A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Pátio das Antigas, Lisboa Antigas, Feira de Agosto
©DRFeira de Agosto

O Pátio das Antigas: Uma feira no Marquês

Coisas e loisas da Lisboa de outras eras

Por
Eurico de Barros
Publicidade

No início do século passado, o Marquês de Pombal e o Parque Eduardo VII acolheram a Feira de Agosto, onde havia de tudo, desde cinema e comes e bebes, até fados e luta livre.

Foi no Marquês de Pombal e nos terrenos do Parque Eduardo VII que se realizou durante muitos anos, pelo menos até à década de 30, a meio do Verão, a Feira de Agosto. Era basicamente um parque de diversões onde os alfacinhas se podiam distrair com toda a sorte de divertimentos, e na qual também existiu uma espécie de embrião da futura Feira do Livro, já que chegou nalgumas edições a contar com bancas de venda de livros, novos e usados.

Mesmo que a maioria das barracas fosse de comes e bebes, quem rumasse à Feira de Agosto com outra ideia que não comer (farturas, bacalhauzadas, bifes, iscas com elas, sardinhas assadas, todo o tipo de pastelaria, etc.) e beber (cerveja, vinho, refrigerantes, águas minerais) lá encontraria também sessões de cinema, espectáculos teatrais, revistas à portuguesa (onde actuaram nomes famosos da época, como Júlia Mendes, Ilda Stichini ou Maria Vitória) fados, carrosséis, rodas gigantes, barracas de tiro ao alvo, de arremesso de argolas, de bolas contra latas, tiro aos pombos, demonstrações de luta livre e de ginástica, ou ainda quiosques, alguns dos quais vendiam brinquedos para crianças e bugigangas variadas. E segundo a imprensa de então, não era só o povo que frequentava a Feira de Agosto, pois era também costume as “senhoras da nossa sociedade elegante” marcarem lá rendez-vous, nunca faltando ao dia da inauguração.

Lisboa de outras eras:

+ O Pátio das Antigas: A praia do garrafão

+ O Pátio das Antigas: Os castiços Palhinhas

+ OO Pátio das Antigas: O brilho de A Enceradora

Últimas notícias

    Publicidade