A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Clã, album vespera
©João Octávio PeixotoOs Clã actuam a 4 de Dezembro na Pasteleira

Teatro Maria Matos reabre em Julho

É um dos regressos mais esperados do ano. A pandemia atrasou a abertura, mas o Maria Matos vai finalmente reabrir no próximo mês com teatro, música e solidariedade.

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

A reabertura esteve planeada para Abril, mas foi adiada por força das circunstâncias actuais. Com a lotação temporariamente reduzida, as portas do Teatro Maria Matos abrem oficialmente a 15 de Julho com a reposição do espectáculo Avenida Q, que se apresenta como uma “Rua Sésamo em esteróides”. No dia anterior há uma espécie de aquecimento para a grande abertura, com um ensaio solidário deste espectáculo, pelas 21.00. As receitas desta sessão revertem a favor da União Audiovisual.

As segundas e terças-feiras serão dias de música e estão já programados concertos de Clã (a 20 de Julho), Cabrita (a 3 de Agosto), Afonso Cabral (a 4 de Agosto), Salvador Sobral (a 10 e 11 de Agosto canta Brel e a 24 e 25 de Agosto foca-se no trabalho Paris, Lisboa), Alma Nuestra (a 17 e 18 de Agosto, de Salvador Sobral e Victor Zamora) e o lançamento do projecto Ruge (7 e 8 de Setembro), onde o jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho salta entre a música e a poesia.

A divulgação da programação do novo Teatro Maria Matos veio acompanhada de uma espécie de manifesto da Força de Produção. A empresa, que ganhou o concurso público para a concessão deste teatro alfacinha durante pelo menos cinco anos, promete uma mudança de paradigma. Mantendo o foco no teatro para o grande público, a produtora diz que quer "inverter os números dramáticos que temos hoje e levar regularmente os portugueses às salas".

Aprendermos uns com os outros, numa espécie de contágio entre correntes artísticas, é a vontade produtora que reuniu um conjunto de consultores de peso, como Nuno Rafael, Filipe Melo e Bruno Nogueira, que ficam com a área da programação musical, humor, bem como com a programação alternativa que possa ter lugar em vários espaços do teatro. Alexandra Neves da Silva, da NHEKO, será a curadora do Festival Presente, um evento de dois dias ainda sem data marcada, onde adultos e crianças poderão partilhar experiências entre concertos, workshops, ateliers ou conversas em torno da parentalidade.

A proximidade com a comunidade é um dos objectivos da programação complementar, estando previsto um conjunto de iniciativas desenvolvidas pela Academia de Produtores Culturais. Esta associação cultural sem fins lucrativos vai apresentar um “programa de práticas artísticas e culturais” que inclui, por exemplo, ”acções de formação artística e cultural e iniciativas de envolvimento e participação destinadas a escolas, associações culturais e habitantes da cidade”. Iniciativas que poderão assumir vários formatos, como conversas após o espectáculo, workshops, masterclasses ou ensaios abertos, e às quais se junta uma colaboração permanente com a Orquestra Todos.

O consultor para a programação pedagógica é o coreógrafo e professor Bruno Cochat, que promete dar voz a associações que desenvolvem trabalho nas áreas da Cultura, Pedagogia, Sustentabilidade e Direitos Humanos. O Maestro Cesário Costa é o consultor para a área da música clássica e coordena o projecto Concertos Comentados, uma aposta na música clássica que será apresentada num formato mais "apetecível" ao grande público, num ambiente mais informal e descontraído.

O Teatro Maria Matos lança ainda um desafio a produtores e promotores que precisem de apoio com a iniciativa “Segundas e Terças livres no Maria Matos”, disponibilizando-se para acolher produções e oferecendo 100% da receita de bilheteira aos artistas e respectivas equipas. Uma das salas será ainda cedida a associações que promovam valores como a igualdade, liberdade de pensamento, cruzamento entre as artes, empatia e inclusão, pelos quais se rege a filosofia pedagógica do Maria Matos. O Grupo EducAR – Plataforma de Educadores Antirracistas é o primeiro organismo apoiado pela iniciativa.

A cafetaria não abre nesta primeira fase, mas futuramente estará debaixo dos holofotes, já que também será palco de programação complementar do teatro, ou não se chamasse “Maria vai com todos”. Vai receber jam sessions, sessões de songwriting ou um clube de comédia e na carta vai apresentar produtos de pequenos produtores nacionais. O espaço vai funcionar em parceria com a Lohad, responsável por projectos como o Chefs On Fire.

Os bilhetes para os espectáculos estarão à venda na Ticketline e nos locais habituais, sendo que a bilheteira do teatro abre no dia 14 de Julho.

+ Leia grátis a nova Time In Portugal

+ Teatro do Bairro Alto está a recolher bens alimentares para profissionais do espectáculo e audiovisual

Últimas notícias

    Publicidade