Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Portefólio: em busca das histórias que ficaram esquecidas no Interior

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Interior1/10
Ricardo Lopes
Interior2/10
Ricardo Lopes
Interior3/10
Ricardo Lopes
Interior4/10
Ricardo Lopes
Interior5/10
Ricardo Lopes
Interior6/10
Ricardo Lopes
Interior7/10
Ricardo Lopes
Interior8/10
Ricardo Lopes
Interior9/10
Ricardo Lopes
Interior10/10
Ricardo Lopes

Portefólio: em busca das histórias que ficaram esquecidas no Interior

Ricardo Lopes percorreu o centro do país de autocaravana, à procura de ouvir as histórias de quem ficou esquecido. O fotógrafo de ‘Interior’ mostra o que há para lá do ambiente urbano.

Por Sebastião Almeida
Publicidade

Vila Cã, perto de Abiul, em Pombal, é uma das muitas terras do país cuja existência apenas se torna evidente quando dela se fala. De outra forma, permaneceria intocada, num silêncio apenas quebrado pelos cerca de mil habitantes que lhe dão vida. As raízes da família de Ricardo Lopes, fotógrafo de 29 anos, estão lá. Foi nessa terra que os avós fizeram vida, que o pai e os tios cresceram, para já mais velhos deixarem a aldeia da infância à procura do bulício da cidade e de uma vida melhor.

O abandono a que esta pequena povoação foi votada no decorrer dos anos foi o ponto de partida para Interior, um projecto que procura documentar as gentes que habitam o interior de Portugal. Ao longo de três meses, em 2019, o fotógrafo viajou de autocaravana por Pombal, Ferreira do Zêzere, Figueiró dos Vinhos e Coimbra, à procura de uma população envelhecida e de um exôdo rural do qual faz parte.

“Estamos a falar de uma zona muito envelhecida, muito despovoada, em parte porque alguns emigram e nunca mais voltam, ou regressam sazonalmente”, conta à Time Out por telefone. Quando se tentava aproximar de quem encontrava, via-lhes o medo e a desconfiança no rosto. “Muitas vezes só queria conversar e as pessoas tinham medo de mim. Quando vêem alguém de fora sentem-se vulneráveis, porque estão ali no meio, como que esquecidos por todos.”

Ricardo olha para o problema da desertificação de uma forma simples, quase como se se tratasse de um círculo vicioso. “Se não há pessoas, não há oportunidades de desenvolvimento. Como não há oportunidades de desenvolvimento, tentam sair de lá mais rapidamente”. Mas a sua dimensão é muito mais complexa. Quando fotografava os desconhecidos que abordava à beira da estrada, enquanto trabalhavam os campos, ou nos pacatos cafés que ali assumem importância de assembleia, perguntava-lhes o que havia mudado nos últimos tempos, como tinham sido as vidas deles enquanto cresciam.

“Estas pessoas sentem alguma solidão. As coisas por que trabalharam ao lavrar os campos, as famílias que lutaram para construir, resultaram, de certa forma, infrutíferas”. As parcelas de terreno estão agora ao abandono. Aos que ficaram, falta-lhes a força para arear os campos. “Há uma certa nostalgia nestas pessoas”, diz. “Reconhecem que há melhores condições de saúde, de educação, mas sabem que, apesar de mais dura, antes a vida era mais descomplicada”.

Trabalhava-se, juntava-se dinheiro e comprava-se um terreno. Construía-se uma casa, tinham-se filhos e uma herança para deixar. “A subsistência estava, por assim dizer, garantida”, exemplifica. “Mas agora há só desilusão. Têm as casas, os terrenos cheios de mato, e os filhos e netos não vão viver na casa que foi construída para a família. É como se a linhagem acabasse ali.”

Mais do que um retrato de uma pequena área geográfica, o fotógrafo gostaria de alargar os horizontes e de ter a mesmo abordagem em relação ao que se está a passar no Alentejo, na zona raiana, no Minho. “Quero continuar à procura dos últimos testemunhos de uma memória e de um saber popular, para que seja um retrato abrangente do país”. Porque o tempo continua a passar e um dia “tudo será uma memória distante”.

Mais fotografia

Interior
Ricardo Lopes

Portefólio: em busca das histórias que ficaram esquecidas no Interior

Arte Fotografia

Vila Cã, perto de Abiul, em Pombal, é uma das muitas terras do país cuja existência apenas se torna evidente quando dela se fala. De outra forma, permaneceria intocada, num silêncio apenas quebrado pelos cerca de mil habitantes que lhe dão vida. As raízes da família de Ricardo Lopes, fotógrafo de 29 anos, estão lá. Foi nessa terra que os avós fizeram vida, que o pai e os tios cresceram, para já mais velhos deixarem a aldeia da infância à procura do bulício da cidade e de uma vida melhor.

Publicidade
The Yellow Jackets, Fotografia, Show Must Go On
©The Yellow Jackets

Portefólio: os casacos amarelos de Ivy e Athon

Arte Fotografia

Foi um casaco amarelo herdado que lhes fez ganhar o nome, mas foi o gosto pelo desconhecido que os aproximou. Ivy e Athon, nomes fictícios, são os rostos (ocultos) por detrás dos The Yellow Jackets, um casal português “na casa dos trintas”, que viaja por Portugal e pelo mundo com o objectivo de explorar e fotografar edifícios abandonados. “Por ironia do destino”, contam à Time Out, pouco tempo depois de começarem a usar o anoraque amarelo do pai de Athon, depararam-se com outro idêntico e em mau estado, num dos locais que visitaram. 

Amar a Mar Batido
Nuno Miguel Dias

Portefólio: Fonte da Telha, um “lugar quase impossível”

Arte

É fácil esquecer que a Fonte da Telha não é apenas uma praia. Durante os meses de calor, os lisboetas agarram nos carros, entopem a 25 de Abril numa torreira de sol e monóxido de carbono, e vão desaguando ao longo da linha de praias da Costa da Caparica. A Fonte da Telha é a última, já partilhada pelos concelhos de Almada e Sesimbra, tão extensa e bonita que se tornou destino de muitos, muitos veraneantes. Tantos que a preocupação à chegada passa mais por encontrar um lugar de estacionamento, um sítio para a toalha e o guarda-sol, do que em olhar ao redor. O que não se vê a partir deste frenesim do descanso é uma comunidade piscatória com “uma pulsão muito própria”. O fotógrafo Nuno Miguel Dias mostra-nos como se vive na Fonte da Telha nos outros noves meses do ano.

Publicidade
Portefolio Miguel Madeira
Miguel Madeira

Portefólio: a vida e obra de Miguel Madeira

Arte Fotografia

Quando os médicos que conduziam o parto o chamaram para tirar a fotografia, avisaram-no logo: “Se quiser, tem de ser agora”. Até então sentado numa cadeirinha ao lado da mulher, Miguel Madeira teve somente tempo para se levantar, subir a câmara ao rosto, e disparar. “Foi como se estivesse a trabalhar. Estava apenas a garantir que a imagem ficava bem feita, como se fosse o parto de outra criança”, recorda sobre o momento em que registou os primeiros segundos de vida da filha, na manhã de 22 de Abril. Só depois dos primeiros gritos da recém-nascida ecoarem nas paredes da sala de parto entendeu verdadeiramente o que se passava. “Foi aí que senti um baque. Depois de tirar a câmara do olho fui-me abaixo”. Contou-lhe os dedinhos minguados, como as mães ensinavam. E chorou.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade