Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Clube centenário reabriu com nova vida no centro de Lisboa
Notícias / Vida urbana

Clube centenário reabriu com nova vida no centro de Lisboa

sociedade filarmonica joao rodrigues cordeiro
Fotografia: Inês Félix

A última vez que a Sociedade Filarmónica João Rodrigues Cordeiro esteve nas notícias foi no virar da década. Invertemos a tendência.

Sábado foi dia de festa na Rua da Fé. Está de volta a centenária sociedade que nasceu pelas mãos do primeiro mestre de filarmónicas portuguesas, de onde chegou a sair um campeão europeu de luta greco-romana e actores e actrizes para o Parque Mayer. Sim, aqui também se chegou a fazer teatro de revista. E está de volta para todos com ballet, esgrima, danças de salão, boxe, cinema, jogos de mesa, snooker, bailes e tudo. Eis as novas actividades anunciadas após meses de obras de requalificação. As actividades não são exclusivas para sócios, porque a Junta de Freguesia de Santo António deu um valente empurrão ao projecto e assume-se como parceira.

sociedade filarmonica joao rodrigues cordeiro

Fotografia: Inês Félix

O bairro é o de São José, antiga freguesia entalada entre a Colina de Santana e a Avenida da Liberdade. Uma pequena aldeia, ali mesmo ao lado da avenida recheada de Pradas e Louis Vuittons e hoje um espaço very typical onde a comunidade local vai ouvindo os "hellos" e "bonjours" dos vizinhos temporários que ali se instalam para viver like a local. A pressão turística é forte, mas aqui não faz tantas notícias como Alfama ou a Mouraria.

No entanto, entre despejos, fugas de moradores e novas chegadas, uma das artérias de São José voltou a sentir o pulsar de uma das facetas que caracteriza a chamada “vida de bairro” em Lisboa. Aquela das associações culturais e desportivas que tão bem encaixam zonas de convívio alimentadas a matrecos, sueca e boa conversa.

A Sociedade Filarmónica João Rodrigues Cordeiro, nascida em 1896 na Rua da Fé, está mais ou menos morta há duas décadas. A última vez que esteve na ribalta foi à boleia do fecho da Juke Box, noites e mais tarde matinés de rock n’ roll que decorriam aos sábados à tarde e criavam enxaquecas a alguma vizinhança. Até que fechou em 2010.

Há um ano uma nova direcção, formada por gente do bairro, assumiu as rédeas da associação e também a vontade de fazer coisas. O pó começou a sair na última véspera de Santo António quando armaram aqui um belo arraial. E sábado foi anunciada a nova vida, impulsionada por uma preciosa ajuda da Junta de Freguesia de Santo António, que tem como presidente Vasco Morgado, filho do bairro.

sociedade filarmonica joao rodrigues cordeiro

 

Vasco Morgado junto a uma das mesas de jogo restauradas
Fotografia: Inês Félix

 

"O movimento associativo decaiu e as coisas não se reinventaram. Aqui a ideia é aproveitar esta nova direcção e a sua irreverência que nos deixou trabalhar", explica Vasco Morgado. "Eu não tenho espaços para a população", queixa-se o presidente da freguesia com o metro quadrado mais caro do país. Mas com a prata da casa e um bom arquivo de memórias físicas, há um novo espaço para os fregueses. Na sala de entrada há um bar e os clássicos matrecos, à direita uma sala de convívio com uma (boa) televisão, troféus e umas mesas e cadeiras com história (já lá vamos) e à esquerda balneários e uma sala multidisciplinar gigante onde decorrem as actividades. Lá em cima há o projecto Bússola e a Escola de Rock, dedicados aos mais jovens.

E quanto à mobília: as mesas são dos anos 20, da casa, e serviram o jogo ilícito nos loucos anos. Há móveis cedidos pelo Hotel Corinthia e as cadeiras foram resgatadas do Maxime, antes de se transformar em hotel, e ficaram guardadas à espera de uma segunda oportunidade. Um bocadinho como a sociedade do mestre Cordeiro.

+ Conheça os projectos mais verdes do Orçamento Participativo de Lisboa

+ Lisboa recebe quase dez milhões de turistas por ano

Publicidade
Publicidade