A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

CML dá uma volta à gestão dos teatros municipais

Por Miguel Branco
Publicidade

O Maria Matos e o Teatro do Bairro Alto vão ter nova direcção aberta a concurso público. E o Teatro Luís de Camões, na Ajuda, ainda em obras, terá nova vida em Setembro de 2018.

Numa entrevista dada ao jornal Público, a Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa (CML) Catarina Vaz Pinto anunciou uma reestruturação há muito tempo equacionada. Só que a vida dá muitas voltas e impulsionada pela saída de Mark Deputter do Maria Matos e o encerramento do Teatro da Cornucópia, deixando o Teatro do Bairro Alto em aberto, a CML repensou a rede de teatros municipais com o intuito de alargar a oferta cultural no que ao teatro e às artes performativas diz respeito. Os efeitos destas alterações vão ser efectivados no arranque da temporada 2018/19, em Setembro, portanto.

O Maria Matos, que tem programação garantida pela anterior direcção artística até Julho de 2018, vai mudar a sua directriz. Espera-se, através de um concurso público, que a programação tenha espectáculos com “carreiras mais longas e uma maior preocupação de captação de público, para ser rentável”, afirma Catarina Vaz Pinto ao Público, antes de prosseguir: “Toda a exploração do teatro vai ser deixada na mão da entidade que ganhar o concurso (...) queremos vocacioná-lo para teatro de qualidade para grande público – comédia, drama ou teatro musical.”

Para o Teatro do Bairro Alto, que também terá uma direcção artística aberta a concurso, pressupõe-se que venha o teatro e as artes performativas emergentes, à imagem do que já acontecia no Maria Matos e do que acontece em muitas outras casas lisboetas, como o Negócio da ZDB ou o Pólo Cultural das Gaivotas do Teatro Praga.

Aquele que não receberá qualquer concurso público para atribuição de projecto artístico será o renovado Teatro Luís de Camões, que durante muitos anos foi a casa do Belém Clube e que abrirá ao público em Setembro de 2018 com uma missão focada na programação infanto-juvenil. “Vai ter gestão directa da Câmara através da EGEAC, mas aqui achámos que poderíamos não fazer concurso público para dar oportunidade à equipa que tem vindo a desenvolver o projecto no Maria Matos de o fazer crescer.”, explicou na mesma entrevista Catarina Vaz Pinto. Lembremos que Susana Menezes é a actual programadora para crianças e jovens do Maria Matos.

+ Teatro: Peças obrigatórias em Dezembro

Últimas notícias

    Publicidade