Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right As novidades que tem de conhecer no Príncipe Real

As novidades que tem de conhecer no Príncipe Real

Só no último ano abriram mais de duas dezenas de novas portas no bairro mais cool de Lisboa

Coyo taco
©Duarte Drago
Por Francisca Dias Real |
Publicidade

É grande o desassossego entre São Mamede e São Pedro de Alcântara. Por ocasião dos 50 anos da Time Out, os editores de todo o mundo elegeram os 50 bairros mais cool do momento. O Príncipe Real ficou em 5.º lugar. Tudo acontece a um ritmo difícil de acompanhar no bairro mais trendy, mais edgy e mais irritantemente difícil de descrever sem recorrer a um qualquer anglicismo. Corremos o bairro porta a porta, cara a cara, para trazer todas as novidades que nasceram aqui no último ano – e foram mais de 20. Restaurantes, lojas e cafés, está tudo aqui para descobrir. 

Recomendado: O melhor do Príncipe Real

As novidades que tem de conhecer no Príncipe Real

1
Coyo Taco
©Duarte Drago
Restaurantes, Mexicano

Coyo Taco

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Não passa minimamente despercebido: as paredes do edifício do novo restaurante do Príncipe Real são de um azul eléctrico e há um neón forte a iluminar o nome do restaurante. O Coyo Taco é uma cadeia que nasceu em Miami pela mão de três amigos e chegou a Portugal em Novembro de 2018 com a chancela Multifood.

2
Isto Embaixada
©Isto
Compras

ISTO

icon-location-pin Santa Maria Maior

A Isto saltou do online para o segundo piso da Embaixada. A marca de básicos de moda masculina independente, transparente e orgânica aumentou também a oferta em produtos de algodão orgânico e novas sweatshirts. Pode dar um saltinho entre as 12.00 e as 20.00, todos os dias, e abastecer o armário de básicos com selo de qualidade. 

Publicidade
3
Jamie's Italian
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Italiano

Jamie's Italian

icon-location-pin Princípe Real

A versão portuguesa do restaurante italiano do chef-estrela Jamie Oliver foi a adição ao bairro que mais buzz gerou no último ano. A espera deu frutos no primeiro mês do ano quando abriu com três pisos, 174 lugares sentados e dois terraços com vistas para o castelo. Mas vamos à carta, que é extensa e semelhante à dos restantes da cadeira espalhados pelo mundo, mas com alguns ingredientes nacionais, como o queijo da Ilha adicionado ao The Jamie’s Italian Burger, por exemplo. Há 11 opções de massa fresca – peça a carbonara, vá por nós –, mas antes atire-se aos arancinis para entrada. Na ementa estão também as sobremesas mais conhecidas do chef.

A Time Out diz
4
Nivà
©Manuel Manso
Restaurantes, Geladarias

Nivà

icon-location-pin Princípe Real

A Nivà é a primeira cremeria italiana em Portugal. Aqui, num espaço pequeno mas convidativo, serve-se um gelado artesanal que, pela sua consistência de mousse gelada, coisa que merece destaque das demais gelatarias. Situado no coração do Príncipe Real, a loja é o quinto espaço da família Rivolta, que tem como lema “Privilegiar a excelência do produto e a satisfação do cliente”. Stracciatella e Morango são dos sabores mais pedidos, mas a carta é variada e promete mudar a oferta com regularidade. 

Publicidade
5
Shon Mott
Fotografia: Arlindo Camacho
Compras

Shon Mott

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

O minimalismo espanhol tem casa no bairro e quem manda é a catalã Marta Lopez-Fanjul, que trouxe para os charriots o design clássico, intemporal e duradouro traduzido em camisolas, calças, saias, camisas, casacos e sobretudos. Tudo isto em algodões puros, caxemira e outros materiais nobres que douram as prateleiras da Shon Mott, marca dos irmãos Pep e Kiko Buxó que Marta trouxe para Lisboa. Os acessórios, incluindo as malas da marca norte-americana de São Francisco Utility Canvas, seguem a mesma linha funcional e minimalista, sem preços proibitivos. À porta está uma tigela com água, vantagem para quem leva o animal de estimação que por aqui é sempre bem-vindo.

6
Faz frio, restaurante, príncipe real, comida portuguesa, tradicional
Duarte Drago
Restaurantes, Português

Faz Frio

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Apesar de ter fechado portas no final de 2017, o restaurante Antiga Casa Faz Frio, no Príncipe Real, não entrou para a necrologia das lojas históricas: mudou de mãos e reabriu de cara lavada mas com a história intacta. O receituário português continua a ser o grande foco desta casa, agora com uma actualização dos pratos e um maior investimento em ingredientes e matéria-prima de qualidade. A casa era conhecida por ter sempre uma proposta de bacalhau nos pratos do dia e isso vai continuar a ser regra. À terça há açorda de bacalhau (11,50€), à quarta feijoada de sames (12€), à quinta bacalhau à Narcisa (13€), à sexta bacalhau à Assis (12€).

Publicidade
7
steve madden
Fotografia: Inês Félix
Compras

Steve Madden

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Ainda cheira a novo o pequeno espaço que acolhe a primeira loja Steve Madden em Portugal, conhecido pelo segmento de sapatos. Os produtos da marca já se vendiam em alguns pontos multimarca, como o El Corte Inglés, mas a aposta no Príncipe Real justifica-se pela confluência de turistas com lisboetas. “O grande objectivo é dar a conhecer a marca aos portugueses, que muitos ainda desconhecem”, conta-nos a responsável de loja. Entre malas e sapatos, os preços vão dos 50€ aos 150€, e ali reinam os ténis com padrões ou tachas, as botas de cano alto e os slippers. No futuro, vão ter também um corner com a colecção masculina disponível na loja. 

8
Stró
Fotografia: Arlindo Camacho
Compras

Stró

icon-location-pin Princípe Real

Não um, mas sim dois novos espaços deram morada física à Stró, marca que existe online desde 2014 e onde a prata da casa são os produtos sustentáveis e com preocupações ambientais, de cachecóis a mantas, chapéus, bolsas ou cobertores de papa. Os dois espaços contíguos têm ofertas distintas – Pedro Tavares, um dos fundadores da marca, dividiu as lojas por materiais, uma só com produtos de algodão e linho e a outra dedicada às lãs. Portanto, anote as keywords: sustentabilidade, aproveitamento, ecologia e comércio justo.

Publicidade
9
Crispy Mafya
Fotografia: Duarte Drago
Restaurantes

Crispy Mafya

icon-location-pin Princípe Real

É para nós um bom exemplo do reflexo de Pavlov, sendo que aqui a campainha para começar a salivar são três palavrinhas: chicken waffle burger. Este prato é a jóia da coroa do Crispy Mafya, aberto desde Julho, onde – é isso mesmo que está pensar – o hambúrguer de frango frito está no meio de waffle salgado (11€). O restaurante de Hugo e Arthur Delrieu, dois irmãos que se mudaram de Paris para Lisboa, tem o seu foco no frango frito e de como este deve ser comido sem ter medo de sujar as mãos. Na ementa tem cones de gelado cheios com pedaços de frango frito envolto num molho à escolha (9€), uma salada com peito de frango e a sua pele frita ou tempura de vegetais (5€). Muito em breve vai poder ver na lista mais pratos vegetarianos e um outro hambúrguer.

10
pecegueiro, principe real
Fotografia: Inês Félix
Compras

Pecegueiro & F.os

icon-location-pin Campo de Ourique

Dá a sensação de que está a entrar numa casinha de bonecas, com as paredes em madeira virgem, o chão forrado a juta e bandeirinhas de festa coloridas a decorarem esta que é a segunda loja da marca Pecegueiro & F.os, do casal Sara Lamúrias e Pedro Noronha-Feio, depois de abrirem portas  no bairro de Campo de Ourique. A marca aposta nos básicos de qualidade e a estrela da casa são as jardineiras de todas as cores, prò menino e prà menina. Isto tudo com tecidos portugueses e produção nacional.

Publicidade
11
Talk To Me
Manuel Manso
Restaurantes, Cafeteria

Talk to Me

icon-location-pin Grande Lisboa

Bem ao estilo do irmão Heim Café, o Talk To Me quer-se um café de bairro, para juntar a vizinhança sem dar muitos nas vistas. Pequeno, com macramés e cartazes de exposições antigas a decorarem as paredes, o Talk To Me é um espaço para beber um café ou um copo de vinho enquanto trabalha, acompanhando o momento de concentração com uma das várias tostas do menu (vá para a de espargos e gorgonzola ou escolha a de salmão), os croissants estaladiços ou o brunch servido a toda a hora (12€).

12
Clube Lisboeta
©Manuel Manso
Restaurantes

Clube Lisboeta

icon-location-pin Princípe Real

Este Clube não é só para sócios e associa várias ideias num mesmo espaço. É para quem quiser um bom brunch todos os dias (até às 17.00) e para quem gostar de deixar o palato viajar por gastronomias internacionais. E ao jantar e fins-de-semana o Clube ganha outra dinâmica: há quatro cartas diferentes, uma com pratos portugueses, outra com brasileiros, gregos e tailandeses. Prove o pastel de nata salgado com queijo de Azeitão e cebola caramelizada (10€), o tachinho de ovos da Grécia (12€) ou o peixe thai com pak- -choi (16€).

Publicidade
13
5A Club
Noite

5A Club

icon-location-pin Princípe Real

Pediu um sítio underground para prolongar a noite até às tantas? O 5A Club é perfeito para ginasticar sem passar pelo ginásio, que é como quem diz para dançar para lá da hora (encerra às quatro da manhã, coisa boa para quem quer fugir da confusão do Cais do Sodré). A música é electrónica da boa, com nomes independentes, e o bar tem curadoria do Flamingo Boémio com uma carta de cocktails jeitosa. Se não está convencido, fique com esta: há uma máquina de shots de tequila com duas garrafas a fazer o pino e que serve shots a temperaturas negativas.

14
veggie wave
Manuel Manso
Restaurantes

Veggie Wave

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

A qualidade do sumo que pedir está nas suas mãos – ou melhor: nos seus pés e na capacidade de dar ao pedal. Na primeira loja da Veggie Wave o cliente senta-se numa espécie de bicicleta para fazer o seu sumo natural – o liquidificador funciona à velocidade da pedalada, um projecto ecológico dos surfistas italianos Niccolò Bagarotto e Riccardo Ferragamo. Peça o purple haze se quiser ajuda para a memória ou o veggie wave, que é bom para a pele, e bebem se todos em versões pequenas ou grandes (3,20€ e 4,20€). O pequeno espaço não tem grande margem de manobra, basta pegar e levar. Tem energy balls (2€) se quiser dar um boost ao dia.

Publicidade
15
almedina, rato
Fotografia: Inês Félix
Coisas para fazer

Almedina

icon-location-pin Princípe Real

Num tempo em que nos habituámos a chorar a morte de velhas livrarias, é sempre de saudar o nascimento de uma nova. Em Novembro do ano passado, a Almedina ganhou mais um espaço, na Rua da Escola Politécnica. Fica a um pulo do Rato, no lugar que pertencia a uma antiga oficina de vitrais e mosaicos e onde agora as antigas mesas de fabrico de vidro suportam o peso de outras artes, inscritas em milhares de livros.

16
Boubou's
©Manuel Manso
Restaurantes

BouBou's

icon-location-pin Princípe Real

Se há coisa pelo qual o Príncipe Real é conhecido é pelos seus jardins interiores que se transformam em belas esplanadas, como é o caso da do Boubou’s, que já é um ex-líbris. Agnes e Alexis Bourrat (ela húngaro-inglesa, ele luso-francês), ambos apaixonados pela gastronomia portuguesa e por Lisboa, abriram um três em um com comida internacional: tem zona de bar, uma cozinha aberta com balcão para comer à frente do chef e a esplanada. As atenções estão nos pratos familiares que enchem qualquer mesa: o polvo inteiro grelhado, com batata doce e molho aioli com harissa (42€ para duas pessoas, 84€ para quatro) ou kebab do it yourself de cordeiro (44€ para duas pessoas, 64€ para quatro).

Publicidade
17
Compras

Fair Bazaar

icon-location-pin Princípe Real

Num cantinho da Embaixada pode encontrar o paraíso da oferta sustentável. Patrícia Imbarus e Joana Cunha juntaram forças para criarem a Fair Bazaar, um marketplace que junta marcas sustentáveis de moda, casa e beleza, alternativas ao consumo e produção em massa e classificadas com oito selos de certificação, do orgânico ao comércio justo. Veja-se, por exemplo, a LeFrik, marca de mochilas feitas a partir de garrafas de plástico reciclado, os candeeiros da Orikomi, os produtos da Dr. Bronner’s ou as escovas de dentes The Humble Co. Há pouco mais de um mês a loja ficou disponível também online.

18
Compras

Papua Market

icon-location-pin Grande Lisboa

É o 45 da Rua da Escola Politécnica: empurre a porta de vidro com confiança, mesmo não encontrando letreiro na montra. Esta concept store, que pediu emprestado o nome à marca de biquínis e fatos de banho que estão em destaque na loja, junta uma mão cheia de marcas no espaço, valorizando as nacionais, seguindo um estilo descontraído na onda do surf. Conte encontrar por lá os óculos de sol da Joplins, de bambu e muito leves, as Wavegliders, pranchas com um look mais vintage que parecem fazer parte da decoração mas estão à venda, as jóias da Prata Concept ou as roupas da Size. Nuno Leitão, um dos fundadores, diz que em breve haverá colecções de Inverno a chegarem à loja.

Publicidade
19
Sumaya
©Duarte Drago
Restaurantes, Libanês

Sumaya

icon-location-pin Princípe Real

O bairro ganhou mais uma bandeira, desta vez libanesa. No Sumaya, há mezze frios e quentes para partilhar, mas também assados e grelhados – em resumo, uma selecção do que melhor que se come no Líbano. Os pratos, servidos em terrinas de barro, são coloridos e fartos, e não deve sair de lá sem provar o hummus com tahini e limão (6€), a baba ghanoush (6€) ou os falafel (quatro unidades/7€). Se lhe der a secura no meio de tanta partilha, aproveite para deitar olho às 18 referências de vinho libanês.

20
cowork, cowork central
Coisas para fazer

Cowork Central

icon-location-pin Princípe Real

Abriu em Maio com notas de minimalismo e uma colecção de plantas de interior que dá cor a este novo cowork do bairro. O Cowork Central já tinha o primeiro espaço no Cais do Sodré, mas vai daí e apareceram as dores de crescimento de quem já albergava 50 pessoas e precisava de mais espaço. Tom Davis, o responsável, decidiu subir umas colinas e instalar- -se no bairro mais cool da cidade (pelo menos segundo a malta da Time Out). Há 36 lugares sentados e cada mesa tem o valor de 227€ por mês. O mais comum, explica-nos Tom, é procurarem o Cowork Central pelo passe de dez dias (123€). O responsável quer fazer do seu cowork um espaço quase familiar e intercultural, de partilha de conhecimentos. O que parece óptima ideia.

Publicidade
21
latitid
©DR
Compras, Roupa interior e fatos de banho

Latitid

icon-location-pin Princípe Real

A Latitid emancipou-se, deixou de ser pop up para passar a ter poiso fixo na Embaixada e estar de portas abertas o ano inteiro – não vá querer ir de férias para um destino paradisíaco durante o Inverno português. A marca de swimwear portuguesa é conhecida pelos fatos de banho e biquínis de design minimalista com cortes clássicos e decotes subidos, e padrões que casam com as coordenadas de cada colecção. O ambiente da nova loja é bem caribenho, com candeeiros que são cestas de ráfia e um balcão ao centro envolto numa espécie de cabana. Com a abertura da loja a marca passa agora a ter também colecções infantis.

22
les filles
Compras

Les Filles

icon-location-pin Grande Lisboa

Depois de chegarem à Travessa do Rosário em modo pop up, as peças da Les Filles vieram mesmo para ficar, com direito a morada fixa. As meninas Maria João Fialho e Joana Bernardo instalaram os seus charriots por lá e agora pode encontrar peças de Alexandra Moura, Marques’Almeida, Rachel Antonoff, Minjukim ou a Freakloset. E, nada como relembrar, as vendas seguem o seu curso online, esse extenso armazém livre de peças.

Publicidade
23
Jardim botanico de lisboa
Fotografia: Manuel Manso
Atracções

Jardim Botânico de Lisboa

icon-location-pin Princípe Real

Ponha o dedo no ar se era daquelas pessoas que sentia falta do Jardim Botânico. Fechado desde Outubro de 2016, este espaço  verde com 140 anos de história foi devolvido à cidade em Abril de 2018 depois das obras estruturais que recuperaram o pavimento de todos os caminhos e os gradeamentos que nos revelam pontos de observação das colecções botânicas. O Jardim ganhou também um anfiteatro – pronto a receber espectáculos de Verão – e novos bancos plantados ao longo dos percursos. É um belo local para uma sessão fotográfica em cenário tropical-urbano.

A Time Out diz
24
Eléctrico 24
João Barata/JFC

Eléctrico 24

Há 27 anos que a Carris não iniciava nenhum percurso comercial da rede de eléctricos – há uma vida, portanto – até o Eléctrico 24 voltar a circular nos carris lisboetas em Abril. Esta nova estrela amarela que brilha no Príncipe Real tem a sua casa de partida na Praça Luís de Camões (ou em Campolide, conforme o sentido) e faz paragens na Praça do Príncipe Real e mais à frente na Rua da Escola Politécnica. Aproveite enquanto ainda parece ser um segredo guardado dos lisboetas e não está ao barrote de turistas.

Tarifa de bordo de elétcricos: 2,90€.

Publicidade
25
Zazah
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Petiscos

Zazah

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Se há coisa que os cariocas sabem fazer é tirar o pé do chão e sambar noite fora. O Zazah abriu há um ano e, no mesmo espaço, junta comida da boa, arte e música. Vamos começar pelo fim: a sobremesa Três Marias é o melhor remate de refeição que poderia ter – são cones de brigadeiros, que misturam brigadeiro branco e negro (5€). A carta é, essencialmente, de cozinha internacional para partilhar, por isso peça as bolinhas de alheira (6€) crocantes, uma boa escolha para entrada, o ceviche de atum feito com o tradicional leite de tigre (9,50€) ou os cogumelos-ostra de Sintra gratinados com pimentos vermelhos (7,50€)

A Time Out diz
26
Arte

Lisbon Gallery (by experimentadesign)

icon-location-pin Chiado

A bienal ExperimentaDesign acabou quando atingiu os 18 anos, mas deixou legado dentro de quatro paredes no Palácio do Príncipe Real: a Lisbon Gallery. A galeria abriu em Dezembro pelas mãos de Guta Moura Guedes e da experimentadesign e assenta em dois grandes pilares, o design e a arquitectura. Tem uma forte ligação às técnicas artesanais e de indústria, com um foco especial na exploração de novas tecnologias no processo de produção. Nomes tão sonantes como Amanda Levete, Fernando Brízio, Miguel Vieira Baptista ou Eduardo Souto Moura deixam a sua marca nesta galeria de portas abertas num bairro que também é das artes.

Publicidade
27
Restaurante RUA
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Português

Restaurante RUA

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Imagine aquilo que come num festival de street food, mas tudo reunido dentro de quatro paredes e numa mesa, rodeado de amigos. É mais ou menos assim no Rua, restaurante de Manuel André Fernandes e Ricardo Pereira. Países asiáticos e da América Latina convivem na mesma mesa em petiscos feitos para partilhar. Dentro do restaurante há arte de rua, com murais do artista urbano Samina, néons, luzes baixas e pormenores em ferro que dão um ambiente mais urbano à coisa.

A Time Out diz

Mais bairros em Lisboa

vista miradouro graça
Fotografia: Arlindo Camacho
Coisas para fazer

O melhor da Graça

Não deixe esta colina entregue exclusivamente aos turistas. Reclame para si o melhor das mesas e destinos nocturnos da Graça.

hamburgaria da parada
©DR
Coisas para fazer

O melhor de Campo de Ourique

Clássicos de sempre e espaços que ainda cheiram a novo. Padarias, gelatarias, um café italiano e até um restaurante de choco frito. Mas há muito mais que comida. Com este roteiro vai querer estacionar num bairro onde o estacionamento continua tramado. 

Publicidade
parque das nações
Fotografia: Arlindo Camacho
Coisas para fazer

O melhor do Parque das Nações

Esqueça o sentimento de culpa caso decida refastelar-se numa das mesas que se seguem. É que depois do repasto não faltam quilómetros e mais quilómetros de áreas verdes para fazer a digestão a preceito. Para os mais atléticos, aconselhamos a saltar cedinho da cama ou a aproveitar o melhor da vista ao cair do dia. Em plena zona oriental da cidade, o Parque das Nações é um convite descarado à boa vida, com opções gastronómicas, culturais, desportivas e de lazer. Aproveite o melhor de um bairro que é para toda a família.  

Publicidade