Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Música clássica: oito séculos de culto mariano
Coroação da Virgem Maria - Catedral Basílica do São Salvador da Bahia
©DR Coroação da Virgem Maria

Música clássica: oito séculos de culto mariano

Sejam quais forem os planos para o próximo fim-de-semana – ir a Fátima, ver as cerimónias na televisão, ir à praia ou observar aves – vale a pena ouvir o que de melhor os compositores escreveram em honra de Maria, do séc. XIII aos nossos dias

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

Independentemente do que se pense do que aconteceu em Fátima em 1917 (embuste, milagre, aparição, visão interior), da atitude em relação à fé católica ou a qualquer crença em divindades (adesão, rejeição, indiferença) e da expectativa em relação à visita papal (fervor extático, indiferença, saturação), uma coisa é certa e está para lá de qualquer subjectividade: a música sacra que irá ouvir-se nas cerimónias de Fátima nos próximos dias será de pífia qualidade e mediocremente executada.

Se a solidez da Igreja Católica e Apostólica Romana fosse aferida exclusivamente pela excelência da música que acompanha os seus rituais, concluir-se-ia que, do século XVIII até hoje a instituição passou por um vertiginoso declínio, pois embora continuem, esporadicamente, a compor-se obras dignas, estas muito raramente são executadas. A selecção exclui, naturalmente, os compositores da Europa protestante, onde o culto mariano tem sido secundarizado e até dissuadido, e exclui Stabat Maters e Magnificats, para se concentrar em obras cujo cerne é o louvor de Maria.

Música clássica: oito séculos de culto mariano

Benedicta et Venerabilis, de Léonin

De Léonin ou Magister Leoninus sabe-se muito pouco de concreto: esteve activo na segunda metade do século XIII, sendo o mais antigo compositor da escola polifónica associada à catedral de Notre Dame, em Paris, de quem se conhece o nome. Um dos grupos que mais se tem debruçado sobre a música desta época, o Ensemble Organum, dirigido por Marcel Pérès, reconstituiu no CD École de Notre-Dame: Messe de la Nativité de la Vierge (Harmonia Mundi) uma Missa da Natividade da Virgem, celebrada a 8 de Setembro, mediante a combinação de obras de Léonin, Pérotin e anónimos seus contemporâneos.

O texto Benedicta et Venerabilis diz-nos “Bendita e venerável sois vós, oh Virgem Maria, que sem que a tua virgindade tenha sido maculada, foste mãe do Salvador. Virgem Maria, mãe de Deus, aquele que é maior que o mundo mas que, encerrado no teu ventre, se fez homem”.

[Pelo Ensemble Organum, com direcção de Marcel Pérès]

Quen crevér na Virgen Santa, de Afonso X, o Sábio

As Cantigas de Santa Maria foram compiladas por Afonso X, o Sábio (1221-1284), rei de Castela, e incluem 400 peças sobre a Virgem, das quais cerca de 1/10 são “cantigas de loor” (de louvor), que fazem um louvor abstracto e geral das suas qualidades. Os outros 9/10 são “cantigas de milagro”, que descrevem um evento milagroso específico atribuído à Virgem, o que perfaz 360 milagres, só na Península Ibérica.

A Cantiga de Santa Maria n.º 107, Quen crevér na Virgen Santa, faz parte das segundas: relata o caso de uma mulher judia de Segóvia que, por ter cometido uma falta (não especificada) foi atirada do alto de um penhasco, mas encomendou-se à Virgem e esta amparou-lhe a queda. A mulher, agradecida, encaminhou-se logo para a igreja mais próxima e fez-se baptizar.

[Pelo ensemble Musica Antigua, de Eduardo Paniagua (Pneuma)]
Publicidade

Salve Regina, de Obrecht

Jacob Obrecht (c.1457-1505) foi o mais célebre mestre da escola franco-flamenga do final da Idade Média. Ocupou vários cargos de mestre de coro na Flandres e a sua fama estendeu-se até Itália, tendo sido viajado até Ferrara em 1487 e 1504, a convite do duque Ercole I, que considerava a sua música superior à de qualquer outro compositor. A segunda visita ser-lhe-ia fatal, pois sucumbiu à epidemia de peste que devastou a cidade.

[Pela Oxford Camerata, com direcção de Jeremy Summerly (Naxos)]

Ave Maris Stella a 4 vozes, de Palestrina

Giovanni Pierluigi da Palestrina (c.1525-1594) foi um dos mais importantes compositores da Renascença e também o mais prolífico, deixando cerca de uma centena de missas, 375 motetos, 35 Magnificats, 80 hinos e várias outras peças sacras. Foi mestre de capela nas mais importantes igrejas de Roma e cantou na Capela Sistina. Com excepção de dois livros de madrigais, a sua produção confina-se ao âmbito sacro e as suas missas e motetos tornaram-se no “modelo oficial” aprovado pela Igreja Católica e influenciaram os compositores da Contra-Reforma.

O hino mariano Ave Maris Stella, um dos mais populares entre os compositores, da Idade Média aos nossos dias, equipara Maria à “estrela do mar” (maris stella), isto é, a Estrela Polar, que guia os marinheiros através da escuridão e do desconhecido.

[Pelo coro Currende]
Publicidade

Salve Regina II, de Monteverdi

A obra sacra mais célebre de Claudio Monteverdi (1567-1643) são as Vespro della Beata Vergine publicadas em 1610, mas a sua produção de temática mariana não se esgota nela. A colecção Selva Morale e Spirituale, impressa em Veneza, 30 anos depois e recolhendo obras compostas para a catedral de São Marcos desde 1613, inclui três diferentes versões do Salve Regina: a segunda delas destina-se a dois tenores e baixo contínuo.

[Por Marco Beasley (tenor, dobrando-se a si mesmo) e Accordone, com direcção de Guido Morini]

Litanies de la Vierge H.83, de Charpentier

Tendo Luís XIII consagrado França à Virgem Maria, não é de estranhar que os compositores barrocos franceses tenham composto numerosas obras a Maria. Entre os que deu mais notáveis contributos neste domínio está Marc-Antoine Charpentier (1643-1704), que musicou por nove vezes as Litanies de la Vierge – a versão mais ouvida é a que se destina a seis vozes e duas violas da gamba soprano (H.83), composta em 1863-64 para Marie de Lorraine, duquesa de Guise, a cujo serviço o compositor esteve durante 17 anos, entre 1671 e 1688.

[Excerto, por La Capella Reial de Catalunya e Le Concert des Nations, com direcção de Jordi Savall, ao vivo na Capela Real do Palácio de Versailles, a 9 de Outubro de 2004 (DVD Alia Vox)]
Publicidade

Salve Regina RV 616, de Vivaldi

A celebridade de As Quatro Estações e dos concertos para violino em geral ofuscou durante muito tempo o facto de Antonio Vivaldi (1678-1741) ter sido também um inspirado e prolífico compositor de música sacra. O Salve Regina RV 616 (há outro, o RV 617) foi composto para a catedral de São Marcos, em Veneza, e destina-se a contralto, duas flautas de bisel, flauta transversa e dupla orquestra de cordas.

[Por Carlos Mena (contratenor) e Ricercar Consort, com direcção de Philippe Pierlot (Mirare)]

Regina coeli K 108, de Mozart

Embora não seja a faceta mais visível da obra de Mozart, este compôs durante a juventude uma impressionante quantidade de música sacra para a catedral de Salzburgo. Porém, este Regina coeli composto aos 16 anos, em 1771 (escreveria mais dois, o K 127 em 1772 e o K 276 em 1779), foi provavelmente destinado a outro local, pois a sua rica orquestração (que inclui trompetes, trompas, oboés e timbales) não é compatível com os recursos e as práticas da catedral de Salzburgo. O tom é jubilatório e luminoso, como pede um texto que exalta a “Rainha dos Céus”.

[Por Emma Kirkby (soprano), Westminster Cathedral Boys Choir e Academy of Ancient Music, com direcção de Christopher Hogwood (L’Oiseau-Lyre/Decca)]
Publicidade

Ave Maria a sete vozes, de Bruckner

Ao contrário da maioria dos sinfonistas do Romantismo, o austríaco Anton Bruckner (1824-1896) deixou relevante produção de música sacra, alguma dela surgida no âmbito dos cargos que desempenhou no mosteiro de St. Florian e na catedral de Linz. Foi para esta que compôs uma primeira Ave Maria a quatro vozes, em 1856, que funcionou como “ensaio” para esta Ave Maria a sete vozes, em 1861, que figura entre os seus motetos mais conseguidos.

[Pelo coro norueguês Schola Cantorum, com direcção de Tone Bianca Sparre Dahl]

Salve Regina, de Pärt

O estónio Arvo Pärt (n. 1935) é o mais popular compositor de música sacra do nosso tempo e a sua música combina influências medievais, minimalismo e misticismo. Pärt musicou os principais textos litúrgicos ligados à Virgem Maria – Magnificat (1989), Stabat Mater (1985), Salve Regina (2002) – e também textos menos correntes ou ortodoxos, como Most Holy Mother of God (2003) e Virgencita (2012).

Nos últimos anos, a música de Pärt tem dado sinais de esgotamento, com as mesmas fórmulas a repetirem-se indefinidamente e o minimalismo a confundir-se com escassez de ideias; desta fase faz parte uma peça dedicada aos pastorinhos de Fátima, Drei Hirtenkinder aus Fatima (2014), composta após uma visita a Fátima em 2012.

[Pelo Coro da Rádio Letã e Sinfonietta Riga, com direcção de Tonu Kaljuste, ao vivo na Catedral de Riga, 2011]

Clássica para todos

Dez peças clássicas associadas a filmes famosos

Música

A maioria dos filmes não é capaz de dispensar da música e algumas obras de compositores clássicos, umas já célebres, outras obscuras, têm sido chamadas a complementar as imagens, acabando, por vezes, por ficar associadas para sempre às películas.

Publicidade
Bathers in Asnières
©Georges Seurat

Dez obras clássicas para celebrar o Verão

Música

Antes de se ter tornado sinónimo de odor a protector solar, sunset parties e bares de praia a bombar música chill out a volumes sísmicos, o Verão inspirou grandes obras musicais. Eis uma amostra que vai de meados do séc. XVII a meados do séc. XX.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade