Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Stuart Staples: “Parecia radical fazer algo de humano para este disco”

Stuart Staples: “Parecia radical fazer algo de humano para este disco”

Os Tindersticks actuam na Aula Magna na terça-feira. Viajámos pelos últimos anos com a figura central da banda, o vocalista Stuart Staples.

Stuart Staples
©Manuel Manso
Por Tiago Neto |
Publicidade

Há algo assustadoramente plácido na forma como Stuart Staples entrelaça as mãos. Como pauta as frases numa expiração pesada. Como olha para a mesa antes de avançar com os movimentos necessários à fala, como se o mundo dependesse desse arrumo. A expiação de uma existência que balança dor e beleza na perfeição é isto, e ele domina-a como ninguém, embebido em letras que são retratos e subindo a palco nesse mesmo ardor, xamânico para uns, alienante para outros.

O tecido dos britânicos Tindersticks depende, aliás, da forma como Staples vai caminhando sobre a corda; não que o talento da banda esteja em causa, não está, e três décadas de trabalho confirmam-no, mas se a melancolia ainda dá de beber a noites mal dormidas, e se a música continua a flutuar nos ouvidos, é certamente porque ele lhe traz o efeito. No Treasure But Hope é o mais recente disco do quinteto, lançado em Novembro como sucessor de The Waiting Room (2016), e trouxe ao de cima toda esta conjugação de idiossincrasias, passíveis de escutar nas letras, nos arranjos.

Não é melhor ou pior, é diferente, virado para uma relação profunda com os companheiros. “Ao escrever as letras, o que procurava era um outro lado, a perspectiva de as abordar como banda. Não estávamos juntos há mais de dois anos e, ao voltarmos a estar, queria pôr a ênfase na relação profunda que temos. A forma como nos entendemos musicalmente, esta força colectiva”, diz-nos Stuart Staples.

O plano passou por desligar do exterior, encurtar distâncias após o pequeno hiato. “Queria fazer algo que fosse humano. Naquela altura parecia uma coisa radical de se fazer.” Gradualmente foram descobrindo as canções. Levaram-nas a Paris para gravar e terminaram-nas como uma progressão natural. “As canções fortes vieram à tona, as mais fracas foram caindo e ficámos com o disco.” As letras foram escritas em Ítaca, na Grécia, e isso, diz, abriu-lhe muitas questões, principalmente sobre o estado de espírito na altura.

Cabe tudo em faixas como “The Amputees” e “Pinky In The Daylight”, esta última com a assinatura de Staples no videoclipe. “A dor é uma coisa à qual nos habituamos, faz parte do nosso quotidiano, enquanto que a ideia de beleza é uma coisa para a qual nunca te sensibilizas verdadeiramente. Isso foi o que tentei passar.” O disco traduz uma verdade universal, de que todos perdemos partes essenciais: uma pessoa, uma relação, a inocência. Razão pela qual o baptizou como No Treasure But Hope. “A pessoa que se agarra à esperança mais tempo é a mais forte. Os esperançosos vencem.”

Na terça-feira, na Aula Magna, tudo isto sobe a palco. No Treasure But Hope chega na crista de uma onda de renovação e crença mas continua acorrentado emocionalmente a tudo o que o passado e o presente têm dentro. Staples diz que não sabe aonde a viagem o vai levar, mas sabe, inequivocamente, que há muito de novos caminhos pela frente. “Estava num lugar solitário criativamente. Voltar à banda é um lugar cheio de amizade, compreensão, fricção criativa. E tudo isso é refrescante. É necessário ter várias experiências. Tens de sentir um desejo de fazer alguma coisa.”

Aula Magna. Ter 21.30. 25-35€

Uma foto da Time Out Magazine

A Time In Portugal já está disponível

Pode ler a última edição no conforto do seu sofá

Ler a revista

Crítica: Tindersticks

"No Treasure But Hope" (City Slang/Popstock)

★★★☆

A primeira canção do disco chama-se “For The Beauty”, mas é à quarta que quase apetece chorar de tanta beleza. “Pinky in the Daylight” é talvez a mais luminosa, esperançosa, amorosa, dengosa – sim, maravilhosa! – canção dos Tindersticks. Tem coros lindos, violinos afinados, pandeiretas ritmadas e até umas leves sonoridades gregas, a evocar os dias, certamente alegres, que Stuart Staples preguiçou a compor na ilha de Ítaca. Depois, como que para garantir o tom romântico da aventura, os dez temas foram gravados, de uma assentada, em Paris. Há aqui canções, como a auto-explicativa “The Amputees”, ou a enganadora “See My Girls”, a atestar que estamos em território de dúvida e angústia, mas “Take Care of Your Dreams” funciona como um sincero incentivo para que deixemos as dores para trás e não temamos olhar a beleza de frente. Em suma, um disco em que damos connosco a cantarolar, talvez dançar, com “Tough Love”, mas que ainda é Tindersticks. É estranho, mas é bom. Manuel Morgado

Mais música

Destroyer
© Ted Bois
Música

Destroyer: “Quanto mais velho fico, mais isolado me sinto”

Dan Bejar é um dos autores mais idiossincráticos da cena indie. Ao longo dos últimos 25 anos, o canadiano lançou mais de uma dezena de álbuns enquanto Destroyer, além de ter escrito algumas das melhores canções de bandas como The New Pornographers ou Swan Lake, com quem tocou em tempos. E se as suas letras são facilmente reconhecíveis, a sua música é camaleónica, parecendo mudar de disco para disco.

Publicidade
Angel Olsen
©DR
Música

Angel Olsen: "Não tenho nada a perder"

“Por esta altura achava que estaria casada, com família, mas vivo sozinha com o meu gato em casa.” Na ressaca de All Mirrors, o quarto disco de originais editado em Outubro passado, é assim que Angel Olsen, de 32 anos, descreve o presente.

Publicidade