Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right A nova vida em tempos de pandemia retratada pelos fotógrafos portugueses

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Everydaycovid 11/6
Miguel A. Lopes
Everydaycovid 22/6
Gonçalo Borges Dias
Everydaycovid 33/6
Flávio Alberto
Everydaycovid 44/6
Carlos Santos
Everydaycovid 55/6
Tiago Miranda
Everydaycovid 66/6
Carlos A. Costa

A nova vida em tempos de pandemia retratada pelos fotógrafos portugueses

Portugal e o resto do mundo pararam. Um grupo de fotógrafos e fotojornalistas portugueses juntaram-se no Instagram para mostrar como é a vida em quarentena.

Por Sebastião Almeida
Publicidade

À medida que os dias passam, os caso de infecção por covid-19 continuam a aumentar. As medidas de contenção do Governo para evitar a propagação da doença foram reforçadas. Mas a tendência é que os números subam ainda mais. As nossas casas nunca foram tão verdadeiramente o nosso lar. E é dentro das suas paredes que agora tentamos prosseguir com o nosso quotidiano – onde trabalhamos, fazemos exercício, comemos ou brincamos com os nossos filhos. À semelhança dos profissionais de saúde, alguns jornalistas continuam no terreno a reportar a situação que vivemos. São cada vez menos, mas também eles resistem. Os fotojornalistas e fotógrafos, em particular, não têm outra forma de exercer a sua profissão senão estar na rua, em contacto com as pessoas.

Uns já estão em casa, juntamente com as suas famílias. Outros revezam-se em turnos para minimizar os riscos. É o caso de Gonçalo Borges Dias, fotógrafo de uma agência de comunicação em Lisboa, que deu uma volta à sua vida para poder prestar assistência à mãe nestes tempos difíceis. Foi de “estarmos todos confinados a nossa casa” que surgiu a ideia de criar a EverydayCovid – uma página de Instagram em que os fotógrafos e fotojornalistas portugueses publicam o seu olhar da situação dramática que nos assola –, conta Gonçalo à Time out numa entrevista por telefone.

O projecto, do qual Miguel Lopes, fotojornalista da agência Lusa é co-fundador, surgiu de forma natural. A partir de um grupo de WhatsApp criado já há muito tempo para dar a conhecer trabalhos de fotografia, nasceu a ideia de começar a partilhar ali as imagens que retratam esta altura. “Mas depois pensámos que as fotografias ficariam só para nós e queríamos mostrá-las a todos”, explica Miguel. Assim optaram por criar uma conta na rede social que já conta com quase três mil seguidores e 125 fotografias, de mais de 80 fotógrafos e fotojornalistas.

O registo fotográfico prende-se com o quotidiano, com a situação de clausura que é transversal a quase toda a sociedade. Gonçalo não fotografa da mesma forma que o fazia no seu trabalho, mas não deixa de olhar. Continua a fotografar nas idas ao supermercado, à farmácia, no dia-a-dia com a mãe ou, por exemplo, ao receber uma encomenda em casa. “Isto nasceu de uma pessoa ter sempre a cabeça a funcionar”, resume.

Actualmente, toda gente tira fotografias – Miguel sabe-o. Mas, neste projecto, “todos temos um olhar mais apurado sobre o que se está a passar e é isso que queremos transmitir”. As fotografias de José Carlos Carvalho, fotojornalista da Visão, publicadas há dias na conta exemplifcam essa preocupação. O fotojornalista viu-se obrigado a cuidar dos pais e começou a registar essa transformação nas suas vidas de uma forma ternurenta e emotiva. “É esse tipo de realidade que mostramos, mas mostramo-lo através de um olhar fotográfico, pois acredito que toda a gente tenha um problema causado por esta crise.”

Chegou a um ponto em que já havia muito trabalho repetido, confessa Gonçalo. Por isso, começaram a ter mais preocupações com a qualidade das fotografias e a exercer uma espécie de curadoria. “Pretendemos ter rigor, qualidade e isenção”, diz. Criar um mosaico de imagens que funcione como um todo.

A arma da página, defende, “é ser capaz de ver o que os outros não vêem”. Estar sempre alerta, “a olhar”. O bloqueio mental de estar fechado em casa dá azo a que se tente criar algo mais, acredita o fotógrafo. “Pode ser um reflexo, uma sombra ou a luz pontual.” O importante é olhar e criar. Só assim se mantém a sanidade mental.

Recomendado: Coronavírus: últimas notícias e boa práticas

Mais Fotografia

Teresa Freitas
Teresa Freitas

Portefólio: fotografia de algodão doce

Arte Fotografia

Ao início, os planos para o futuro passavam apenas por aliar o design à arte, através de projectos interactivos. Teresa Freitas, fotógrafa de 29 anos, ainda não sabia que a fotografia lhe tomaria conta da vida e que passaria a viver exclusivamente dela. “Durante os meus anos na universidade comecei a fotografar com o telemóvel”, conta à Time Out.

Publicidade
José Fernandes
José Fernandes

Portefólio: um mosaico iraniano

Arte Fotografia

Foi ao assistir a um dos programas de Anthony Bourdain, Viagem ao Desconhecido, que a curiosidade se instalou. José Fernandes ficou a remoer sobre como se faria à estrada para um lugar desconhecido, um lugar genericamente descrito como perigoso e hostil para forasteiros. 

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade