A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Savages
Photograph: Courtesy Press Here PublicitySavages

Savages: “Faremos o que for preciso para proteger a música”

As Savages são uma das bandas mais entusiasmantes que aí andam. Sexta-feira dão um concerto no NOS Alive, no Passeio Marítimo de Algés

Escrito por
James Manning
Publicidade

Jeanny Beth surfa sobre um mar de mãos. Atrás dela, em palco, as três outras Savages partem a loiça: o baixo de Ayşe Hassan faz um barulhinho bom, Fay Milton espanca a bateria com um sorriso na cara e Gemma Thompson serve-se da guitarra para testar os limites do sistema de som da sala de concertos londrina The Dome. De repente faz-se silêncio, o público – putos indie, velhos punks e tudo o que se encontra pelo meio – devolve Beth ao palco e as Savages desatam a tocar a última canção da noite. Começa assim: “Don’t let the fuckers get you down”...

Os concertos das Savages são extáticas comunhões de rock’n’roll. Digam o que quiserem, mas no meio do som e da fúria da banda sentem-se as barreiras emocionais que separam a banda do público a ruírem. E é estranho que, quando nos encontramos com Beth e Thompson no dia seguinte, esses muros tenham voltado a ser erguidos. De casacos pretos e olhares impassíveis, difíceis de ler, Beth e Thompson parecem cautelosas – desconfiadas, até.

 

Em todos os concertos das Savages a que assisti senti um forte vínculo entre a banda e o público. Da última vez não havia grades nem seguranças à frente do palco. Isso é deliberado?

Jehnny Beth: Sim, nós pedimos para não haver barreiras. Mas, mesmo que haja barreiras, há sempre maneiras de chegar ao público.

No entanto, têm fama de serem austeras e reservadas. Eu sou vosso fã, mas vocês estão a olhar para mim como se vos estivesse a tentar vender um iPhone em segunda mão.

JB: [Risos] Desculpa.

Gemma Thompson: Não sei o que dizer. Para nós o mais importante são os concertos. É aí que tudo faz sentido, que todas as peças encaixam. No primeiro disco éramos altamente protectoras: tínhamos mentalidade de gangue. Passámos por várias situações que quase nos separaram. Mas o mais importante para nós é a música e os concertos, e faremos o que for preciso para proteger isso. Se parecemos frias é para proteger isso.

Estão sempre na defensiva nas entrevistas?

GT: Depende da pessoa com quem estamos a falar. Não podes estar à espera de criar, de repente, uma conexão com alguém para falares sobre algo que é tão importante para ti.

JB: Responder a perguntas sobre o que estás a fazer, quando queres manter as coisas instintivas, é difícil para todos os artistas que eu conheço. Acabas por ter de intelectualizar tudo, e tentar ter uma resposta para tudo pode ser cansativo.

Estás a dizer que se começares a analisar muito as coisas vais começar a pensar demasiado?

GT: E é o oposto daquilo que fazemos.

JB: Havia uma frase que eu repetia sempre antes de ir para o palco. Isto era ao início, quando eu tinha muito, muito medo de actuar ao vivo, e por vezes esquecia-me da frase antes de começar. Sabia que tinha de me lembrar dela antes de pisar o palco, e às vezes estava cinco minutos a ver se lembrava. Sabes qual era a frase? “Não penses.”

Já se escreveu que vocês não têm sentido de humor. Achas que fazem coisas com piada?

JB: Acho que sim. Quando salto como um esquilo em palco, sem dúvida.

E parto do princípio que vocês não estão sempre a ter conversas profundas quando estão juntas.

GT: Oh meu deus, de todo.

JB: Pelo amor de deus – nunca.

GT: Nós somos ridículas.

JB: Somos hilariantes, a sério.

Mas percebem porque é que as pessoas podem achar que estão sempre com cara de frete?

GT: Não podemos pensar muito sobre isso – sobre como as outras pessoas nos vêem – porque não queremos que essa percepção afecte aquilo que fazemos. “Oh, se calhar se fizer isto, alguém vai...” Tem de haver um momento em que pensas: Não quero saber. Vou continuar a fazer o que faço.

Então o que é que vos irrita? Qual é a pior palavra que podia ser usada para vos descrever enquanto banda?

GT: [Sussurros] É uma pergunta muito difícil.

JB: [Sussurros] Não sei.

GT: Bam, acho que o título do The New York Times...

JB: Oh, sim – conta isso.

GT: Temos evitado falar sobre isto, porque não é preciso empolar este caso, mas vou referi-lo na mesma. O The New York Times fez uma crítica a um concerto nosso concerto e referiu-se a nós como “uma banda de rock de mulheres”. Um fã fotografou, riscou “de mulheres” e postou na internet. Nós partilhámos isso, a situação começou a ganhar visibilidade e no dia seguinte eles mudaram para a frase para: “Savages, uma banda de rock”.

Essa conversa de serem uma banda “de mulheres” deve ser cansativa.

JB: Sim. “Como é que se sentem por serem quatro mulheres numa banda?”

GT: É bom chamar a atenção para o ridículo da pergunta. “Como é que te sentes por seres um gajo sentado numa cadeira?”

Estou-me a sentir um bocado desconfortável. Mas pronto: de que forma é que o vosso som evoluiu neste segundo álbum?

GT: É uma progressão natural do primeiro disco. Dois anos passados em digressão tornaram-nos melhores intérpretes, mas não mudámos a nossa forma de tocar. Baixo, bateria, guitarra e voz: não há mais nada. Fizemos overdubs e assim, mas isso é só para reproduzir a energia e o volume dos concertos, porque nós tocamos muito alto e é uma experiência muito física. É impossível reproduzir isso em estúdio.

No refrão da primeira canção do novo disco dizem que “Love is the answer” [“O amor é a resposta”]. Isso não é um pouco ingénuo, tendo em conta todas as coisas horríveis que estão a acontecer no mundo?

JB: Não. É muito mais pessoal do que isso.

GT: Queríamos cantar sobre amor de determinada maneira, mas como é que cantas sobre um assunto desses quando és uma banda como as Savages. E tínhamos um trecho instrumental circular – na altura era a coisa mais pesada que tínhamos gravado.

JB: Subitamente era possível dizer estas palavras frágeis e ingénuas. No coração da tempestada: é aí que se encontra a humanidade.

Não havia canções de amor no álbum de estreia.

JB: Isso foi intencional. Não queria escrever canções de amor. Para falar de amor as pessoas têm de se conhecer melhor. É preciso não ter medo de cometer erros e mostrar fraqueza. É uma das coisas mais bonitas da vida e das relações com outras pessoas.

Não é sempre difícil falar de coisas mais profundas?

JB: Bem, as coisas profundas foram o que sempre nos interessou. Eu aborreço-me de conversa da treta muito depressa. Quero sempre saber as coisas importantes: aquilo que dá às pessoas vontade de viver. É a perda de alguém, ou o amor de alguém? Todos temos esqueletos no armário.

NOS Alive 2017

  • Música
  • Festivais de música

Todos os anos é a mesma coisa: em Março acabam-se os passes de três dias, acabam-se os bilhetes para um dos dias, acaba quase tudo do NOS Alive. O que não parece terminar é a vontade portuguesa de consumir bandas e música à grande e à francesa. 

Publicidade
  • Música

É difícil falar em concertos em Lisboa durante o mês de Julho e não falar nos festivais de Verão. É lá que tocam os maiores e mais populares artistas: dos Depeche Mode no NOS Alive, aos Red Hot Chili Peppers no Super Bock Super Rock ou The Pretenders no edpcooljazz. 

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade