Exposições a não perder este Verão em Lisboa

Da fotografia à pintura, mergulhe na arte este Verão e não falte a estas exposições em Lisboa até Setembro
©Luisa Ferreira Futuros de Lisboa
Publicidade

O calor é bom, e desta vez tardou em chegar. Já boas exposições nunca são de mais, com o bónus de terem sempre aquele ar condicionado indispensável à conservação das obras de arte, sempre numa temperatura amena ideal. Se é fã de fotografia, de pintura ou de bustos fique a saber que pode contar com cada um desses elementos nesta lista de exposições para ver durante o Verão. 

Para não morrer de insolação (até porque os musues estão bem frescos) e para se inundar de arte, estas são as exposições que não pode perder este Verão em Lisboa. Comece já a tratar desta check list.

Recomendado: As exposições que não pode perder este fim-de-semana

Exposições a não perder este Verão em Lisboa

1
do tirar polo natural
Arte

Do Tirar Polo Natural

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos
icon-calendar

A grande exposição de Verão do MNAA reúne cerca de 200 obras, das mais variadas disciplinas artísticas, uma vez que cruza épocas históricas distintas sem qualquer organização por estilos. “Do Tirar Polo Natural” propõe uma montagem determinada por um olhar contemporâneo sobre a história do género. Acaba por ser uma exposição-ensaio, um inquérito sobre o poder do retrato, uma reflexão sobre a representação e o “tirar polo natural” – tal como definiu, no século XVI, Francisco de Holanda, o primeiro teórico do retrato europeu. Lado a lado, e frente a frente, vão estar obras de José de Almada Negreiros, Paula Rego, José Malhoa, Júlio Pomar, Susana Mendes Silva, Pedro Cabrita Reis, Alexandre O’Neill e Amadeo de Souza-Cardoso. 

2
germinal, maat
Arte

Germinal. O núcleo Cabrita Reis na colecção de Arte da Fundação EDP

icon-location-pin Belém
icon-calendar

Depois de uma primeira apresentação na Galeria Municipal do Porto, o núcleo Cabrita Reis adquirido pela Fundação EDP apresenta-se em exposição no MAAT. “Germinal” fala e mostra as origens, numa reflexão sobre os momentos iniciais e originários das carreiras de artistas nacionais – característica essa que deu origem ao título da exposição – e cujos percursos têm vindo a afirmar-se ao longo do tempo.

Publicidade
3
kennedy years
Arte

The Kennedy Years

icon-location-pin Chiado
icon-calendar

Mais de dois anos e 160 fotografias depois, Frédéric Lecomte-Dieu apresenta em Lisboa, no Hotel Le Consulat, a exposição “The Kennedy Years”, uma mostra de imagens da família Kennedy do acervo do Museu JFK em Boston acompanhadas de histórias inéditas. Além das fotografias, fazem parte da exposição a única cópia do vestido de casamento de Jacqueline Kennedy, cuja confeção exigiu mais de seis meses e quatro quilómetros de linhas, e a cadeira de baloiço do Presidente John F. Kennedy. Das mais de cem imagens, muitas delas são momentos de John F. Kennedy com os seus filhos, que ocupam uma generosa fatia da história, assim como aquelas em que partilha a vida social com a mulher Jackie Kennedy. Tudo culmina numa série de imagens dos momentos antes de morrer e os meses seguintes, incluindo o último dia de Jackie na Casa Branca. 

4
Nascer do sol vista de rio Tejo
Fotografia: Ana Luzia
Coisas para fazer, Exposições

Futuros de Lisboa

icon-location-pin Santa Maria Maior
icon-calendar

O nome avança quase tudo, em tempos de mudanças aceleradas e profundas. O Museu de Lisboa planeia assim para Julho uma mostra que conjuga três elementos: Lisboa, Cidade e Futuro. “Futuros de Lisboa” ocupará dois pisos do Torreão Poente da Praça do Comércio até Novembro, e às perspectivas dos comissários, João Seixas, Manuel Graça Dias e Sofia Guedes Vaz, juntam-se as reflexões de diversos especialistas. E todos os cidadãos, lisboetas e do mundo inteiro, que foram chamados a contribuir.

Publicidade
5
Pós-Pop. Fora do lugar-comum, gulbenkian
@Carlos Azevedo
Arte

Pós-pop. Fora do lugar-comum

icon-location-pin São Sebastião
icon-calendar

Até 10 de Setembro, a Galeria Principal da Gulbenkian despe-se dos clássicos para receber “Pós-pop. Fora do lugar-comum”, uma exposição com curadoria de Ana Vasconcelos e Patrícia Rosas, dedicada aos desvios do movimento Pop Art em Portugal e Inglaterra. Uma exposição que lança um olhar renovado sobre os anos 1965 a 1975 e nos revela como a Pop Art foi espelho de uma época culturalmente fervilhante. São mais de duas centenas de obras de artistas como Teresa Magalhães, Ruy Leitão, João Cutileiro, José de Guimarães, Bernard Cohen, Allen Jones ou Jeremy Moon. Gente que, além de ter saído do tal lugar comum, impregnou cada obra sua de um pensamento interventivo, remetendo para os primeiros ensaios da arte conceptual sem abandonar a vontade de comunicação que está na origem da pop.  

6
lisboa, cidade triste e alegre
Arte, Fotografia

Lisboa, Cidade Triste e Alegre: Arquitectura de Um Livro

icon-location-pin Campo Grande/Entrecampos/Alvalade
icon-calendar

"Lisboa, Cidade Triste e Alegre" é um objecto de culto, considerado o melhor foto-livro português. Agora, o Museu de Lisboa dedica uma exposição a este poema gráfico criado pelos arquitectos Victor Palla e Costa Martins ao longo de três anos no final da década de 50. Ao longo de várias salas é apresentado um olhar mais aprofundado da obra numa exposição comissariada por Rita Palla Aragão.

Publicidade
7
na rota das catedrais
©Arlindo Homem
Arte

A Rota das Catedrais

icon-location-pin Ajuda
icon-calendar

São mais de 100 peças que viajaram das catedrais do país até ao Palácio Nacional da Ajuda para a exposição de Verão. O projecto Rota das Catedrais começou em 2009, com um acordo de cooperação entre o Ministério da Cultura e a Conferência Episcopal Portuguesa, e culmina agora nesta reunião de arte sacra, onde se encontram peças do século XVII – a mais antiga vem da Sé de Lisboa – ou uma Pietá de 2012, a mais recente. Descubra desde as peças mais tradicionais às mais invulgares que normalmente estão longe da vista dos curiosos. 

8
Um Realismo Necessário
Coisas para fazer

Um Realismo Necessário

icon-location-pin Chiado
icon-calendar

Com o seu acervo de arte contemporânea, o Museu do Chiado mostra uma reunião de trabalhos de José Pedro Cortes, que trabalhou sobre a forma complexa como um corpo aparece numa imagem fotográfica.

Publicidade
9
paula rego, Contos Tradicionais e Contos de Fadas
Arte

Contos Tradicionais e Contos de Fadas

icon-location-pin Cascais
icon-calendar

Criações dos anos 60 e até um trabalho inédito produzido em 2017, que será revelado pela primeira vez, tendo como referência literária a Condessa de Ségur. No total, mais de uma centena de desenhos e pinturas de Paula Rego compõem estes "Contos Tradicionais e Contos de Fadas", inspirados nestes enredos intemporais. A mostra está patente na Casa das Histórias, em Cascais, e pode ser vista até 30 de Setembro.

Verão em Lisboa

Okah
Duarte Drago
Coisas para fazer

Os melhores sítios para beber um copo ao fim do dia em Lisboa

Os dias grandes, as filas pequenas, o trânsito mais manso e as principais vias desimpedidas de Agosto transmitem um sinal a todos os lisboetas: não faz qualquer sentido ir directo do trabalho para casa. Se não foi de férias nem anda a aproveitar uma das melhores praias de Portugal, damos-lhe 42 razões para adiar o jantar e aproveitar o Verão na cidade, ao ar livre e sempre com um copo cheio à frente. 

praia-sea salt and pepper
Fotografia: Arlindo Camacho
Coisas para fazer

O melhor do Verão em Lisboa

Este ano ele armou-se em difícil, não dando sinais de vida mesmo até ao fim da Primavera. Mas ei-lo. Chegou o Verão. E, com ele as esplanadas, os caracóis e a sardinha assada, os fatos-de-banho, os festivais e o cinema ao ar livre. Não sabe o que vestir, onde ir ou o que fazer? Não se preocupe – nós damos uma ajuda. Renove o guarda-roupa, refresque-se com o que de melhor se faz nos bares e aproveite os espaços verdes para se estender e relaxar. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com