A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
  1. Ana Pêgo na Praia das Avencas
    Fotografia: Mariana Valle LimaAna Pêgo na Praia das Avencas, na Parede
  2. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  3. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  4. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  5. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  6. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  7. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  8. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  9. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  10. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  11. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  12. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  13. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  14. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  15. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  16. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima
  17. beachcombing
    Fotografia: Mariana Valle Lima

Beachcombing: um guia para famílias e naturalistas

Fomos à praia com a bióloga Ana Pêgo e voltámos especialistas em beachcombing.

Raquel Dias da Silva
Escrito por
Raquel Dias da Silva
Publicidade

Quando era criança, Ana Pêgo brincava quase sempre no areal das Avencas, na Parede. Fazia passeios, observava as poças de maré e coleccionava tesouros naturais, que as correntes marítimas tinham transportado até à linha de costa. Desde vidro-do-mar, fosco e colorido, até vestígios curiosos de animais, como búzios, conchas e fósseis. Ainda sem saber, praticava beachcombing ou, em bom português, a arte de “pentear a praia”. A actividade naturalista ainda não tem grande tradição em Portugal, mas entusiasma cada vez mais veraneantes, que a vão abraçando em família durante todo o ano.

Evocando as peregrinações de menina, que fazia acompanhada com o pai, com quem ia de umas praias para as outras na maré baixa, Ana recebe-nos “no seu quintal” de braços abertos. “São muito boas recordações”, diz, já com os pés a enterrarem-se na areia das Avencas. “Às vezes nem falávamos, ele fotografava e fazia as suas observações, eu as minhas. Agora, venho sozinha ou com as minhas sobrinhas, que fazem imensas perguntas.” Beachcomber desde tenra idade, Ana acabou por tornar-se bióloga marinha e educadora ambiental: matar a curiosidade de mini-exploradores faz tanto parte da sua vida como do seu trabalho.

É incrível como há muitas crianças que moram aqui ao lado e passam o Verão na praia e não sabem nada sobre os animais e os vestígios de fauna marinha que encontram.”

As oficinas que dinamiza já não procuram apenas tesouros do mar. Em 2014, em co-autoria com o fotógrafo de natureza Luís Quinta, assinou uma instalação com dez metros de comprimento, o esqueleto de uma baleia-de-barbas, construído integralmente com objectos de plástico encontrados na praia. No ano seguinte, nomeou essa “espécie invasora” Plasticus maritimus e criou um projecto, que mais tarde deu origem a um livro com o mesmo nome. Pensado para os mais novos, é um verdadeiro guia de campo e até inclui instruções para preparar idas à praia.

Plasticus Maritimus
Ilustração de Bernardo P. CarvalhoPlasticus Maritimus, de Ana Pêgo e Isabel Minhós Martins

No Verão, recomenda-se roupa fresca e, se estiver muito sol, um boné ou chapéu de palha. O resto é fundamental até nos meses mais frios: protector solar, água, lanche e calçado anti-derrapante. “As algas podem ser traiçoeiras”, avisa Ana, que aceitou acompanhar-nos num passeio na maré-vazia, ou, como gosta de dizer, a maré ideal. Antes de nos levar até às famosas poças, que se formam entre as rochas e os sedimentos próximos à orla marítima, a bióloga mostra-nos como a mochila de uma beachcomber é um misto entre mala de senhora e bolso de criança, numa exuberância de relíquias perdidas.

“Também tenho uma pele de tubarão pata-roxa. Foi-me oferecida por um pescador e costumo mostrá-la aos miúdos.

Entre conchas de moluscos de várias espécies, tamanhos e formas, destaca-se a do quíton, segmentada em oito placas, o que permite ao animal de ar pré-histórico enrolar-se como um bicho-da-conta. Mas há mais maravilhas para admirar. Carapaças de crustáceos, ovos de raia já vazios. “Também tenho uma pele de tubarão pata-roxa. Foi-me oferecida por um pescador e costumo mostrá-la aos miúdos. Há quem coma nas caldeiradas, mas não devíamos. Vou falar disso nas minhas oficinas e em mini-gabinetes de curiosidades marinhas.”

Apesar de não organizar acções de limpeza, recolher lixo também faz parte do seu ritual, como prova a sua colecção de plástico colorido. Ana não só gosta de tentar descobrir de onde vieram esses resíduos como os usa para fazer exposições ou obras de arte. É “artivismo”, diz, convidando pais e filhos a experimentar. Basta que, da próxima vez que forem à praia, recolham alguns exemplares de Plasticus maritimus. Às vezes, se andarmos de olhos bem abertos, também se encontram “coisas exóticas”, como os bonecos que vinham com os gelados Rajá e Olá nos anos 60 e 70.

Já para identificar fauna marinha não basta só estar atento. Ao contrário das praias arenosas, as rochosas têm habitats mais complexos, como a das Avencas, na Parede, a do Abano, em Cascais, ou a do Magoito, em Sintra. Nestes locais, se evitarmos a preia-mar, o recuo das águas dá-nos acesso a áreas outrora submersas. “Eu costumo ir lá para o fundo”, sugere Ana, apontando para a zona entre-marés, onde é possível encontrar anémonas, os chamados tomates e morangos-do-mar, mas também lapas, mexilhões, cracas, caranguejos ou burriés. Se estiverem vivos, não devemos incomodá-los. Se forem só vestígios, podemos levar para casa. “No caso dos búzios, convém perceber se não estão ocupados por caranguejos-eremitas.”

Pelo areal, no percurso até às poças, as descobertas sucedem-se. Além de ouvir os pilritos-comuns, uma pequena ave limícola de bico comprido, é provável cruzarmos-nos com invólucros de ovos, conchas de choco, estrelas-do-mar já secas e até cascas vazias de ouriços. “Às vezes, encontram-se também uns ossos, que são os dentinhos”, explica Ana, que tem pelo menos um espécime para mostrar. “Chama-se a isto Lanterna de Aristóteles. São muito rijos, usam-nos para raspar algas e se alimentarem ou para fazer concavidades nas rochas, que usam como abrigo.”

Andar a “pentear a praia”, com banhos de sol e mergulhos no mar pelo meio, pode demorar um dia inteiro. E é sempre divertido. No final da expedição, depois de lavarmos e pôrmos a secar os nossos tesouros, naturais ou artificiais, podemos sempre procurar mais informações sobre o que encontrámos. O livro de Ana fala-nos sobretudo de diferentes objectos de plástico, mas há outros guias que nos podem ajudar a identificar as mais diversas curiosidades que o mar traz com cada maré, como os Achados da Praia, de Assunção Santos e Mike Weber. Se aceitar o desafio, talvez comece uma nova tradição familiar este Verão. Quem sabe se no próximo não terá já uma colecção digna de museu.

Recomendado: As melhores praias com Bandeira Azul perto de Lisboa

Actividades ao ar livre para o ano inteiro

  • Coisas para fazer

Custa admitir, mas tem de ser: é raro darmos conta da paisagem lá em cima, a não ser quando as notícias sobre fenómenos astronómicos pontuais – como chuvas de meteoros, eclipses e super luas – invadem as redes sociais. De repente, não há ninguém que não queira olhar para o céu, mas a beleza celestial está disponível o ano inteiro, com as suas estrelas, planetas, galáxias e cometas.

Publicidade
  • Coisas para fazer

Há quem só repare neles na hora de os levar à boca, mas a verdade é que, antes de chegarem ao prato, é possível vê-los a enfeitar a natureza, nas matas, parques e jardins das nossas cidades. Por isso, se está com vontade de respirar ar puro e desconfinar a salvo das multidões, depois do trabalho ou nas manhãs de fim-de-semana, aproveite para descobrir os melhores sítios para ver cogumelos em Lisboa.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade