzado em numerosos projectos: o saxofonista Pedro Sousa (Pão, Falaise, Eitr), o pianista Rodrigo Pinheiro (RED Trio, Clocks & Clouds, earNear, Suspensão Ensemble) e o baterista Gabriel Ferrandini (RED Trio, Nobuyasu Furuya, Rodrigo Amado Motion Trio e Wire Quartet). Ciclo Jardim de Verão.

Publicidade
9
Música, Jazz

António Eustáquio & Carlos Barretto

Um duo invulgar, com Carlos Barretto, conhecido como líder do excelente trio Lokomotiv (com Mário Delgado e José Salgueiro) e sideman em alguns dos melhores discos de jazz nacionais, em contrabaixo, e António Eustáquio em guitolão, uma espécie de hiper-guitarra portuguesa, de caixa mais volumosa e braço mais longo, concebida por Carlos Paredes (que, porém, nunca chegou a tocá-la ou vê-la). O disco de estreia intitula-se Guitolão.

[António Eustáquio & Carlos Barretto no Museu do Fado, 2015]
Publicidade
11
Pablo de Naverán
©Ettore Causa
Música, Clássica e ópera

Recital de violoncelo

Com alunos do curso orientado por Pablo de Navaran, integrado no 6.º Festival Jovem e no 44.º Festival Estoril Lisboa.

12
Música, Clássica e ópera

Glazunov et al.

Embora na terça-feira 10 já tenha havido um programa com Khachaturian e Tchaikovsky, a designação “Noites Russas” é aplicada a este programa com trechos de óperas de Glinka  (considerado o pai da escola russa), Mussorgski e Prokofiev, e o Concerto para violino de Aleksandr Glazunov, compositor do final do Romantismo, que foi director do Conservatório de São Petersburgo e professor de Shostakovich.

Por Pedro Meireles (violino), Coro do TNSC e Orquestra Sinfónica Portuguesa, com direcção de Emil Tabakov. Festival ao Largo.

[I andamento do Concerto para violino de Glazunov, por Nicola Benedetti e a Orquestra Sinfónica de Bournemouth, com direcção de Kirill Karabits]
Publicidade
14
Música, Jazz

InnerVille

Os InnerVille são Gabriel Soares (voz), Eduardo Santos (trompete), Rafael Santos (guitarra), José Pedrosa (piano), António Oliveira (baixo) e Gonçalo Ribeiro (bateria). Somersby OutJazz.

Publicidade
15
Música, Clássica e ópera

Cardoso e Carrapatoso

Festival Estoril Lisboa escolheu como tema da sua 44.ª edição o centenário do final da I Guerra Mundial e encomendou obras alusivas à paz e à guerra a compositores portugueses. Neste concerto estreará uma dessas encomendas, o Te Deum em Louvor da Paz, de Eurico Carrapatoso, que terá a companhia do Requiem de Duarte Lobo (c.1565-1646), um dos grandes mestres da Era de Ouro da polifonia ibérica. A interpretação será do Grupo Vocal Olisipo, dirigido por Armando Possante.

[Introitus do Requiem de Duarte Lobo por The Tallis Scholars]
16
Música, Clássica e ópera

Durão, Mozart, Ravel

A Orquestra Estágio Gulbenkian, que acolhe músicos com idades compreendidas entre os 17 e os 26 anos, seleccionados entre os melhores alunos das escolas de música nacionais, emparelha duas obras-primas bem conhecidas – o Concerto para clarinete de Mozart (em que será solista Horácio Ferreira) e as suítes extraídas do bailado Daphnis et Chloé, de Ravel – com Yggdrassil, do jovem compositor contemporâneo Manuel Durão (n.1987, Lisboa). Direcção de Joana Carneiro.

[Excerto de Daphnis et Chloé, por Emmanuel Pahud (flauta) e Filarmónica de Berlim, com direcção de Simon Rattle]

Publicidade
17
Música, Clássica e ópera

Bernstein et al.

No concerto de encerramento do Festival Estoril Lisboa o Face à Face Quartet, formado por Mara Dobresco e Géraldine Dutroncy (pianos) e Hélène Colombotti e Elisa Humanes (percussão), toca obras de Bolcom, Bernstein, Gershwin, Reich e Strasnoy.

[Nagoya Marimbas, de Steve Reich, uma das peças do programa do Face à Face Quartet, aqui tocada pelo Ensemble 0]
18
Barbara Hanniga
©DR
Música, Jazz

Jumalatteret

O Jazz em Agosto, que decorre de 27 de Julho a 5 de Agosto, articula-se este ano em torno das múltiplas facetas de John Zorn. Neste programa (em estreia europeia) Barbara Hannigan (soprano) (na foto) e Stephen Gosling (piano) interpretam canções compostas por Zorn, inspiradas no Kalevala, uma recolha de poesia épica de origem tradicional publicada em 1835. Hannigan é uma das mais destacadas intérpretes mundiais de música contemporânea e, entre outros prémios, recebeu este ano o Prémio da Crítica Discográfica Alemã; Gosling tem também carreira prolífica na área da música contemporânea, tendo colaborado com Pierre Boulez, Elliott Carter, Brian Ferneyhough e Steve Reich.

O melhor do jazz e da clássica

Chet Baker & Gerry Mulligan Los Angeles 1952
©William Claxton
Música, Jazz

Sete clássicos do cool jazz

Haverá música mais “hot” do que o jazz? Por oposição à música clássica, em que a partitura foi maduramente reflectida e se espera que o intérprete a siga escrupulosamente, o jazz é o reino das reacções instantâneas e espontâneas, sem tempo para reflexão, da entrega total dos músicos, dos solos abrasadores, da sinergia emocional entre os membros da banda que pode chegar ao paroxismo. 

Rodrigo Amado Trio
©Nuno Martins
Música, Jazz

13 discos indispensáveis de jazz português

A famosa dupla Maria João e Mário Laginha, Carlos Bica e Azul, L.U.M.E. e Júlio Resende são alguns dos nomes que constam desta lista de discos indispensáveis de jazz português. Porque nunca é demais lembrar que o nacional é bom.

Publicidade