Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Exposições em Lisboa a não perder nos próximos meses
EMUA
Fotografia: Mariana Valle Lima

Exposições em Lisboa a não perder nos próximos meses

Exposições há muitas, seus... interessados. Mas estas prometem destacar-se nos próximos tempos.

Por Francisca Dias Real e Raquel Dias da Silva
Publicidade

A agenda de exposições em Lisboa começa, finalmente, a recuperar o ritmo, depois de um novo confinamento e de mais um período com as instituições culturais fechadas. É certo que nada é igual, nada mais será a mesma coisa, mas enquanto podemos abraçar uma normalidade controlada devemos fazê-lo  para bem da nossa sanidade mental e em nome da cultura e dos artistas. Nos próximos tempos, há uma série de exposições que merecem o nosso olhar atento, tendo sido muitas delas adiadas no calendário a empurradas na agenda ou simplesmente prolongadas. Tome nota destas exposições em Lisboa que vale a pena ver.

Recomendado: Exposições em Lisboa para visitar este fim-de-semana

Exposições em Lisboa a não perder nos próximos meses

Reservatório da Mãe d'Água das Amoreiras
Reservatório da Mãe d'Água das Amoreiras
The Ugly Duckling Agency

1. Impressive Monet & Brilliant Klimt

Arte Reservatório da Mãe d'Água, Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Após o sucesso da Immersivus Gallery no Porto, surgiu a vontade de criar um espaço dedicado a experiências imersivas em Lisboa, com o objectivo de ser um ponto de referência artístico e de diversificar a oferta cultural da capital. Nasce assim a Immersivus Gallery Lisboa no Reservatório da Mãe D'Água das Amoreiras, transformada numa monumental tela onde o conteúdo será projectado a 360º. A exibição Impressive Monet & Brilliant Klimt convida a um mergulho no universo do pintor francês impressionista Claude Monet e do pintor simbolista austríaco Gustav Klimt. Este novo projecto do atelier OCUBO mistura hologramas com projecções imersivas a 360º. Está estruturada de forma a dar a conhecer as obras-primas de Monet e Klimt, experienciando "uma nova fórmula lúdico-pedagógica", por via tecnológica.

exposições
exposições
Fotografia: DR

2. Meet Vincent Van Gogh

Arte Terreiro das Missas, Grande Lisboa

Conhecem o nome, mas não conhecem a história. Ou melhor, conhecem as obras, associam-nas a um nome, mas não sabem quem é realmente o pintor holandês Vincent van Gogh. “Meet Vincent van Gogh” é uma produção do Vincent van Gogh Museum, em Amesterdão, em parceria com a UAU, que depois de Pequim, Barcelona e Seul chega a Lisboa para ocupar o recinto do Terreiro das Missas, em Belém. A exposição é uma máquina do tempo multissensorial que convida o visitante a entrar e a remexer nos sentimentos, angústias, amores e pensamentos do artista.

Publicidade
instalação imersiva
instalação imersiva
Do Outro Lado da Toca

3. Do Outro Lado da Toca

Coisas para fazer Exposições Centro Cultural de Belém, Belém

A história é universal. Uma menina com resposta sempre pronta vê-se de repente, por culpa da sua insaciável curiosidade, rodeada de maravilhas que nunca viu, com um rol de novas perguntas por fazer. Quantos relógios tem o tempo? É possível jogar às cartas com o futuro? E, o grande quebra-cabeças, quem somos de pernas para o ar? A partir das célebres obras de Lewis Carroll, As Aventuras de Alice no País das Maravilhas e Alice do Outro Lado do Espelho, a nova instalação imersiva da Fábrica das Artes convida-nos a viver o absurdo conto de fadas, onde tudo se transforma à mercê da nossa imaginação. Do Outro Lado da Toca, no Centro Cultural de Belém, é possível espreitar por gavetas, sentar-se à mesa com o Chapeleiro e até conviver com flores gigantes.

EMUA
EMUA
Fotografia: Mariana Valle Lima

4. EMUA (Ephemeral Museum of Modern Art)

Arte Lx Factory, Alcântara

A cada edição, a Lisbonweek dedica-se a resgatar a história, a arquitectura e a cultura de um bairro. Em 2020, lançou âncora em Alcântara, que agora, para uma despedida à altura, é tomada de assalto pelo EMUA, um museu efémero de arte urbana. Até 25 de Julho, em estreia na LX Factory, promete dar a conhecer uma forma do fazer artístico que começou como ilegal e acabou – como parte da cidade e da vida de quem nela habita – a reivindicar uma nova função para o espaço público. Num percurso pouco óbvio, a epopeia da street art conta-se através de uma centena de obras de artistas pioneiros, nacionais e internacionais, como Banksy, Invader, André Saraiva, Os Gêmeos, Felipe Pantone, Vhils, Futura 2000, Finok, Jason Revok e Bordalo II.

Publicidade
Em Casa - CCB
Em Casa - CCB
Em Casa - CCB

5. Em Casa

Arte Centro Cultural de Belém, Belém

A partir do acervo do museu MAXXI em Roma, com curadoradoria de Margherita Guccione, Pippo Ciorra e André Tavares e Sérgio Catumba, a exposição “Em Casa” patente na Garagem Sul traz à luz do dia uma reflexão sobre os modelos de habituação e como é que estes mudaram ao longo da última geração. Tudo isto chega-nos numa altura em que vivemos a nossa casa mais do que nunca, em que a pensamos nos mais diversos aspectos, por isso, não haveria paralelismo melhor. Em que casas habitamos? Como é que os arquitectos de hoje desenham as nossas moradas e como é que as noções de habitação se transformaram no tempo da última geração? As respostas a algumas destas questões estão visíveis ao longo da exposição, que parte da pequena escala do abrigo à grande dimensão da habitação colectiva, dando relevo a experiências complexas e híbridas que testemunham a nova relação entre indivíduos e comunidades. A exposição tem como ponto de partida duetos de projectos – complementadas com exemplos portugueses –,  em que materiais originais do arquivo de arquitectos italianos contracenam com trabalhos de arquitectos contemporâneos.

Aquaria
Aquaria
Gabriell Vieira

6. Aquaria – Ou a Ilusão de Um Mar Fechado

Arte MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, Belém

Ao longo de onze instalações, a exposição com curadoria de Angela Rui explora a relação do ser humano com o mundo marinho e em que medida é que estes dois mundos podem ou não convergir, através da arte, do design, da arquitectura e da tecnologia. A mostra apresenta documentação histórica desde meados do século XIX até aos nossos dias, reflectindo a evolução da relação entre o homem e a natureza num diálogo entre obras contemporâneas e outras sobre expedições científicas, exposições universais ou exibições naturalistas. O projecto da exposição inclui um filme comissariado a Armin Linke, feito nos bastidores do Oceanário de Lisboa, numa colaboração entre esta instituição e o museu, que terá direito a bilhete conjunto. A exposição vem também inaugurar o maat Explorations, um programa que inclui exposições, programas públicos e laboratórios tudo dedicado à acção climática onde está também incluída a instalação “Earth Bits – Sentir o Planeta”.

Publicidade
X não É Um País Pequeno – Desvendar a Era Pós-Global
X não É Um País Pequeno – Desvendar a Era Pós-Global
Gabriell Vieira

7. X não É Um País Pequeno. Desvendar a Era Pós-Global

Arte MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, Belém

Esta exposição, com curadoria de Aric Chen e Martina Muzi, apresenta na icónica sala oval do museu nove instalações de grande escala, incluindo uma edição especial da obra Teeter Totter Wall do Rael San Fratello Studio (vencedor do 2020 Beazley Design of the Year Award). Em “X não É Um País Pequeno – Desvendar a Era Pós-Global” explora-se a actual condição pós-global, observando em territórios, cidades, infraestruturas, plataformas, corpos ou objectos os processos de desglobalização e realinhamento geopolítico, já influenciados pela própria pandemia. Tudo o que aconteceu nos últimos doze anos transformou o normal fluxo das coisas, das pessoas, das ideias e dos recursos. O cenário expositivo apresenta desde uma intervenção performativa na fronteira entre os EUA e o México até fenómenos de migração, privação de direitos e o capital pós-colonial numa Lisboa periférica. Por lá, há projectos de Bard Studio, Bricklab, Ibiye Camp, Revital Cohen & Tuur van Balen, He Jing, Liam Young, Paulo Moreira (com Chão - Oficina de Etnografia Urbana e José Sarmento Matos), Rael San Fratello e Wolfgang Tillmans.

Hortas de Lisboa
Hortas de Lisboa
DR

8. Hortas de Lisboa

Arte Museu de Lisboa - Palácio Pimenta, Campo Grande/Entrecampos/Alvalade

As hortas sempre foram um elemento particular da paisagem urbana, sobretudo no que toca à subsistência das populações. Agora, e cada vez mais, são vistas como uma forma de sustentabilidade das cidades, com o sucessivo crescimento dos parques hortícolas municipais. Ao longo dos seis núcleos da exposição "Hortas de Lisboa", patente no Palácio Pimenta, põem-se a descoberto histórias e técnicas do passado num claro cruzamento com o presente e o possível futuro destes espaços na cidade, tudo através de cartografia, pintura, vídeo e narrativas de hortelãos.

Arte em Lisboa

Museu do Dinheiro
Inês Félix

Museus grátis em Lisboa e arredores

Museus

A busca pela descoberta de um museu gratuito também pode significar a descoberta de um museu que nem sempre está nas bocas do mundo e, como sabe, o conhecimento não ocupa lugar por isso quanto mais melhor. Fomos à procura dos museus grátis em Lisboa e concelhos vizinhos e descobrimos algumas pérolas museológicas.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade