A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
  1. Peixaria Centenária (Peixaria Centenária)
    Peixaria Centenária
  2. Peixaria Centenária (Peixaria Centenária)
    Peixaria Centenária
  3. Peixaria Centenária (Peixaria Centenária)
    Peixaria Centenária
  4. Peixaria Centenária (Peixaria Centenária)
    Peixaria Centenária
  5. Peixaria Centenária (Peixaria Centenária)
    Peixaria Centenária
  6. Peixaria Centenária (Peixaria Centenária)
    Peixaria Centenária
  7. Peixaria Centenária (Peixaria Centenária)
    Peixaria Centenária

A Peixaria Centenária agora serve jantares à sexta: abanca aí, freguês

Ao cair da noite na Peixaria Centenária, o gelo e o peixe fresco são substituídos por uma mesa onde se serve comida caseira de tacho.

Escrito por
Inês Garcia
Publicidade

Sexta-feira, 20.35. Raquel e Natércia, peixeiras, estão de volta da sua banca a guardar o peixe fresco do dia, as espetadas já preparadas, imagem de marca da Peixaria Centenária, ou o marisco, em arcas frigoríficas. A rotina de mais um dia de trabalho nesta peixaria mudou às sextas-feiras: além disto, agora tiram o excesso de gelo de cima da banca de alumínio e tapam-na com um tampo de madeira desdobrável. O novo projecto da Peixaria Centenária, no Príncipe Real, é transformar a banca numa mesa de jantar logo a seguir ao fecho da loja, às sextas-feiras, e servir bons pratos de peixe.

Desde que abriram a Peixaria Centenária, em 2013, que Joana Mateus e Rui Quinta, dois dos sócios, recebem várias chamadas a perguntar se dá para marcar mesa. “É estranho uma peixaria chamar-se peixaria e só vender peixe”, ri-se Joana. Começaram a responder que já não dava, que tinham a lotação esgotada. Cinco anos depois e com uma comunicação particular e muito activa nas redes sociais, resolveram dar resposta aos pedidos e agarrar os fãs que acham graça às postas de pescada lançadas no Facebook mas não são clientes. Chamaram o chef Pedro Marques, fundador do restaurante Entra, em Marvila (que entretanto vendeu), e criaram o conceito “A Banca na Peixaria”. É simples: “jantar peixe em cima da mesma banca que durante o dia vende peixe fresco, com os pratos das nossas avós, bom vinho e boas receitas de peixe, sem serem armadas ao pingarelho”, resume Joana.

Todas as semanas, à sexta-feira (ou conforme o pedido para outro dia,  desde que feito com antecedência), desmontam a banca para transformá-la noutra, com capacidade para oito a dez pessoas. Desligam as luzes (mantém-se só um foco de luz ligado) e criam um ambiente mais intimista e confortável – sem frio ou cheiro a peixe. Os bancos são altos, a loiça é antiga, das avós de Rui. Onde normalmente se amanha o peixe, há um fogão improvisado e um tacho de esmalte antigo, que virá depois para a mesa. É lá que Pedro cozinha. “Não há um menu definido. Ligo para a peixaria para saber o que têm e começo a pensar no que vou fazer. Ainda há bocado estava a olhar para aquele sável que estava na banca e a pensar numa caldeirada ou em fazê-lo frito”, diz. A comida é sempre tradicional portuguesa. “Não há nada muito moderninho, embora haja uma ou outra coisa reinventada”, reforça Joana. 

Andam em testes há um mês e já calhou servirem ostras de entrada, salada de búzios ou uma salada fria de lulas grelhadas, com tomate cherry, azeitonas Kalamata, cebola roxa, salsa e vinagrete de limão. O prato principal é sempre de tacho, reconfortante, do arroz de berbigão à caldeirada. Já experimentaram um caril de peixe mas como não é muito português, riscaram do planeamento mensal. Para jantares de grupo especiais, o menu pode ser adaptado em conversa com o chef, da sardinhada à mariscada.

Às 21.00 começa a chegar a clientela do jantar. Pedro senta-se sempre à mesa, seja com um grupo que já se conhece todo ou, como tem acontecido, perfeitos desconhecidos, que normalmente vão em pares, e “cola aquela gente toda”, explica Joana, que nesta fase inicial também tem sido presença assídua nos jantares. É Pedro, também, que serve todos, e como numa grande família ou na casa das avós, há pratos pelo ar e a passar de mão em mão, e dá para repetir até ver o fundo ao tacho. 

A sobremesa também é clássica, seja um arroz doce ou farófias. No dia em que nos sentámos na banca, houve mousse de chocolate com bocados de bolacha digestiva, uma espécie de salame à colher. É tudo bem regado com vinho branco, escolha do chef. Caso para dizer: abanca aí, ó freguês. 

Praça das Flores, 55 (Príncipe Real). Reservas para jantar: 91 419 9427. A banca do peixe a sério está a funcionar de terça a sábado das 08.30 às 20.30. E agora também têm banca no mercado de Campo de Ourique com peixe fresco entre as 08.00 e as 20.00.

Sentir a maresia em Lisboa

  • Coisas para fazer

Podem meter copos e sushi, podem incluir DJs ou ser mais silenciosos, para observar passarinhos. Podem ser do género turístico, radical, romântico ou familiar. Podem ser quase tudo o que imaginar. Sempre na boa onda, estes são os melhores passeios de barco no rio Tejo. 

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade