Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Dez obras clássicas de inspiração marítima
Great Wave off Kanagawa
©Katsushika Hokusai Great Wave off Kanagawa

Dez obras clássicas de inspiração marítima

O mar entra pelo Mosteiro dos Jerónimos dentro, com um programa da Orquestra Metropolitana que comemora os 500 anos da viagem de Fernão de Magalhães.

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

“Ondas do Mar de Vigo,/ Se vistes meu amigo?/ E ai Deus!, se verá cedo?” – assim começa uma célebre cantiga de amigo do trovador galego Martin Codax, datada da viragem dos séculos XIII/XIV e que constitui uma das mais antigas manifestações da inspiração marítima na história da música. Em geral, os compositores da Idade Média e Renascença não dedicaram muita atenção ao mar e seria preciso esperar pelo Barroco para que o mar – quase sempre revolto – impusesse a sua presença. Na primeira metade do século XVIII, era rara a ópera que não incluísse uma aria di tempesta, um momento em que a personagem comparava o tumulto na sua alma ao desvario das ondas e do vento numa tormenta marítima, com a música a acompanhar as palavras com rajadas caprichosas e vagas alterosas. No Classicismo a temática marítima perdeu força, mas regressou em força no Romantismo e no Impressionismo da viragem dos séculos XIX/XX.

Muitas destas obras foram compostas em terra firme, sem mar à vista e sem que os compositores tivessem vínculos fortes ao mar ou experiências marítimas intensas. O único compositor com carreira marítima foi Nikolay Rimsky-Korsakov, que se tornou oficial da Marinha Imperial Russa e, em 1862, com 18 anos, embarcou num cruzeiro de dois anos e oito meses a bordo do clipper Almaz, que passou por Londres, Nova Iorque e Rio de Janeiro e durante a qual trabalhou nas suas composições. Em 1873, quando já regressara à vida civil, a Marinha Imperial criou expressamente para ele o posto de Inspector das Bandas Navais, cargo que ocupou durante 11 anos (sem ter de molhar os pés).

O mar entra pelo Mosteiro dos Jerónimos dentro

Mosteiro dos Jerónimos. sex 19 de Julho 21.30.

Dez obras clássicas de inspiração marítima

Wassermusik, de Telemann

Género: Suíte orquestral
Estreia: 1723, Hamburgo

A “Música Aquática” mais famosa é a de Handel, mas trata-se de uma peça “de água doce”, pelo que não tem aqui cabimento. A Wassermusik de Telemann (também conhecida como Hamburger Ebb’ und Flut) não é menos inspirada e evoca mais explicitamente o meio marítimo. Destinou-se a celebrar o centenário da fundação do Almirantado da cidade de Hamburgo, entidade responsável pelo bom funcionamento, segurança e defesa do porto e seus acessos. A Suíte (com o n.º de catálogo TWV 55:C3) composta por Georg Philipp Telemann (1681-1767), então a mais prestigiada figura musical de Hamburgo (e da Alemanha), mescla a tradição marítima da cidade na foz do Elba com a mitologia clássica e tem andamentos com títulos como “Tétis adormecida”, “O despertar de Tétis”, “Neptuno apaixonado”, “Náiades brincalhonas”, “Tritões brincalhões”, “Eolo tempestuoso”, “Zéfiro aprazível”, “Fluxo e refluxo [da maré]”, “Os marinheiros folgazões”.

[Andamento VI: “Harlequinade: Der Scherzende Tritonus”: Os tritões brincalhões. Pelo Ensemble Zefiro, ao vivo no festival Monteverdi de Cremona, 2015]

La Tempesta di Mare RV 253, de Vivaldi

Género: Concerto para violino
Publicação: 1725, Amesterdão

O mar e, em particular, as suas tempestades foram um assunto recorrente na ópera e nos concertos de Antonio Vivaldi (1678-1741), a que talvez não seja alheia a sua condição de veneziano, pois o destino da cidade esteve, durante séculos, indissoluvelmente ligada ao comércio e poderio marítimos. Há três concertos de Vivaldi com o título La Tempesta di Mare, um dos quais é este Concerto para violino RV 253, o n.º 5 da colecção Il Cimento della’Armonia e dell’Inventione op.8. Poucos compositores foram capaz de transpor para música de forma tão vívida a ventania desabrida e as ondas alterosas.

[Concerto RV 253, por Fabio Biondi (violino e direcção) e Europa Galante, numa gravação para a Virgin Classics, agora reeditada na caixa Concerti, na Erato. A capa do disco que surge no vídeo gera equívocos, pois a Tempesta di Mare nele contida é o Concerto RV 570 – que não é inferior, em nada, ao RV 253]
Publicidade

Meeresstille und Glückliche Fahrt, de Beethoven

Género: Cantata
Estreia: 1815, Viena

No tempo da navegação à vela, as borrascas eram temidas, mas as calmarias podiam revelar-se não menos problemáticas. Disso dá conta a I parte de Meeresstille und Glückliche Fahrt (Mar Calmo e Viagem Próspera), de Ludwig van Beethoven (1770-1827), sobre dois poemas de Goethe: “Uma profunda calma reina sobre as águas/ Imóvel se queda o mar/ E triste o marinheiro mira/ A superfície espelhada que o rodeia/ De lado algum sopra uma brisa!/ Mortal e terrível é a calmaria!/ Até onde a vista alcança/ Nem uma onda se agita”. Na II parte, soltam-se os ventos, enfunam-se as velas e o navio retoma o seu curso.

[Pelo Coro & Orquestra da Berliner Rundfunks, com direcção de Helmut Koch, 1970; o vento começa a soprar por volta de 3’40]

Meeresstille und Glückliche Fahrt, de Mendelssohn

Género: Abertura de concerto
Estreia: 1828, Berlim

O mesmo par de poemas de Goethe inspirou Felix Mendelssohn a compor uma “Abertura de concerto” – algo, na prática, indiferenciável de um poema sinfónico, ou seja, uma peça orquestral autónoma, com um programa subjacente.

[Pela Orquestra da Gewandhaus de Leipzig, dirigida por Kurt Masur; a brisa começa a levantar-se por volta dos 6’00; ao 10’29, uma fanfarra assinala a chegada do navio a bom porto]
Publicidade

As Hébridas, de Mendelssohn

Género: Abertura de concerto
Estreia: 1833, Londres

Mendelssohn pintaria uma paisagem marítima mais inspirada (e famosa) poucos anos depois, com The Hebrides (também conhecida por Fingal’s Cave), que lhe foi inspirada por uma viagem à Escócia em 1829 e em particular pela Gruta de Fingal, na ilha de Staffa, nas Ilhas Hébridas, uma “catedral natural”, de natureza basáltica, que tem o poder de amplificar de forma fantasmagórica o ruído das vagas que se quebram no seu interior. A peça não tem um programa definido, oferecendo sugestões impressionistas da agitação marinha.

[Pela Orquestra Sinfónica de Londres, com direcção de John Eliot Gardiner]

O Navio Fantasma, de Wagner

Género: ópera
Estreia: 1843, Dresden

Tal como Mendelssohn, também Richard Wagner foi buscar inspiração a uma viagem por si realizada, entre Riga e Londres, em 1839, fugindo aos credores que lhe atormentavam a vida no porto báltico. Uma tempestade surpreendeu o navio no Mar do Norte, forçando-o a buscar abrigo nos fiordes noruegueses e fazendo a viagem, que deveria durar uma semana, estender-se por três. Der Fliegende Höllander (conhecida em português por O Holandês Voador ou O Navio Fantasma) conta a história de um capitão condenado a vaguear pelos mares por toda a eternidade com o seu navio de velame cor de sangue e tripulação de esqueletos, por, numa tempestade, ter invocado Satanás. Foi-lhe, porém, concedida uma oportunidade para se libertar desta maldição: de sete em sete anos, as correntes e os ventos empurrarão o seu navio para terra e se o capitão encontrar uma mulher que queira partilhar o seu destino encontrará a redenção.

[Abertura, pela Filarmónica de Berlim, com direcção de Herbert von Karajan, 1974]
Publicidade

La Mer, de Debussy

Género: “esquisso sinfónico”
Estreia: 1905, Paris

La Mer é uma superfície alterosa e em permanente mutação, tão cintilante e efémera como o brilho do sol sobre as vagas, mas a sua composição foi iniciada na Borgonha, bem longe da costa. Costuma mencionar-se que a obra foi concluída no Grand Hotel de Eastbourne, com vista sobre o Canal da Mancha, e é verdade que Claude Debussy aí esteve alojado no Verão de 1905, mas nessa altura a obra estava essencialmente concluída e a estadia em Eastbourne serviu apenas para fazer revisões na partitura. Tudo o que ela contém de marinho proveio da imaginação de Debussy: não pretende ser uma descrição realista de um programa de carácter marinho, mas um reflexo do que a ideia de mar suscitou na mente do compositor. É uma obra de uma audácia e riqueza deslumbrantes e poucos foram os compositores posteriores que conseguiram subtrair-se à sua influência quando compuseram partituras de inspiração marinha.

[III andamento, “Dialogue du Vent et de la Mer”, pela Orquestra do Festival de Luzern, com direcção de Claudio Abbado, Luzern, 2003]

Une Barque sur l’Océan, de Ravel

Género: peça para orquestra
Estreia: 1907, Paris

Em 1904-5, Maurice Ravel compôs Miroirs, uma suíte de cinco peças para piano. Pouco depois da estreia, em 1906, Ravel orquestrou a n.º 3, “Une Barque sur l’Océan”, sendo apresentada pela primeira vez nessa forma em Fevereiro de 1907. Ravel viria a renegar esta orquestração, embora seja difícil perceber porquê. Tal como La Mer, de Debussy, é uma peça em incessante movimento, feita de linhas ondulantes e salpicos de espuma e onde a efémera cintilação da luz sobre a água se sobrepõe à longa e poderosa pulsação das grandes vagas. Este não é, seguramente, um mar flat.

[Pela Orquestra Sinfónica de Montréal, com direcção de Charles Dutoit]
Publicidade

A Sea Symphony, de Vaughan Williams

Género: sinfonia
Estreia: 1910, Leeds

O início do século XX foi pródigo em peças de inspiração marinha e é natural que muitas tenham surgido na Grã-Bretanha, uma nação-ilha que, por aquela altura, era incontestavelmente, a maior potência marítima do mundo. Uma das mais notáveis dessas obras é Sinfonia n.º 1 A Sea Symphony, de Ralph Vaughan Williams (1872-1958), que resultou da coalescência e desenvolvimento de várias canções orquestrais compostas entre 1903 e 1909, sobre poemas de Walt Whitman. É uma obra imponente, com 70 minutos de duração, que requer, além da orquestra, uma soprano, um barítono e coro.

[III andamento, “The Waves”, pelo Coro & Orquestra Filarmónica de Londres, com direcção de Bernard Haitink, numa gravação de referência realizada para a EMI (hoje na Warner)]

Peter Grimes, de Britten

Género: ópera
Estreia: 1945, Londres

Peter Grimes tem lugar numa aldeola piscatória na costa do Suffolk, mas apesar da amplitude de horizontes físicos e do vento fresco e muitas vezes borrascoso que sopra do mar, a atmosfera psicológica é sufocante. Peter Grimes já era um outsider na povoação, mas a morte, em circunstâncias não muito claras, do aprendiz que com ele trabalhava no barco, faz com as gentes da terra o encarem com suspeição acrescida. As únicas pessoas que lhe manifestam simpatia são Ellen Orford, a professora primária, e Balstrode, um capitão reformado da marinha mercante. Na verdade, o que une Orford e Grimes é mais do que simpatia e a professora propõe ao pescador que fujam ambos daquele lugar claustrofóbico, mas Grimes teima em ser aceite pela comunidade local e crê que a única forma de o lograr é enriquecendo na faina, de forma a poder propor um casamento condigno a Orford: “Eles têm respeito pelo dinheiro/ Esses coscuvilheiros de aldeia/ Eu tenho as minhas visões/ Visões ardentes/ Chamam-me sonhador/ Troçam dos meus sonhos/ E da minha ambição/ Mas eu sei como responder-lhes”, diz ele a Balstrode. Enquanto Grimes assim vai discorrendo, uma tempestade aproxima-se e Balstrode retira-se, deixando Grimes a interrogar-se “Em que porto encontrar paz/ A salvo de ondas e tormentas?”. Orford poderia ser esse porto, mas Grimes alia uma natureza sensível a limitadas capacidades de expressão e os seus conflitos interiores e as circunstâncias adversas acabam por condenar todos os seus planos e aspirações ao fracasso. E quando surge a suspeita de que Grimes maltrata o novo aprendiz, a desconfiança das gentes transforma-se em ira justiceira.

[“What Harbour Shelters Peace?”, por Jon Vickers, um dos grandes intérpretes do papel de Peter Grimes]

Clássica para todos

Dez peças clássicas associadas a filmes famosos

Música

A maioria dos filmes não é capaz de dispensar da música e algumas obras de compositores clássicos, umas já célebres, outras obscuras, têm sido chamadas a complementar as imagens, acabando, por vezes, por ficar associadas para sempre às películas.

Publicidade
Bathers in Asnières
©Georges Seurat

Dez obras clássicas para celebrar o Verão

Música

Antes de se ter tornado sinónimo de odor a protector solar, sunset parties e bares de praia a bombar música chill out a volumes sísmicos, o Verão inspirou grandes obras musicais. Eis uma amostra que vai de meados do séc. XVII a meados do séc. XX.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade