Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Estrelas Michelin: Ljubomir Stanisic e Eneko Atxa dão mais brilho a Lisboa

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Ljubomir Stanisic
Fotografia: Arlindo Camacho Ljubomir venceu a primeira estrela para o 100 Maneiras

Estrelas Michelin: Ljubomir Stanisic e Eneko Atxa dão mais brilho a Lisboa

Em 2020, Portugal ganhou mais duas estrelas Michelin, ambas em Lisboa e entregues a chefs estrangeiros em diferentes fases de carreira: Ljubomir Stanisic e Eneko Atxa.

Por Sebastião Almeida
Publicidade

Num ano extraordinário como o de 2020, a restauração mergulhou numa longa travessia do deserto. Os clientes escasseiam, as dívidas acumulam-se e alguns restaurantes não têm outra alternativa senão encerrar. Mesmo no universo da alta-cozinha, normalmente imune a crises, sofre-se na pele o impacto de uma pandemia que continua a virar o mundo do avesso. No meio de toda esta loucura, o prémio gastronómico com maior relevância no meio acabou mesmo por acontecer. O Guia Michelin para Portugal e Espanha foi conhecido há dias mas, ao contrário de edições anteriores, as novidades para o nosso país são modestas. Ljubomir Stanisic, 42 anos, é agora dono de uma estrela entregue ao seu 100 Maneiras, no Bairro Alto; a outra foi morar para Alcântara, no Eneko Lisboa, restaurante de Eneko Atxa, chef basco de 43 anos com seis insígnias douradas no currículo. E de que são feitos, afinal, estes cozinheiros que voltam a reforçar a posição de Portugal como um destino gastronómico? 

“Já o conhecia de nome e da fama que tinha, de ser duro na cozinha”, começa por recordar Vítor Adão sobre Stanisic. O chef do Plano, na Graça, foi o seu braço-direito durante vários anos, mas o primeiro dia em que partilhou uma cozinha com o bósnio continua-lhe bem vivo na memória. “No primeiro dia em que trabalhei com ele, pediu-me para fazer umas receitas que deixou num papel e saiu. Quando voltou, disse que podia despedir-me. Perguntei se tinha feito algo de errado, e ele disse-me: ‘Fizeste, foste o gajo mais organizado que já vi. Numa hora fizeste estes pratos todos por isso podes despedir-te do teu trabalho’. Foi assim que comecei no Six Senses, no dia em que fazia 26 anos.”

Ao lado de Ljubomir viveu intensamente. “Foi uma loucura. Dávamos 120, 140 jantares por dia no Bistrô, na altura. E ele muitas vezes cozinhava tanto como nós. Fizemos viagens incríveis: fomos a Barcelona, a Bilbao, a Helsínquia. Sempre a comer e a descobrir. Foi uma época muito boa”, resume Adão. Mas os caminhos separaram-se. “Acompanhei o projecto do 100 Maneiras e quando fui lá jantar consegui rever-me um bocadinho em certos elementos. É muito bom sentir que deixas um pouco de ti nos projectos por onde passas. A equipa é incrível, o serviço foi pensado ao detalhe, o espaço é brutal”. E é  por isso que Vítor Adão não hesita em afirmar que a “estrela é mais do que merecida”.

Restaurante cheio agora, mas e depois?

Depois de reabrir há ano e meio o 100 Maneiras, na porta ao lado do original, Ljubomir não pode dizer que a estrela fosse algo que não estivesse à espera. “Soube-me bem o reconhecimento, não posso mentir. Foda-se, finalmente uma boa notícia este ano”, assume o chef à Time Out, sobre o que sentiu quando soube da vitória. Não foi uma distinção que procurasse muito, mas sabe que o trabalho, desde que abriram em Março de 2019, “foi sempre a um alto nível, o mais elevado possível”. A vida, conta o chef, encarregou-se de lhe mostrar que não vale a pena cozinhar para o reconhecimento, mas sim para agradar aos clientes.

E o que muda uma Michelin, perguntamos-lhe. Nada, ou quase nada, responde. “A única coisa que a estrela me trouxe foi uma grande ressaca e dor de cabeça no dia seguinte. Para já. Trouxe também uma certa reputação. Neste ano de merda, foi genial, foi óptimo, mas não sei o que vai mudar”, diz. O restaurante está cheio para os próximos dias, mas o que acontecerá em Janeiro e Fevereiro, “quando deixar de ser notícia?”, pergunta-se. Não vai aumentar preços. A equipa vai continuar o trabalho, mas Ljubomir é da opinião que “vão entrar os piores tempos de sempre”. “No próximo trimestre vai falir tanta coisa. Vai fechar tanto restaurante que é surreal”, diz convicto. 

A última machadada foi o recuo do Governo em relação aos horários da véspera de Ano Novo. “Tinha os dois restaurantes cheios. Passaram paras as 22.30 e toda a gente desmarcou. Isto caiu que nem uma bomba. Tenho produtos no congelador e vou ter que os oferecer a uma associação de solidariedade porque senão vai tudo para o lixo”. O chef diz estar-se a endividar constantemente. “Vamos lá ver até quando me vou aguentar. Eu e todos os outros”. E deixa o aviso: se o Governo não olhar para a restauração como um sector que investiu tanto no país, “vamos todos ao chão.” Para o chef que este ano já fez uma greve de fome e subiu a um palanque em frente à Assembleia da República, “a política é fria e olha para o seu umbigo”. Os dias de greve em São Bento foram “ a maior estupidez humana”, reconhece. “É muito estúpido um gajo passar fome, mas foi o último recurso de chamada de atenção”. Se o reconhecimento neste ano tem um sabor agridoce, isso não sabe responder. “Não sei como é o meu amanhã”, diz, mas de uma coisa está seguro – deu tudo e já não está para lutar. “Dei a minha saúde, é preciso as pessoas unirem-se, lutar pelo mesmo caminho”. E é peremptório ao afirmar que “é isso que não está a acontecer”.

Sensibilidade e humildade

É sempre difícil sintetizar uma pessoa em poucas palavras. Quem o diz é João Wengorovius, ávido gastrónomo e conhecedor da cozinha praticada por Eneko Atxa. Wengorovius, que tem dedicado os últimos anos a correr o mundo com o objectivo de conhecer e de comer em alguns dos  melhores restaurantes, lançou em 2018 o livro We Chefs – um trabalho que pretende mostrar a dimensão mais profunda de 21 dos melhores chefs do mundo e como estes não são apenas cozinheiros, mas artistas empreendedores e criativos. Foi numa dessas incursões gastronómicas que se cruzou com Eneko e foi também por esse motivo que lhe pedimos que nos falasse do chef basco e do que é a experiência de se sentar à mesa de um dos seus restaurantes.

“É uma pessoa de uma enorme sensibilidade e de uma grande humildade”, resume. Foram essas as sensações com que ficou ao privar com Eneko. Mas é a partir da experiência nos restaurantes que também fala de alguém “muito preocupado com o seu entorno e com uma grande preocupação com o cliente”. Uma das características que mais o impressionou ao comer no Azurmendi (em Labarretzu) e no restaurante de Lisboa foi, talvez, a forma como a sustentabilidade e o seu impacto é posta em prática. “Há uma harmonia e fluidez”. As pessoas gostam de trabalhar com ele, diz. “Há mais chefs que o fazem, mas é um dom saber mobilizar pessoas”, acredita. Além da componente mais humana do ofício, o gastrónomo não deixa de elogiar a preocupação com “o texto” nos menus e a busca incessante de “ingredientes loucos”.

Será que em Portugal falta alguém com esse perfil – um dado que explicaria, em parte, a superioridade espanhola no guia? Wengorovius acredita que se trata apenas de “uma questão de escala, de maturidade, de investimento, de explicação e de percurso”. Espanha é um país com uma tradição forte na alta-cozinha e Portugal aparece como um país mais pequeno. É bom ter a mesma bitola dos espanhóis, mas para isso defende que poderia haver mais inspectores portugueses – acredita-se que haja apenas um.

“A estrela tem de ser a consequência de um trabalho bem feito”

O objectivo de abrir o Eneko em Lisboa foi “satisfazer cada um dos clientes que chegam ao restaurante”, refere o chef basco num email enviado à Time Out. Para Eneko, não há dúvidas acerca do valor do trabalho exaustivo dos inspectores, ainda que a questão sobre se há uma desconsideração em relação aos restaurantes portugueses seja “um tema muito difícil de analisar”. 

Inaugurado em 2019 e com reabertura prevista para Março do próximo ano, o restaurante lisboeta é a prova de que “a estrela tem de ser sempre uma consequência de um trabalho bem feito”. Num ano tão improvável quanto problemático, o chef basco reconhece que a insígnia dourada do guia de pneus “é um foco de atracção para um público aficionado da gastronomia” – e que isso é muito importante no contexto actual.

+ O renascimento do 100 Maneiras

Três perguntas a Ángel Pardo-Castro, responsável de comunicação do Guia Michelin Espanha & Portugal

De que forma a pandemia afectou as avaliações dos inspectores?

Quando a pandemia começou, os inspectores já tinham 60% do trabalho realizado. Durante os meses de confinamento, trocaram relatórios e avaliações e prepararam o regresso, ligando para os estabelecimentos para saber o horário de funcionamento, restrições. Voltaram ao trabalho a 22 de Junho. Foi uma tarefa muito complicada, adaptar-se às particularidades de cada área. [Os inspectores] têm trabalhado incansavelmente para poder visitar todos os estabelecimentos com a frequência necessária, para uma decisão justa e colegiada. Tiveram o apoio de colegas europeus. Foi um esforço titânico.

Na presente edição, Portugal ganhou apenas duas estrelas. O que motivou esta decisão? Falta qualidade aos restaurantes portugueses?

Foi um ano muito difícil para a restauração. O confinamento e as restrições de mobilidade e horários penalizaram fortemente o sector. Este ano, além das duas estrelas Michelin, houve importantes adições nas categorias Bib Gourmand e Prato. Há muito talento na gastronomia portuguesa, o que sem dúvida dará frutos nas próximas edições.

Publicidade

A atribuição de estrelas verdes é um compromisso com a sustentabilidade, mas as 13 estrelas foram todas entregues a restaurantes espanhóis. Não encontraram opções válidas em Portugal?

A estrela verde é uma distinção para os restaurantes comprometidos com a sustentabilidade e o meio ambiente nas suas diferentes áreas. Os inspectores,nas suas visitas, não conseguem perceber totalmente este compromisso. Depende também do que os estabelecimentos comunicam ao guia. Isto é um começo. Queremos motivar o restaurante a contar-nos sobre todas as suas iniciativas. É uma distinção que, sem dúvida, crescerá nos próximos anos.

Os restaurantes com estrela Michelin

Fifty Seconds
©Manuel Manso

Restaurantes com estrela Michelin em Lisboa

Restaurantes Haute cuisine

Para 2021, um ano como nenhum outro, o Guia Michelin atribuiu mais duas estrelas Michelin aos restaurantes portugueses. As restantes mantiveram-se, à excepção do encerrado São Gabriel. Numa noite de Dezembro morna para a gastronomia nacional, os restaurantes lisboetas foram os que saíram a ganhar, com o 100 Maneiras, de Ljubomir Stanisic, e o Eneko, de Eneko Atxa, a verem-lhes chegar a primeira estrela. No total há agora 12 restaurantes na grande Lisboa que podem, com orgulho, ostentar a estrela do mais importante guia gastronómico do mundo. Dá para correr a cidade toda, do centro a Cascais, ainda dando um saltinho a Sintra, ou fazer uma caminhada mais amiga e ficar-se apenas pelo Chiado, agora considerado como o centro da alta gastronomia em Lisboa. Abra o mapa da cidade, guarde uns trocos e marque os pontos desta lista.

Loco 147
Fotografia: Manuel Manso

Roteiro dos restaurantes com estrela Michelin em Portugal

Restaurantes Haute cuisine

O Guia Michelin Espanha & Portugal para 2021, revelado em Madrid, na Real Casa de Correos, deu apenas duas novas estrelas aos restaurantes portugueses. Os premiados foram o 100 Maneiras de Ljubomir Stanisic e o Eneko de Eneko Atxa, que tem como chef executivo Luís Bernardes. Mas pelo menos foi um ano sem baixas.

A equipa do guia ibérico tem cerca de uma dúzia de inspectores, sempre anónimos, portugueses e espanhóis. A avaliação aos restaurantes é feita com base em cinco factores primordiais: a selecção dos produtos, a criatividade e apresentação, o domínio do ponto de cozedura e dos sabores, a relação qualidade/preço e, por fim, a consistência. Este ano, contudo, fruto do período conturbado, as avaliações foram mais flexíveis.

Abra os cordões à bolsa (ou faça um pé de meia) mas não se perca nesta constelação. Estes são os restaurantes com estrela Michelin em Portugal.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade