A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Música, Pop, Jennifer Lopez, Pitbull
©DR

Nostalgia de Agosto: as músicas que dominavam o airplay há umas décadas

As músicas que estavam a passar insistentemente na rádio neste mês, há dez, 20, 30 e 40 anos.

Escrito por
João Pedro Oliveira
Publicidade

No pico do Verão, há duas coisas que se colam facilmente à cabeça: areia da praia e canções que se ouvem em toda a parte. Mas enquanto a areia sai facilmente com um bom duche, as toadas podem ressoar uma vida inteira, sobretudo quando estão associadas a dias grandes e despreocupados. Estas são algumas canções que dominavam o top nacional no mês de Agosto de há umas décadas.

Recomendado: Doze canções que talvez não saiba que são covers

Nostalgia de Agosto

Há 40 anos: Agosto de 1981

A MTV faz a sua emissão inaugural: “Vídeo Killed the Radio Star”, dos Buggles, é o primeiro clipe transmitido pelo canal que transformaria a face da indústria musical. A IBM apresenta o primeiro computador pessoal para uso doméstico, e com ele o primeiro software MS-DOS, da Microsoft: o IBM PC tinha uns incríveis 16k de RAM. Mark David Chapman é condenado a prisão perpétua pelo homicídio de John Lennon.

O grande acontecimento do Verão são os Taxi. Como recordámos na Nostalgia de Maio, a banda do Porto apresenta o seu homónimo álbum de estreia no Dramático de Cascais, logo a 31 de Abril, na primeira parte do concerto de The Clash. Nessa noite, um pavilhão apinhado entoa “Chiclete”, “T.V.W.C.” e “Vida de Cão”, singles que ainda mal tinham estreado na rádio, prenunciando um Verão em que as canções de João Grande & companhia se tornam omnipresentes na frequência modulada. “Chiclete”, em particular, é número 1 em toda a primeira quinzena de Agosto, e o LP Taxi acabará consagrado como o primeiro disco de ouro do rock português, por vendas superiores a 15 mil exemplares (Ar de Rock, de Rui Veloso, foi editado antes mas demorou mais tempo a atingir a meta). Os Taxi são, de resto, um capítulo importante num ano memorável para a venda de música em Portugal. A indústria discográfica nacional acabará a celebrar 1981 como um ano histórico, com sete milhões de singles, LPs e cassetes vendidos.

Os Taxi acabam destronados do top de singles lá para 20 de Agosto, por Kim Karnes, que já liderara nove semanas consecutivas a Billboard norte-americana com “Bette Davis Eyes”. Em retrospectiva, esta é uma daquelas que bem podíamos ter incluído na nossa lista de canções que provavelmente não sabe que são covers. Na verdade, pertence a Jackie DeShannon, respeitável cantautora norte-americana a quem também são creditadas canções como “What the World Needs Now Is Love” ou “Put a Little Love in Your Heart”. O registo original é assim mais pop-country e foi editado em 1975 no álbum New Arrangement.

Entretanto, no número 3 de há 40 anos, encontramos “Psycho Chicken”, uma paródia palerma com que The Fools apanharam boleia dos Talking Heads para fora do anonimato.

Há 30 anos: Agosto de 1991

A Antena de Rádio de Varsóvia, a estrutura mais alta do mundo à época, desaba sobre si mesma: tinha 646,39 metros e pesava quase 400 toneladas. Estónia, Letónia, Ucrânia, Bielorrússia e Moldávia declaram independência da União Soviética. No Central Park de Nova Iorque, mais de 750 mil pessoas assistem ao concerto gratuito de Paul Simon. Carl Lewis corre 100 metros em 9,86 segundos, Sergei Bubka salta 6,10 metros com vara. Em Portugal é dado o pontapé de saída no processo de regionalização que nunca chegará a concretizar.

Por cá, o Verão tem dois amores e Marco Paulo é um deles. “Taras e Manias” é líder na tabela de singles nas contagens de 24 e 31 de Agosto e será um dos singles mais vendidos na história da música portuguesa. Recolheu cinco discos de platina, marca que, à data, assinalava vendas superiores a 40 mil exemplares. Significa isso, contas feitas, que o single incluído na colectânea Maravilhoso Coração despachou 200 mil. É um original do cantor brasileiro Elymar Santos, que a gravou um ano antes no álbum Missão Ato de Amor.

O outro amor de Verão nacional é Rui Veloso, que segurou o primeiro lugar do top de vendas na primeira quinzena com “Logo que Passe a Monção”, canção extraída do álbum Auto da Pimenta. Por curiosidade, diga-se que Veloso chegaria ao fim desse ano com um LP entre os dez mais vendidos em Portugal e não seria este. Os Mingos & os Samurais, que em 1990 tinha sido o segundo álbum mais vendido do ano apenas ultrapassado por But Seriously, de Phil Collins continuaria a vender que nem pãezinhos quentes 1991 adentro.

Fora os portugueses, outros dois destaques. O primeiro é Bryan Adams, que, num louvável esforço para equilibrar o saldo demográfico do ano seguinte, passa o Verão inteiro a polinizar as ondas hertzianas e com “I Do It For You”. A canção lidera o top de singles a 3 de Agosto e o LP Waking Up the Neighbours será o terceiro mais vendido do ano. O segundo são os Gipsy Kings que conseguem o feito de inscrever dois singles em simultâneo no top 10 de Agosto: “Hotel California”, de que já aqui falámos na Nostalgia de Junho, e este “Baila Me”, que pôs meio país a imitar sevilhanas.

Publicidade

Há 20 anos: Agosto de 2001

Seis empresários portugueses são assassinados em Fortaleza, no Brasil: Luís Militão, também português, é condenado a 150 de prisão pelos crimes. A CIA lança um alerta à Casa Branca sobre a iminência de um ataque terrorista contra os Estados Unidos. A NTV, canal de televisão do Porto, arranca em edições experimentais.

“Elevation”, dos U2, é a canção mais repassada durante a maior parte do mês. É a terceira faixa e também o terceiro single a ser extraído do álbum All That You Can't Leave Behind, depois de “Beautiful Day” e Stuck in a Moment You Can't Get Out Of, e ocupa a liderança do top nas três primeiras semanas do mês.

Mas as grandes figuras deste Agosto são Shaggy e Dido, ambos com dois singles simultâneos na top do pico do Verão. O jamaicano enxertou Agosto com hip-hop e muitos iôs, e contribuiu generosamente para praga de ft. que por esses dias começava a alastrar pela música pop (ft. é abreviatura para “featuring”, que é maneira de dizer que o artista principal traz convidados). O mais bem sucedido dos seus dois singles desse ano foi este “Angel”, onde escutamos a laringe inchada de Shaggy em dueto com Rayvon (Shaggy ft. Rayvon, para sermos precisos). O outro foi “It Wasn't Me”, um hino aos cobridores, interpretado em dueto com Rikrok (Shaggy ft. Rikrok). Ambos foram extraídos do álbum Hot Shot. Quanto a Dido, de quem já falámos nas nostalgias de Maio e Junho, chegou à segunda posição com “Thank You” e andou pelo meio do top 10 com este “Here With Me”, ambos extraídos do álbum No Angel.

Há 10 anos: Agosto de 2011

Na Líbia, Muammar Kadhafi é deposto. No Egipto, Hosni Mubarak começa a ser julgado. Na Síria, Bashar al-Assad‎ bombardeia o seu próprio povo. Steve Jobs deixa de ser CEO da Apple. A NASA lança a missão Juno para investigar Júpiter e seus arredores: a sonda só chegará à órbita do gigante gasoso em 2016 e ainda por lá continua.

A figura deste Agosto, se tivermos de escolher uma, há-de ser Pitbull, que se faz ouvir em três singles em simultâneo no top 10. O primeiro é este “On the Floor”, uma reinterpretação em alta voltagem da lambada brasileira, em que o rapper com nome de terrier é convidado de Jennifer Lopez, e que andará sempre ali pela segunda posição da tabela. O segundo é “Rabiosa”, em que é convidado por Shakira a dar-lhe uma dentadinha na boca (enfim, em termos líricos, pelo menos) e no final do mês entra para o top das mais ouvidas. O terceiro é “Give Me Everything”, single em nome próprio, que ocupará o meio dessa tabela e o centro de todas as pistas vitaminadas de Verão.

A outra figura deste mês será Adele que, a 28 de Agosto, consegue o feito de ocupar a primeira e a segunda posição do top nacional de singles: “Someone Like You” e este “Rolling in the Deep”, ambas retiradas do álbum 21, são as canções que fazem dela a mais famosa das britânicas, numa terra onde elas costumam abundar em Agosto.

Mais música para os seus ouvidos

  • Música

O reino misterioso do sono nunca deixou de atrair os compositores de canções. Estas sete substâncias hipnóticas podem ser tomadas sem receita médica, mas há que ter em atenção que algumas poderão produzir, nas almas mais sensíveis e quando consumidas repetidamente, efeitos secundários imprevisíveis. O importante é reter que as canções de embalar, apesar de talvez terem sido as primeiras criações musicais do Homo Sapiens, não são um género esgotado. A prova está aqui.

  • Música

A autorreferência é um mecanismo relativamente banal na arte. Por exemplo, poemas que se queixam de como as palavras não lhes bastam para dizerem tudo o que precisam dizer, é mato. Nos textos cantados é especialmente frequente encontrar esse tipo de truque estilístico, em particular em canções que se põem a falar sobre canções de amor para, de forma mais ou menos discreta, fingirem que não são elas próprias canções de amor, bajoujas e piegas como todas as canções de amor devem ser.

Publicidade
  • Música

Não consta de nenhuma das letras, mas a palavra da moda atravessa todas estas canções. Aqui fala-se de resistência e esperança, optimismo e perseverança, confiança e tenacidade: em suma, fala-se de resiliência, palavra que por estes dias se consome mais do que álcool gel. Eis então uma playlist que é uma espécie de vacina contra toda a sorte de atribulações, borrascas, contrariedades, dissabores, e mais uma série de sinónimos de coisas chatas, que podíamos continuar a ordenar alfabeticamente até chegarmos a “zaragatoa”.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade