Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os novos discos que vêm dar-lhe música
Música
Akshay Chauhan/Unsplash

Os novos discos que vêm dar-lhe música

A indústria da música não pára e continuam a chegar discos novos aos ouvidos. Conheça estes novos álbuns fresquinhos, fresquinhos.

Por Tiago Neto
Publicidade

Acabadinhos de sair do estúdio ou ainda por chegar, surpreendentes e aguardados, há muita coisa nova para ouvir nos próximos tempos. 2020 pode parecer um ano estranho até à data, mas a indústria musical não tem deixado ninguém para trás e o streaming há de salvar-nos nas piores (e nas melhores) alturas. Childish Gambino, The Weeknd, Jessie Ware, The Strokes ou Ozzy Osbourne são alguns dos nomes da lista que se segue, e são argumentos bastante fortes para que corra ao telefone ou ao computador numa maratona auditiva. E mesmo que alguma destas entradas acabe adiada, os singles não nos hão de falhar. Conheça o que há de mais fresco para ouvir com estes novos discos.

Recomendado: 13 músicas para cantar no banho sem vergonha

Os novos discos de 2020

1. '03.15.20', Childish Gambino

À primeira publicação, o alvoroço. Depois, bem ao estilo Childish Gambino, músico que nos trouxe faixas como "Redbone" ou "This Is America", o disco foi retirado da internet sem que nada o fizesse prever. Mas finalmente acabou por chegar, não numa mas em duas versões. 03.15.20, como foi intitulado, conta com um track by track disponível no YouTube, e outras plataformas de streaming, além de uma segunda versão que só é possível encontrar via Tidal ou no site oficial do músico, denominada Donald Glover Presents.

2. '1988', Knxwledge

Não se pode apontar o dedo à profieciência do produtor musical norte-americano que já colaborou com Kendrick Lamar, Earl Sweatshirt ou Anderson Paak. A quantidade de mixtapes que Glen Boothe lança, em qualquer altura do ano, é muito difícil de igualar, mesmo para um músico "em forma". Acontece que, depois de vários trabalhos soltos no Bandcamp, a retocar sonoridades aproveitadas da soul, de freestyles de hip-hop e mesmo de filmes, Knxwledge regressa com um disco estruturado; 1988, como o ano de nascimento, tem o selo da Stones Throw e soa a dedicação. 

Publicidade

3. 'After Hours', The Weeknd

Com 14 faixas para ouvir, o quarto disco do norte-americano é a ponte perfeita entre o artista dos primórdios, escondido entre as imagens de modelos nos vídeos do YouTube, as melodias crípticas, e este novo larger-than-life Weeknd das multidões, dos paparazzi e do super estrelato. Depois da viagem pelo pelo R&B e pelo hip-hop, há agora mais pop a respirar, e sonoridades de corpo mais composto, como esta "Until I Bleed Out". Sobre colaborações, numa altura em que cada vez mais artistas trocam de lugar, Abel Tesfaye assina o disco completamente sozinho. 

4. 'A Western Circular', Wilma Archer

"Last Sniff" é o avanço de A Western Circular, e conta nada mais nada menos com a participação do rapper MF Doom, veterano e uma das entidades maiores do hip-hop mundial. Um bom presságio para o rapaz de Newcastle que em 2019 lançou Burd, disco em colaboração com o rapper Pyramid Vritra.

Publicidade

5. 'Beyond The Pale', Jarvis Cocker

O veterano britâncico do rock alternativo prepara-se para nos fazer chegar o resultado sonoro do seu mais recente projecto, JARV IS... Beyond The Pale, título do disco que chega às prateleiras a 1 de Maio, tem nesta "House Music All Night Long" a primeira mostra do que está para vir. Nada a temer, se tivermos em conta o percurso do homem até aqui.

6. 'Cajarana', André Henriques

Cajarana, título do disco e alcunha de infância, é o primeiro álbum fora do universo dos Linda Martini, chegou em Março e está voltado para uma imagem sem necessidade de representação de outros. A família, a música, os dias cabem todos na escrita de André Henriques, crus, como um diário. E foi exactamente o que fez, empurrado por duas canções que haviam ficado na gaveta. A ajudá-lo esteve o brasileiro Ricardo Dias Gomes, que já havia trabalhado com Caetano Veloso, e a quem André Henriques agradeceu pela forma como foi, lado a lado, conduzindo a direcção musical.

Publicidade

7. 'Circles', Mac Miller

O sexto disco de estúdio e o primeiro póstumo de Mac Miller, rapper que morreu em 2018 vítima de uma oversose acidental, foi a prenda de boas-vindas de 2020, ainda em Janeiro. À altura do falecimento do músico, Circles, que deveria ter funcionado como um álbum complementar a Swimming, estava já bastante avançado, tendo depois sido terminado pelo produtor que tinha acompanhado Miller ao longo do caminho, Jon Brion (responsável pela banda sonora de filmes como O Despertar da Mente ou Embriagado de Amor), com base nas conversas que tinham tido até então.

8. 'Ecstasy EP', Disclosure

Depois de Caracal, o disco de 2016, e de umas quantas pontas soltas pelo caminho (casos de "Boss", "Moog For Love", "Ultimatum" ou Moonlight EP), os irmãos Lawrence estão de volta ao serviço com mais electrónica para viajar. O anúncio foi feito no Instagram, e veio com um set que já incluía algumas das músicas que viriam a ser lançadas. O EP já está disponível para streaming, mas o duo não fica por aqui. À altura da última publicação, Guy e Howard fizeram saber que tinha quase uma centena de hits para chegar aos ouvidos ainda este ano. Vamos aguardando.

Publicidade

9. 'Imploding the Mirage', The Killers

Por agora, sabe-se que a data de lançamento deste Imploding the Mirage está fixada no dia 29 de Maio, além dos títulos de algumas canções que foram entretanto avançados como possíveis em entrevista: "Dying Breed", "My God", "Blowback", "Lightning Fields" e "My Own Soul's Warning". Certo é este primeiro single, "Caution", enquanto tudo o resto não chega.

10. 'It Is What It Is', Thundercat

Não é fácil categorizar Thundercat. Ou melhor, difícil será mesmo a palavra, isto porque o alcance musical de Stephen Lee Bruner vai além de um só rótulo. Atestado pelas colaborações com o rapper Mac Miller, com Erykah Badu, com Flying Lotus ou Kendrick Lamar. E é ele quem nos dá música com este It Is What It Is, o quarto disco de estúdio. "Black Qualls" foi o primeiro avanço, seguido de "Dragonball Durag", e chegou bem como amostra para perceber o que podemos esperar. Qualidade. Qualidade é a palavra de ordem.

Publicidade

11. 'Ordinary Man', Ozzy Osbourne

Depois do convite do rapper Post Malone para participar numa faixa, o ex-líder dos Black Sabbath decidiu que era este o momento de fazer um novo álbum, o primeiro a solo numa década. O single de estreia, "Under the Graveyard", é um headbanger que nos leva de volta a Diary of a Madman em mensagem mas com ganchos mais pop, enquanto que esta "Ordinary Man" nos mostra alguma da escrita mais honesta e lancinante do Príncipe das Trevas, quase uma carta de despedida (esperemos que assim não seja). Com o bónus de ser acompanhada ao piano por Sir Elton John. Ordinary Man está disponível desde Fevereiro.

12. 'Run The Jewels 4', Run The Jewels

É uma das novidades mais recentes da indústria e foi dado a conhecer através do Instagram. "The Yankee and the Brave" é o primeiro sinal do quarto capítulo do duo hip-hop, Run The Jewels 4, e deverá chegar às prateleiras ainda este ano. Isto depois de muita antecipação de fãs e críticos, ainda que El-P e Killer Mike não tenham ficado estagnados no interregno. Para já, enquanto não sai, chega ao YouTube e vai-nos dando alguma coisa aos ouvidos.

Publicidade

13. 'Suddenly', Caribou

Melodias desdobráveis, cenários de profundidade pintados a progressões e quebras e loops amparados pela voz. Na música de Caribou cabe uma legião de personalidades não muito distantes do próximo, passíveis de ouvir a cada vez que carregamos no play. Foi exactamente isso que Dan Snaith, o homem por detrás do nome, mostrou neste Suddenly, disco editado em Fevereiro deste ano, que floresce numa combinação entre a electrónica a que nos habituou e os salpicos folk, jazz ou soul. Não que isso lhe seja estranho, mas o canadiano conseguiu, mais uma vez, descobrir frescura por entre as muitas ideias que aqui montou.

14. 'The New Abnormal', The Strokes

Sete anos volvidos, o conjunto encabeçado por Julian Casablancas está finalmente de regresso com um novo disco. Depois de anunciar a data de lançamento no comício de Bernie Sanders em New Hampshire, a banda vê finalmente o trabalho cá fora: The New Anormal, produzido por Rick Rubin, chegou a 10 de Abril, mas antes disso já havia material para apontar os ouvidos.  "At the Door" foi o primeiro single, ao qual se seguiu "Bad Decisions", mas o disco já está pronto a ouvir todo de empreitada nas plataformas de streaming. 

Publicidade

15. 'The Slow Rush', Tame Impala

Após cinco anos, uma cover de Rihanna e uma expectativa que levaria qualquer mortal à depressão, o grupo australiano de rock psicadélico lançou finalmente o disco sucessor de CurrentsThe Slow Rush, assim é o título, começou a ser avançado ao público em Março e Abril de 2019 com os singles "Patience" e "Borderline", o primeiro dos quais acabou por não fazer parte do alinhamento final. Seguiram-se "It Might Be Time", em Outubro do ano passado, "Posthumous Forgiveness" em Dezembro, "Lost In Yesterday" já este ano e, finalmente, "Breathe Deeper" em Fevereiro.

16. 'What's Your Pleasure?', Jessie Ware

Agendado para 5 de Junho deste ano, What's Your Pleasure? é o quarto disco da britânica Ware, que passou por Portugal a última vez em 2018. São, ao todo, 12 faixas, polvilhadas pela pop, pelo R&B e pela electrónica suave, para ouvir sem pressas, com três singles já disponíves.

Mais para ouvir

Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade