Dias da Música: do Inferno ao Paraíso guiados por Bosch

Os Dias da Música propõem visitar o que fica para além da morte, num percurso inspirado pela pintura de Hieronymus Bosch

Tentações de Santo Antão

A Time Out fornece indicações para que, neste roteiro, se evitem os lagos de alcatrão fervente e as hordas de demónios armados de forquilhas e instintos sádicos.

Hoje há uma boa probabilidade de encontrar as palavras “inferno” e “paraíso” integradas em expressões como “o inferno da Luz” e “paraísos fiscais”, os destinos de férias são publicitados como “paradisíacos” e alguém poderá qualificar como “infernal” a experiência de ter ficado sem acesso ao Facebook durante dois dias. Nos nossos dias, mesmo entre quem afirma professar a fé cristã e observa alguns dos seus ritos, poucos pensarão uma vez por mês em Paraíso e Inferno ou gastarão tempo a equacionar se os pecados cometidos na passagem por este mundo irão ditar a sua salvação ou a sua danação. Mas para as gentes da Idade Média, Paraíso e Inferno não eram meros artifícios de linguagem ou abstracções difusas e remotas, eram conceitos muito vívidos e presentes, que moldavam o pensamento, condicionavam opções de vida, povoavam sonhos e orações e inflamavam a imaginação de criadores.

Um desses criadores foi o flamengo Jheronimus van Aken, mais conhecido como Hieronymus Bosch (c.1450-1516) e que está representado no Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa por uma das suas mais notáveis criações, o tríptico das Tentações de Santo Antão, realizado por volta de 1501. A pintura de Bosch abunda em representações do Inferno (tenebrosas e grotescas), do Paraíso (plácidas e desconcertantes) e da vida terrena, vista pelo olhar moralista do pintor como infestada de vícios, pecados e comportamentos bizarros, e são estes temas – estruturados num tríptico + portada – que servem de fio condutor à edição deste ano dos Dias da Música em Belém. Dos concertos que vão ter lugar entre quinta-feira e domingo, seleccionámos nove. Se assistir a todos não terá automaticamente direito a entrar no Paraíso, mas terá seguramente desfrutado de momentos sublimes.

Recomendado: Os Dias da Música no CCB também são para os miúdos

Dias da Música: do Inferno ao Paraíso guiados por Bosch

Portada: A expulsão do Paraíso

Haydn: A Criação: solistas, Voces Caelestes, Orquestra de Câmara Portuguesa, Pedro Carneiro

A oratória A Criação, estreada em 1799, foi talvez a obra a que Haydn consagrou mais tempo e cuidado. Quando das suas estadias na Grã-Bretanha, tivera a oportunidade de assistir a apresentações grandiosas das oratórias de Handel e estas inspiraram-no a tentar algo de similar, sobre um libreto que, originalmente, fora destinado a Handel. O libreto, cujo autor se desconhece, combina fontes bíblicas (em particular o Génesis) com o poema Paradise Lost, de Milton, e tem por assunto a criação do universo – abre com uma ousada representação sonora do caos e termina com a expulsão de Adão e Eva do Paraíso.

[No Paraíso, Adão e Eva (o tenor Matthew Rose e a soprano Lucy Crowe) dão graças a Deus pelas boas coisas que fez. Com o Coro e a Orquestra de Câmara da Rádio Holandesa e a direcção de John Nelson, na Grote Kerk, Naarden, Holanda, 2010]

Grande Auditório, Quinta 26, 21.00, 6-14.5€.

Painel 1: O Inferno e os castigos

Berlioz: A Danação de Fausto: solistas, Coro do TNSC, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Frédéric Chaslin

A Danação de Fausto é um híbrido entre oratória, cantata e ópera, inspirada pelo Fausto de Goethe, cuja leitura já tinha suscitado, em 1829, a composição das Oito Cenas de Fausto. Em 1845, Berlioz regressou a esta obra de juventude (fora o seu opus 1) e reciclou-a numa “lenda dramática” que estreou, em versão de concerto, no ano seguinte. O enredo é célebre: Fausto, desgastado por uma vida consagrada à busca de uma sabedoria em que já não vê nada de apelativo, deixa-se levar por Mefistófeles, que lhe promete devolver a juventude e o gosto pela vida e pelo conhecimento, bem como o amor de uma mulher que lhe revela numa visão: Margarida. Fausto, a quem os anos de estudo não ensinaram que se deve desconfiar de ofertas demasiado generosas, aceita (provavelmente seria também homem para subscrever papel comercial do BES). Acaba por meter-se em sarilhos e envolver Margarida neles – para a salvar aceita entregar a alma a Mefistófeles e acaba por ir parar ao Inferno.

[“Corrida para o abismo & pandemónio”, por Plácido Domingo (Fausto) e Dietrich Fischer-Dieskau (Mefistófeles) e a Orchestre de Paris, com direcção de Daniel Barenboim, 1978. Fausto e Mefistófeles cavalgam dois cavalos negros, correndo para salvar Margardia da prisão: a paisagem é tenebrosa, o céu ameaça tempestade e Fausto é assombrado por visões infernais – e acaba por perceber que caiu na armadilha de Mefistófeles e está a entrar no Inferno]

Grande Auditório, Sexta 27, 21.00, 6-14.5€.

Publicidade

Painel 2: Pecados e tentações terrenas

Weill: Os Sete Pecados Mortais: solistas, Orquestra Clássica do Sul, Rui Pinheiro

Os Sete Pecados Mortais também é um híbrido: um bailado cantado, que mistura cabaret e ópera. A obra foi encomendada a Kurt Weill em Paris, onde se refugiara após a ascensão de Hitler ao poder, e o libreto foi fornecido por Bertolt Brecht, seu colaborador usual. Apesar de o título remeter para a teologia cristã, o libreto é, antes de mais, uma feroz sátira do American Dream e do capitalismo, que é identificado como principal fonte de corrupção e miséria. A ganância inerente à lógica capitalista é vista como o pior dos pecados, o que provavelmente faz de Os Sete Pecados Mortais uma obra pouco popular em Wall Street. A ópera estreou em 1933, com o mundo ainda mergulhado na Grande Depressão, e soará actual num ano de 2018 em que ainda não cicatrizaram as feridas do crash de 2007 e já os banqueiros exigem a desregulação dos mercados financeiros.

[Prólogo de Os Sete Pecados Mortais, por Lotte Lenya e orquestra dirigida por Roger Bean, gravação de 1956-57 (Sony Classical)]

GA, Sábado 28, 19.00, 6-14.5€.

Puccini: Gianni Schicchi: solistas, Orquestra de Câmara Portuguesa & Deutsche Kammerorchester Berlin, Bruno Borralhinho

Gianni Schicchi (1918) entra no programa por portas travessas: na Divina Comédia, Dante menciona um Schicchi condenado às chamas eternas por se ter feito passar por outrem. Giovacchino Gorzano, o libretista desta ópera em um acto concebida como 3.ª parte do tríptico que inclui Il Tabarro e Suor Angelica, recorreu a elementos provenientes de Dante mas introduziu alterações substanciais: quando a família do falecido Buoso, um homem abastado de Florença, lê o seu testamento, descobre que ele legara tudo a um mosteiro, pedem conselho a Schicchi; dando-se conta que, fora da família, ninguém sabe do falecimento de Buoso, Schicchi propõe ocultar o morto, fazer-se passar por ele e chamar um notário para alterar o testamento em favor da família. Assim faz, mas acaba por ditar ao notário que o grosso da herança vá para um certo... Gianni Schicchi. No final, Schicchi dirige-se ao público, pedindo que este não seja tão duro na sua condenação como Dante – e a verdade é que Forzano fez dos membros da família uns biltres tão gananciosos que quase merecem ter sido ludibriados por Schicchi.

[“O Mio Babbino Caro” – de longe o trecho mais célebre de Gianni Schicchi – pela soprano Maria Callas e a Orquestra Sinfónica da RAI, com direcção de Tulio Serafin, 1955]

GA, Sábado 28, 21.00, 6-14.5€.

Berlioz/Liszt: Sinfonia Fantástica: Artur Pizarro

A paixão não-correspondida pela actriz irlandesa Harriet Smithson inflamou a imaginação de Berlioz na composição de uma sinfonia programática que relata as desventuras de um artista que, vendo-se rejeitado pela amada, tenta suicidar-se com uma overdose de ópio; porém, em vez de o matar, o ópio mergulha-o num pesadelo tenebroso em que julga ter assassinado o objecto da sua paixão e é condenado à morte. A Sinfonia Fantástica (1830), será ouvida na transcrição para piano realizada por Franz Liszt.

[“Un Bal”, da Sinfonia Fantástica, na transcrição para piano de Liszt, por Eric Ferrand-N’Kaoua, ao vivo no Festival Berlioz, erm La Côte-Saint-André, terra natal do compositor, 2009]

PA, Sábado 28, 16.30, 11.5€.

Scarlatti: Caim ou o Primeiro Homicídio: Ludovice Ensemble, Fernando Miguel Jalôto

Além de compositor prolífico de óperas e cantatas profanas, Scarlatti deixou uma trintena de oratórias, entre as quais se conta esta, estreada em Veneza em 1707, que relata o assassinato de Caim por Abel e onde intervêm, além de Adão e Eva e dos dois irmãos, as vozes de Deus e de Lúcifer. O episódio bíblico, semente da violência que viria a marcar a história da humanidade, é apresentado sob uma forma “pedagógica” e moralizadora, com argumentos em prol do Bem e do Mal que visam levar os pecadores ao reconhecimento das suas faltas e ao arrependimento.

[Dueto “La Fraterna Amica Pace”, por Bernarda Fink (Caím), Graciela Odone (soprano) e a Akademie für Alte Musik Berlin, em instrumentos de época, com direcção de Rená jacobs (Harmonia Mundi)]

PA, Sábado 28, 19.00, 14.5€.

Música flamenga no tempo de Bosch: Orlando Consort

No tempo de Bosch – 1450-1516 – a música europeia vivia sob o domínio absoluto dos seus conterrâneos, que ocupavam, como cantores e compositores os mais prestigiados postos pela Europa fora. O Orlando Consort, ensemble vocal especializado na Idade Média e Renascimento, delineou um programa com compositores flamengos associados à cidade natal de Bosch, ‘s-Hertogenbosch (hoje na Holanda), a que o pintor foi buscar o seu nome artístico. Vão ouvir-se obras de grandes mestres como Josquin Desprez e Heinrich Isaac e também de nomes hoje menos conhecidos, como Pierre de La Rue, Thomas Crecquillon ou Mattheus Pipelare.

[“In Te Domine, Speravi”, de Josquin Desprez, pelo Orlando Consort]

Sala Luís Freitas Branco, Sábado 28, 19.00, 9.5€.

Painel 3: As graças divinas e a reconquista do Paraíso

Liszt: Sinfonia Dante: Coro Sinfónico Lisboa Cantat, Orquestra Sinfónica Metropolitana, Pedro Amaral

Talvez esta monumental sinfonia coral, estreada em 1857 e baseada na obra-prima de Dante, ficasse mais bem arrumada no 1.º painel. Acontece que Liszt só musicou as duas primeiras partes da Divina Comédia – Inferno e Purgatório – pois Wagner (que viria a tornar-se seu genro e dedicatário da obra) convenceu-o de que nenhum compositor seria capaz de exprimir as delícias do Paraíso. Liszt adoptou uma solução de compromisso, finalizando a obra com um Magnificat.

[III parte (Magnificat) da Sinfonia Dante, pelo coro feminino da Rundfunkchor Berlin e Filarmónica de Berlim com direcção de Daniel Barenboim (Teldec/Warner)]

GA, Domingo 29, 17.00, 6-14.5€.

Schumann: Das Paradies und die Peri: solistas, Coro Gulbenkian, Orquestra XXI, Dinis Sousa

O Paraíso e a Peri é uma cantata (ou oratória profana) sobre o tema da redenção que se encerram os Dias da Música. O libreto, da autoria do próprio compositior, baseou-se num dos enredos que faz parte de Lalla-Rookh, um romance de sabor oriental de Thomas Moore, e narra as demandas de uma peri, uma criatura alada da mitologia persa, que foi expulsa do Paraíso e tudo faz para nele ser readmitida – o que só consegue quando oferece aos Céus as lágrimas de um pecador arrependido. Esta obra luminosa, estreada em 1843, marca um cume na vida de Schumann – os anos do entusiasmo, do optimismo e da produção torrencial não voltariam e a depressão e as perturbações mentais iriam corroer lentamente as suas capacidades.

[“Jetzt Sank des Abends Gold’ner Schein” (n.º 21 de Paraíso e a Peri), pelo barítono Christian Gerhaher e a Orquestra Sinfónica da Rádio da Baviera, com direcção de Nikolaus Harnoncourt, 2005: “Agora cai o esplendor dourado do entardecer na terra de rosas da Síria”. O texto descreve um Próximo Oriente fértil, próspero, perfumado e tranquilo, quase um paraíso terreno. A redenção da Peri só será alcançado no penúltimo andamento (n.º 25)]

Grande Auditório, Domingo 29, 19.00, 6-14.5€.

Publicidade

Dias da Música: do Inferno ao Paraíso guiados por Bosch

Danças brasileiras e africanas

Precisamos de viajar ao século XVII, na era colonial do Brasil, para assistirmos ao início da capoeira, a luta disfarçada de dança. Na altura, surgiu como uma forma de autodefesa baseada em danças e rituais africanos, mas hoje é uma tradição perpetuada da espiritualidade brasileira e é com base nisso que no dia 28 a programação aponta para a Capoeira e Danças Populares Brasileiras, às 15.30 no Palco Poente (foyer do Grande Auditório), uma apresentação do Centro Cultural Arte Pura de Lisboa. No mesmo palco e noutro continente, a Associação Cultural e Juvenil Batoto Yetu Portugal dá-lhe a conhecer a dança tradicional africana, às 20.00, através de uma oficina de dança para toda a família com elementos originários de Angola, Congo, Guiné, Cabo Verde, África do Sul, e danças afro-brasileiras.

Palco Poente (foyer do Grande Auditório) 15.30 e 20.00.

Ler mais
Belém

Jazz e gospel

Ainda no Palco Poente, Tiago Marques assume a direcção musical do espectáculo Espirituais Negros, apresentado pelo grupo Jazz Cantat com um repertório que vai dos standards do jazz à música ligeira portuguesa. Neste momento musical, que acontece às 16.15, ouvem-se cânticos como um meio de expressão dos sentimentos de sofrimento, dor e angústia da vida dos escravos americanos. Sem mudar de palco, às 18.15, o Saint Dominic’s Gospel Choir, fundado em 2002, traz ao público o espírito do gospel – aquele que regularmente associamos aos coros de igrejas locais – para um momento mais animado, a cantar e a bater palmas como manda uma verdadeira actuação de gospel.àPalco Poente (foyer do Grande Auditório). 16.15 e 18.15.

Ler mais
Belém
Publicidade

Mais em Lisboa

Cinco exposições em Lisboa a não perder nos próximos meses

A agenda de exposições em Lisboa vai de vento em popa. Há cinco, pelo menos, que não pode perder. Pode tentar descobrir a fórmula da felicidade, ou até mesmo recuar uns anos ao movimento da pop art. Aponte já na agenda, porque estas são daquelas exposições que não inauguram todos os dias.

Ler mais
Por Francisca Dias Real

Os melhores concertos de jazz e clássica em Lisboa esta semana

Esta semana, as coordenadas do jazz e da música clássica passam pela Fundação Gulbenkian, pelo Coliseu dos Recreios, pelo Pavilhão Paz e Amizade, pelo Hot Clube e pelo El Corte Inglés. Recomendado: Os melhores concertos em Lisboa esta semana

Ler mais
Por José Carlos Fernandes
Publicidade

Comentários

0 comments