Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Sete obras para piano de Brahms que precisa de ouvir
J. Brahms
Brahms com cerca de 33 anos (c.1866)

Sete obras para piano de Brahms que precisa de ouvir

Em mais uma visita à Gulbenkian, Grigory Sokolov traz-nos miniaturas para piano de Brahms.

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

Tendo nascido numa família de modestos recursos, Johannes Brahms (1833-1897) começou a ganhar a vida como pianista, ainda adolescente, na sua cidade natal de Hamburgo, segundo alguns rumores nunca comprovados, também em bares e bordéis da zona portuária – o que, a ser verdade, aproxima Brahms dos Beatles, que também começaram carreira, ainda adolescentes, a tocar no Red Light District de Hamburgo.

Sendo um pianista excepcional, é natural que Brahms tenha feito do piano um instrumento privilegiado para a sua inspiração ao longo de toda a carreira: destinou-se ao piano a sua primeira obra publicada, e também a derradeira, 40 anos depois. Porém, algo inesperadamente, a produção de obras para piano solo de Brahms teve distribuição assaz irregular e, após as Rapsódias op.79, de 1879, esteve mesmo 13 anos visitar o género, só regressando a ele em 1892-93.

Recomendado: Brahms por Sokolov

Sete obras para piano de Brahms que precisa de ouvir

Sonata n.º 1 op.1

Ano de composição: 1853

Foi a primeira peça publicada por Brahms, aos 20 anos, mas esteve longe de ser a primeira que compôs – o manuscrito do op.1 tem por título “IV Sonata” e há indícios de uma Sonata em sol menor composta aos 12 anos. Brahms era muito exigente consigo mesmo e rejeitou e destruiu muitas obras de juventude, por não as achar suficientemente boas – um rigor que é tanto mais compreensível por Brahms tomar por padrão de comparação o seu ídolo, Beethoven, que deixara uma impressionante produção de 32 sonatas para piano. Brahms só compôs três e datam todas de 1853.

A n.º 1, dedicada ao seu amigo Joseph Joachim, abre com uma melodia que tem afinidades com a do primeiro tema da Sonata op.106 Hammerklavier, de Beethoven.

[I andamento (Allegro), por Sviatoslav Richter, em 1987]

Balada op.10 n.º 1 Andante

Ano de composição: 1854

As baladas de Brahms inspiram-se em poemas narrativos de temática lendária. A balada n.º 1 da série de quatro que forma o op.10 inspira-se na tenebrosa balada tradicional escocesa Edward, que põe em diálogo uma mãe e um filho: a primeira, ao ver a espada ensanguentada do segundo, pergunta-lhe de onde vem o sangue – o filho começa por dizer que provém do seu falcão, depois, do seu cavalo, mas acaba por admitir que matou o pai.

[Por Arturo Benedetti-Michelangeli, ao vivo em Lugano, 1981]
Publicidade

Variações & Fuga Sobre um Tema de Handel op. 24

Ano de composição: 1861

É unanimemente considerada como um monumento na arte da variação, no mesmo plano das Variações Goldberg, de Bach, ou das Variações Diabelli, de Beethoven, que, aliás, Brahms conhecia bem. O ponto de partida desta obra imponente de quase meia hora de duração é uma ária do III andamento da Suíte para cravo n.º 1 HWV 434 (1733), de George Frideric Handel. Provindo a inspiração do período barroco, Handel recorreu também pontualmente, na série de 25 variações, a estruturas típicas do período barroco, culminando na fuga final.

[Por Grigory Sokolov, ao vivo em Munique, 2012]

Rapsódia op.79 n.º 1

Ano de composição: 1879

As duas Rapsódias op.79 foram dedicadas a Elisabeth von Herzogenberg – pianista, cantora e compositora – que sugeriu que Brahms substituísse o título que originalmente lhes atribuíra – Klavierstücke (“peça para piano”) – por “Rapsódia”, mais apropriado ao carácter tempestuoso e arrebatado, próximo das “baladas”. As Rapsódias foram estreadas pelo próprio compositor, num Festival Brahms que teve lugar em Krefeld, em 1880.

[Por Grigory Sokolov, ao vivo em Leningrado, 1987]
Publicidade

Intermezzo op.117 n.º 2

Ano de composição: 1892

Após as Rapsódias op.79, Brahms esteve 13 anos sem compor para o piano solo, só regressando ao formato em 1892-93, no final da vida, para produzir quatro admiráveis colecções de miniaturas, quase todas de natureza introspectiva: as Sete Fantasias op.116, os Três Intermezzi op.117, as Seis Peças (Sechs Klavierstücke) op.118 e as Quatro Peças (Vier Klavierstücke) op.119.

O Intermezzo op.117 n.º 2 tem a indicação “Andante non troppo e con molta espressione” e é uma peça em que a intensa expressão romântica é rigorosamente contrabalançada por uma nobreza e uma elevação irrepreensíveis. A designação “Intermezzo” aplica-se usualmente a peças que surgem no intervalo de outros andamentos, mas os Intermezzi de Brahms (várias foram as peças deste período a ser assim baptizadas pelo compositor) são peças inteiramente autónomas.

[Por Arthur Rubinstein]

Klavierstücke op.118 n.º 2 Intermezzo

Ano de composição: 1893

As Seis Peças para Piano op. 118 compõem-se de quatro Intermezzi, uma Balada e um Romance e foram dedicadas a Clara Schumann. A n.º 2 tem a indicação “Andante teneramente”.

[Por Arcadi Volodos (Sony Classical)]
Publicidade

Klavierstücke op.119 n.º 1 Intermezzo

Ano de composição: 1893

As Quatro Peças para Piano op. 119 compõem-se de três Intermezzi e uma Rapsódia – porém estas designações têm um sentido vago e foram usados algo arbitrariamente por Brahms. Clara Schumann disse da n.º 1 que era “docemente triste, apesar das suas dissonâncias”.

[Por Sviatoslav Richter]

Clássica para todos

Dez peças clássicas associadas a filmes famosos

Música

A maioria dos filmes não é capaz de dispensar da música e algumas obras de compositores clássicos, umas já célebres, outras obscuras, têm sido chamadas a complementar as imagens, acabando, por vezes, por ficar associadas para sempre às películas.

Publicidade
Bathers in Asnières
©Georges Seurat

Dez obras clássicas para celebrar o Verão

Música

Antes de se ter tornado sinónimo de odor a protector solar, sunset parties e bares de praia a bombar música chill out a volumes sísmicos, o Verão inspirou grandes obras musicais. Eis uma amostra que vai de meados do séc. XVII a meados do séc. XX.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade