Novembro de Lux(o). Oito festas a não perder no Lux em Novembro

Não é que os outros meses, na melhor discoteca lisboeta, sejam maus. Mas o Novembro que se avizinha promete romaria a Santa Apolónia. Eis oito actuações imperdíveis.
Marcel Dettmann 2017 by Sven Marquardt
©Sven Marquardt
Por Miguel Branco |
Publicidade

Novembro é o mês do Movember. Mas é também (coisa que talvez a muitos mais importante) um mês maravilhoso no Luxfrágil. Basta olhar para estes oito nomes - e mais há - para se perceber que vai ser um mês crítico para a carteira. Faça contas. 

Oito actuações imperdíveis no Lux

Recondite (3 de Novembro)

É o delírio dos fanáticos, isto é, quem gosta de techno tem que adorar Recondite. Lorenz Brunner é, seguramente, um dos nomes mais distintos da sua geração, que regressa a Santa Apolónia com direito a ser o curador de uma Green Ray. Ele que já tinha estado presente numa Green Ray a convite dos Âme. Agora traz os seus protegidos (Uchi, Roland Appel, RNDM, Lawrence e Marcus Worgull) e a sonoridade fabril e exploratória dos seus ritmos.

Maya Jane Coles (4 de Novembro)

Maya Jane Coles, é uma londrina carregada de sucesso, que navega num barco de melancolia, entre a house e o techno. Mas não só, quer nos seus sets, quer em estúdio, Jane Coles parece ambicionar terrenos que saltam a cerca da electrónica, numa espécie de abordagem mais pop, sobretudo no que aos vocais diz respeito. Seja o que for, vá por nós, Maya Jane Coles é sempre capaz de criar ambiências imersivas maravilhosas.

Publicidade

Black Balloon Will Tear Us Apart (4 de Novembro)

Ainda nessa noite há um momento triste que devemos celebrar: o fim das festas Black Balloon. O conceito idealizado por Pedro Ramos (jornalista da Radar) tem os dias contados e para a última ceia trouxe TOPS, canadianos donos de uma pop sonhadora e cativante. Isso e os amigos do costume: Benjamim, Capitão Fausto, Cláudia Guerreiro, Dead Combo, Duarte Pinto Coelho, Hélio Morais, Inês Meneses, Joana Bernardo, Mário Valente, Rui Maia, entre outros.

Daphni (11 de Novembro)

Daphni é o alter-ego de cabina de Daniel Victor Snaith, também conhecido como Caribou. Artista brilhante e inquieto, incapaz de estar muito tempo fora de cena. De regresso ao Lux, agora sob o nome de Daphni, onde se atreve por sonoridades mais obscuras, menos melódicas e cantáveis como quando se assume Caribou, só nos pode dar uma noite memorável. O senhor não sabe fazer de outra maneira.

Publicidade

Rødhåd (23 de Novembro)

Cada vez que o alemão mete o pé em Portugal, lá vem o mundo, sedento de techno profundo, agreste e a certa altura da noite quase bárbaro. Mas ninguém se magoa, atenção, é tudo amor, manifestado de uma forma curiosa. A sua label, Dystopian, é uma das editoras com trabalho mais interessante na Europa nos últimos anos.

Levon Vincent (25 de Novembro)

Nasceu no Texas, cresceu em Nova Iorque. E é esta última cidade que transporta na sua música, num feeling de calma-aí, não é preciso partir tudo. É um caudal morno, de bpms médios, entre o deep house e uma espécie de soft-techno, se isso existir. E se foi Nova Iorque que o viu crescer, como homem e músico, é Berlim que o cobre com a manta quando adormece no sofá. É aí que se tem estabelecido nos últimos anos, sempre com passagens por Portugal. Quantas mais melhores.

Publicidade

Marcel Dettmann (30 de Novembro)

O que dizer de Marcel Dettmann? Que é o maior? Sim. Que o queremos sempre cá? Sim. Que vai voltar ao Lux (onde já nos fez tão felizes) em Novembro? Sim. Sim, sim, sim. Um dos grandes heróis do techno actual é um dos residentes do Berghain, já editou na Ostgut Ton (editora do Berghain), já fez tudo. Esperemos que continue a fazer.

Outras paragens nocturnas

voz do operário
©Nuno Agostinho
Noite

Os melhores bares na Graça

Lá de cima, vê-se a cidade como de nenhum outro lugar. Mas nem só de miradouros vive a Graça. Há muita coisa nova a dar nas vistas, mesmo depois do sol se pôr. Descubra os melhores bares na Graça, um bairro cheio de turistas mas que não abdica de ter vida própria. 

Publicidade
Rua Nova do Carvalho à noite
Fotografia: Arlindo Camacho
Noite

Os melhores bares no Cais do Sodré

O difícil no Cais do Sodré é decidir em que modo lhe queremos fazer uma visita. Queremos ver-lhe o rosto pelo almoço, despido de universitários barulhentos? Queremos confrontá-lo já com a luz da lua, entre restaurantes mexicanos e italianos? Não. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com