A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Fernando Medina
Duarte DragoFernando Medina com um Vhils no seu gabinete

Fernando Medina quer trabalhadores essenciais a viver no centro de Lisboa

Num artigo de opinião publicado no jornal britânico 'The Independent', o presidente da Câmara de Lisboa reforça a vontade de trazer de volta os lisboetas ao coração da cidade.

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

Lisboa já tem em marcha programas municipais em torno da habitação acessível para a classe média. Mas, num artigo de opinião publicado esta semana no jornal britânico The Independent, Fernando Medina diz querer trazer mais lisboetas de volta para o centro da cidade, dando prioridade a funcionários de hospitais e outros trabalhadores essenciais.

O título original do artigo de opinião provocou espanto em Portugal, porque dava a entender que Medina queria acabar de vez com o Airbnb: "Após o coronavírus, Lisboa está a livrar-se do Airbnb e a transformar arrendamentos de férias a curto prazo em casas para trabalhadores-chave". No entanto, o título foi escrito pelos responsáveis editoriais do The Independent e não pelo autarca português. Nesta segunda-feira à tarde, foi corrigido para "Após o coronavírus, Lisboa está a substituir alguns Airbnbs e a transformar arrendamentos de férias em casas para trabalhadores-chave".

A habitação acessível e uma cidade mais verde são duas bandeiras da Câmara Municipal de Lisboa (CML), já hasteadas em programas como A Rua é Sua, que devolve as ruas aos peões; o aumento da Rede Ciclável; o programa Renda Acessível, destinado à classe média; e o Renda Segura, apresentado em Maio. Este programa desafia os proprietários a arrendarem os seus imóveis à CML, que por sua vez os subaluga, promovendo o regresso de imóveis em Alojamento Local (AL) ao mercado de arrendamento.

No artigo de opinião agora publicado, o presidente da CML acrescenta que será dada prioridade a determinadas profissões da cidade, como “funcionários de hospitais, trabalhadores de transportes, professores e milhares de outras pessoas que prestam serviços essenciais. Estamos-nos oferecer pagar aos proprietários para transformar milhares de alugueres de curto prazo em casas de ‘aluguer seguro’ para os principais trabalhadores”, escreve.

“Como muitas cidades, estamos a reavaliar as nossas prioridades pós-pandemia e a colocar no topo da lista os principais trabalhadores que conduziram Lisboa através da crise da Covid-19. Agora é o momento de fazer as coisas de maneira diferente”, defende Fernando Medina.

Mas o turismo não fica na gaveta. "Não significa que não queremos turismo ou que os visitantes retornem a Lisboa o mais rápido possível. É simplesmente hora de fazer as coisas de maneira diferente e os visitantes serão beneficiados. Vão encontrar uma cidade mais limpa, mais verde e viva, em vez de uma que corre o risco de se tornar um bonito museu”, promete o presidente da CML.

+ Leia aqui a revista Time Out Portugal desta semana

+ Lisboa é a cidade preferida pelos turistas para viagens pós-confinamento

+ Parque Mayer vai ter mais um teatro renovado em 2022: avança a reabilitação do Variedades

Últimas notícias

    Publicidade