A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Rua dos Mastros
Francisco Romão PereiraRua dos Mastros

Câmara disponível para discutir pedonalização da rua e travessa dos Mastros

Petição para tirar carros das duas artérias da freguesia da Misericórdia tem 660 assinaturas.

Escrito por
Rute Barbedo
Publicidade

Se na Travessa dos Mastros, junto ao Conde Barão, "não há crianças a brincar nem vizinhos a falar", mas apenas "carros estacionados", na vizinha rua com o mesmo nome, o que existe é "trânsito". É este o retrato que Ksenia Ashrafullina, activista e membro do colectivo Lisboa Possível, faz daquele pequeno enquadramento da cidade. A situação é contestada por 660 pessoas, que assinaram uma petição a favor da pedonalização daquelas duas artérias, caracterizadas por passeios estreitos e onde, enfatiza o colectivo, "circulam carrinhas de entrega, carros, camiões e até autocarros".

Na mais recente reunião pública descentralizada da Câmara Municipal de Lisboa (CML), quarta-feira, 10 de Janeiro, esta vontade popular (de moradores e comerciantes) foi apresentada por Ksenia Ashrafullina e recebida com abertura pela autarquia. "Estamos totalmente abertos para o desafio que aqui trouxe e julgo que a junta da freguesia também estará disponível para considerar a proposta", declarou o vice-presidente da CML, Filipe Anacoreta Correia, classificando ambos os eixos como "ruas extraordinárias, com uma história incrível". O autarca aproveitou, ainda assim, para frisar que qualquer possibilidade de mudança urbanística terá sempre na sua base o "diálogo com a comunidade". "Muitas vezes são os próprios residentes que não têm essa vontade [de pedonalizar], porque, com o fecho das ruas, vêm esplanadas", "barulho" e "incómodo", especificou. 

Grafismo da acção "Com Gente Dentro", a 8 de Julho
DRGrafismo da acção "Com Gente Dentro", a 8 de Julho

Em 2020, a Travessa dos Mastros tornou-se temporariamente pedonal, no âmbito do projecto da CML "A Rua é Sua" e, sublinha-se, em contexto de pandemia. Entretanto, os carros voltaram aos Mastros e, em 2023, nasceu um movimento de defesa da circulação exclusivamente pedonal (e de bicicletas ou outra mobilidade suave, em modo informal) nestas duas artérias da cidade. O colectivo Lisboa Possível juntou-se ao partido Volt (e à força de oito estabelecimentos comerciais) e conseguiu fechar a rua ao trânsito motorizado durante um sábado, o de 8 de Julho, na acção "Com Gente Dentro". Além das esplanadas, houve leituras de poesia, uma mini-feira do livro, folclores e conversas sobre activismo.

Em Setembro, o Lisboa Possível lançou uma petição pela pedonalização da rua e travessa dos Mastros, que ultrapassou, entretanto, as 600 assinaturas. "Há 660 pessoas que querem caminhar, falar, brincar, estar, pedalar, respirar aqui", declarou Ksenia Ashrafullina ao presidente da Câmara e vereadores presentes na reunião de 10 de Janeiro. Aguardam-se desenvolvimentos.

+ Trabalho é "difícil", mas Moedas quer investir mais na limpeza urbana

+ Neste clube do livro partilham-se leituras, mas em silêncio

Últimas notícias

    Publicidade