As novas gelatarias de 2017 em Lisboa

É fruta ou chocolate? As novas gelatarias em Lisboa em 2017 trouxeram gelateiros italianos e uma boa variedade de sabores
Baguettes & Cornets
Fotografia: Francisco Santos Baguettes & Cornets
Por Catarina Moura |
Publicidade

Cone ou copo? Se é sempre um decisão difícil, nada tema, há novas gelatarias em Lisboa suficientes para poder ir alternando entre um e outro. Recebemos uma mão cheia de gelateiros vindos de Itália, com sabores típicos das terras do gelado, e há novas lojas de nomes que já cativaram os lisboetas no passado. Seja rápido se não quer deixar nada a derreter para as mãos neste roteiro.

As novas gelatarias de 2017 em Lisboa

gelataria versailles
Fotografia: Francisco Santos
Restaurantes

Gelataria Versailles

icon-location-pin Avenidas Novas

Abriu portas no começo de Outubro, quase ao lado da casa-mãe, a histórica pastelaria da Avenida da República, e para além dos gelados tem crepes, bombons e capuccinos para levar para o escritório. Os gelados são artesanais, confeccionados aqui mesmo, com supervisão de Nélson Felix, ambientado ao ramo e formador na Escola de Hotelaria. Há espaço reservado para 16 sabores e "todas as semanas haverá uma inovação".

Beijo na Boca
©DR
Restaurantes, Geladarias

Beijo na Boca

icon-location-pin Cascais

A carrinha que no Verão passado andou a refrescar vários eventos em Cascais ganhou morada fixa e, este ano, todos os que forem à praia do Tamariz, no Estoril, ou à Praia da Conceição, em Cascais, vão cruzar-se com os gelados de pauzinho artesanais da Beijo na Boca. Melancia, morango, manga, goiaba e kiwi são alguns dos sabores mais saudáveis, mas quem procura algo mais do que gelados de fruta fresca e biológica, sem corantes, conservantes ou aditivos, pode lambuzar-se com outras especialidades: o de maracujá com doce de leite, o de açaí com banana e o de caipirinha (novo) deixaram-nos com água na boca. 

Publicidade
Sorbettino gelataria
Fotografia: Francisco Santos
Restaurantes, Geladarias

Sorbettino

icon-location-pin Bairro Alto

A gelataria é ideia de Pedro Simas, um cientista, professor universitário, especialista em virologia e cancro, mas não se vão encontrar vestígios do laboratório lá dentro. Só nos gelados, feitos com atenção ao detalhe, garante. Na lista na parede vai encontrar abacate, toranja e hibisco ou matcha —, cheios de sabor e com consistência sedosa, mas que são demasiado fortes para se comerem sem uma colherada de gelado de baunilha ou limão, em copos ou cones pequenos (2,90€), médios (3,90), ou grandes (5,50€).

Gelatommy
Fotografia: Francisco Santos
Restaurantes, Geladarias

Gelatommy

icon-location-pin Bairro Alto

Há 11 anos na viver na Rua da Rosa, no Bairro Alto, Tomás começou por ter uma loja de roupa, quando chegou de perto de Nápoles, onde cresceu. Agora tem mesmo em frente a Gelatommy. A gelataria ganhou forma depois de várias visitas a Itália para ter aulas sobre o gelado italiano e ganhou nome depois de uma troca de mensagens com os sobrinhos. "Acabou por ficar a coisa mais simples", explica Tomás, "toda a gente me chama Tommy". Este gelateiro que foi criado a doces, diz, faz agora a fantasia siciliana, um gelado de pistachio e amêndoa, o gelado de tiramisu, o bacio, de chocolate e avelã, a panna cotta, e o pastel de nata, de que criou a receita (a partir de 2,50€). Se quiser ir ao limite da gulodice é pedir um brioche gelato, uma sandes típica da Sicilia: brioche cortado ao meio e recheado com gelado (3,50€). Não se esqueça de tirar uns minutos para contemplar o chão, a imitar azulejo, tudo pensado por Tomás. "É mais fotografado do que a própria loja".

Publicidade
LucDuc
©Francisco Santos
Restaurantes, Geladarias

LucDuc

icon-location-pin Campolide

Luciano e Luc queriam mudar de vida e a escolha foi Lisboa e os gelados. Vieram do Norte de Itália para abrir uma gelataria em Campolide onde agora se comem sabores italianos como o crocantino, bacio, pistachio da Sicilia ou avelã de Piemonte. No Inverno prometem chocolate quente, tiramisu e panna cotta, mas os gelados, com ou sem lactose, são para vender com "o bom tempo de Lisboa o ano inteiro", diz Luciano.

Restaurantes, Geladarias

Gelato Davvero na Mouraria

icon-location-pin Castelo de São Jorge

A gelataria que habituou os lisboetas a parar pela Praça de São Paulo, no Cais Sodré, para um geladinho italiano, abriu em Junho de 2017 na Mouraria e não mudou nada à receita original lançada pelos amigos Riccardo e Filippo. Cones continua a haver muitos: o piccolino (1,50€), o piccolo (2€), o médio (2,50€), o grande (3,50€), o grandíssimo (4,50€) – pausa para ganhar fôlego –,  o vegan (médio 2,75€) e o que não tem glúten (piccolo 2,30€). A quantidade de sabores que junta fica a seu critério: podem ser dois, três ou até quatro (eh, guloso!) e pode ainda optar por natas frescas por cima, sem ter que pagar nada extra.

Publicidade
Hey Mate
©DR
Restaurantes, Geladarias

Hey Mate

icon-location-pin Cascais

É o último grito do foodporn e depois de conquistar cidades como Londres e Nova Iorque, chega a Cascais. Os amigos António Dias (ex-consultor informático) e Ricardo Paulos (ex-contabilista) descobriram os gelados de rolinhos tailandeses pela primeira vez nas ilhas Gilli. Agora servem-nos na HeyMate, na Casa da Guia, com sabores como morango com suspiro, explosão de chocolates (engorda só de ler: nutella e oreo), pastel de nata, bola de Berlim ou limão com chocolate branco. Preparados na hora à frente do cliente, numa placa gelada a -20 ºC onde se misturam os ingredientes, não devem ser ingeridos sem antes serem partilhados nas redes sociais. #foodporn #instafood #yolo 

gelataria mamma mia
Fotografia: Francisco Santos
Restaurantes, Geladarias

Mamma Mia

icon-location-pin Lisboa

Natale Tassitani nasceu e cresceu em Itália, mas só em adulto provou um gelado que o convenceu. Aprendeu a fazê-lo, fixou-se em Lisboa e abriu uma gelataria pequenina "com sabores simples e preços populares", diz. No Verão a aposta é nos sabores de fruta com matéria-prima vinda da Maçã de Adão, frutaria do bairro, com quem já fez amizade. Há ainda o sabor de arroz doce, que criou quando chegou a Portugal, e vão aparecendo sabores italianos como o tiramisu — tudo em copos e cones de dois sabores (2€) ou três (3€).  

Publicidade
Restaurantes, Padarias

Baguettes & Cornets

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Há muito pão nesta casa nova em São Bento, é certo, mas também há muito gelado. São da marca Glaces des Alpes e por enquanto há 40 sabores, entre eles o de hibisco vermelho com maracujá e banana, lichia, kumquat, creme catalão ou vinho do Porto, numa parceria com a marca Porto Cruz (há a versão Porto 10 anos e a de vinho do Porto branco com infusão de alecrim e limão). Com a mudança de estação, entre Setembro e Outubro, chegarão os sabores salgados, como pimenta de sichuan, cogumelos, queijo de cabra, espargos verdes ou até cerveja.

pascoalini
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Geladarias

Pascoalini

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

A geladaria Pascoalini ganhou fama em Santarém graças aos seus sabores a doces tradicionais ribatejanos . Em Maio de 2017 chegou a Lisboa para dar a provar o seu gelado de pampilho, de celestes, um doce conventual à base de ovos e amêndoa, ou de mousse de chocolate com arrepiado, típico de Almoster. A geladaria só tem balcão, é pegar e andar, e terá todos os dias 18 sabores. Destes, oito são fixos: os incontornáveis morango, chocolate e baunilha estarão sempre lá, assim como os sabores do Ribatejo que se tornaram cartão de visita da marca. Há 10 sempre a rodar, também de acordo com a época do ano.

Sabores de Verão

salada de cuscuz com cogumelos e lulas na brasa
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Sete novas saladas em Lisboa que vale a pena provar

O calor pede refeições leves, mas não têm de ser só saladas sensaboronas. Podem ser bem encorpadas, com caranguejo do Alasca, lulas na brasa ou frango à tailandesa, e com temperos mais ou menos exóticos. Descubra sete novas saladas em Lisboa.

Publicidade
Lisboa Rio - Camarões grelhados com citrinos
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Petiscos

Novos petiscos em Lisboa para o Verão

Uma mesa portuguesa está sempre cheia. Do princípio ao fim da refeição. O pão do couvert pode ainda servir para afogar num molho, o resto da entrada que sobra vai casar bem com o acompanhamento do prato principal e, face à pergunta “quer que tire?”, vai-se respondendo “não, deixe estar”. Isso criou em nós o hábito do petisco, sem nunca estranharmos a quantidade de sabores experimentados em simultâneo. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com