Guia para o Carnaval de Torres Vedras

A vida são dois dias e o Carnaval são cinco. Este é o “mais português de Portugal” e a festa mais rija à beira de Lisboa.
carnaval de torres vedras
©CM Torres Vedras
Por Luís Leal Miranda |
Publicidade

Esta festa é tão rija que pode parecer impenetrável. Felizmente temos um filho da terra para lhe dar umas sólidas dicas para que se dilua facilmente na efervescência carnavaleira.

Recomendado: Três sítios para beber um copo em Torres Vedras

Guia para o Carnaval de Torres Vedras

Camera

Por que é que é o "mais português de Portugal"?

Porque não tem escolas de samba nem convida celebridades das novelas para atrair multidões. Há carros alegóricos, cabeçudos, matrafonas, mascarados, imaginação e improviso. E um humor muito próprio, onde a crítica social se mistura com piadas de algibeira. Os dentistas de Torres Vedras têm muito trabalho por esta altura do ano a restituir os sorrisos das pessoas que perderam um dentinho com a piada.

Camera

Em que dia é o Carnaval?

A vida são dois dias, o Carnaval são três. Em Torres Vedras são mais – os dias de Carnaval, não os de vida. Em bom rigor, o Carnaval já começou: de há três semanas para cá que há “Assaltos” ao fim-de-semana. Estes assaltos são festas de Carnaval fora de tempo para as pessoas que não conseguem esperar. Respondendo à pergunta: o Carnaval de Torres começa nesta sexta-feira com o corso infantil e dura até quarta-feira, com o Enterro do Entrudo. Mas as noites de festa rija vão de sexta a segunda-feira.

Publicidade
Camera

Devo ir mascarado?

Obviamente. E é mascarado a sério, não é levar uma peruca ou um chapéu e dizer “pronto, já está”. Também não valem chicoespertices do tipo, “polícia à paisana”, “estou mascarado à civil” ou “sou o homem invisível depois de tomar um soro de visibilidade”. Nós já conhecemos essas manhas todas. Não tem de ficar irreconhecível nem tem de caprichar no traje – isto não é Veneza, por muito que chova – só tem de se livrar de um pedaço da espessa camada de autoconsciência com que se cobre todos os dias.

Camera

Existe um tema. Devo segui-lo?

O tema deste ano é Mares e Oceanos porque, enfim, estávamos todos com muitas saudades da Expo ‘98. Se quiser aderir ao tema pode fazê-lo, mas estas coisas funcionam mais como uma inspiração para o corso, carros alegóricos e máscaras de grupo, do que como decreto. Seja como for, aqui vão algumas sugestões de última hora: Elefante D. Henrique, Vasco da Gamba, Oceano Pacífico (o programa de rádio), Marina Mota (a actriz), Mar Morto-Vivo, Perca do Nilo (um egípcio que não sabe onde meteu as chaves), etc. Você percebeu a ideia.

Publicidade
Camera

Vou levar com balões de água nos costados?

 Durante o dia, talvez. À noite é muito pouco provável.

Camera

Como chego aí? Torres Vedras é lá para o Norte, não é?

Torres Vedras fica a 42 quilómetros de Lisboa, uma viagem que se faz em 40 minutos pela A8 (saída 8, Torres Vedras Sul). A portagem custa 2,45€ e sim, é uma das razões pelas quais esta ainda não é uma cidade-dormitório de Lisboa. Durante o Carnaval o centro está fechado ao trânsito durante várias horas e é sempre difícil estacionar. Recomendamos os parques à volta da cidade – estão bem assinalados. Quem quiser ir de autocarro pode apanhar a “Directa” que sai do Campo Grande. Tome nota: a primeira a fazer o percurso Torres-Lisboa sai às 06.15. A viagem de ida fica a 6,15€, o bilhete de ida e volta custa 11,80€.

Publicidade
Camera

Onde posso ficar a dormir?

É muito má ideia conduzir depois de uma noitada de Carnaval. Não devíamos ter de explicar porquê, mas os cabeças duras costumam ser demovidos com esta frase: brigadas de trânsito nas rotundas. Por isso o melhor é ficar na casa de um amigo. Se não tem amigos, faça amigos. Se não consegue fazer amigos tente reservar um quarto nestes sítios bem centrais: Stay Hotel, (quarto duplo, à volta dos 50€ por noite, 261 314 232), Arcos Hotel (quarto duplo, 40€/ noite, 261 312 489) e Residencial Moderna (preços sob consulta, 261 314 146).

Camera

Onde jantar/almoçar/comer para me manter vivo?

O Carnaval de Torres não é propriamente um evento para foodies. O brunch possível está na Casa das Sandes de Cozido e é isso mesmo: uma sandes de cozido à portuguesa, um dos grandes contributos recentes de Torres Vedras para a gastronomia nacional. Pode soar a javardice agora, mas vai ser música para os seus ouvidos às seis da manhã – hora a que abre este mini-restaurante situado no Mercado Municipal. Quem procura uma cervejaria a sério, com um mítico frango assado, pode ir ao Gordo (é esse mesmo o nome do restaurante). E para jantares de grupo recomenda-se o Manadinhas, restaurante de temática taurina.

Já que aqui está

Dolce Campo Real
©DR
Viagens

Dolce CampoReal Lisboa: dar um tempo em Torres Vedras

Vamos ser honestos: não viemos aqui tanto pelo passeio, foi mesmo para descansar. O Dolce CampoReal Lisboa é, no melhor cliché, um bom destino para fugir da cidade. Fica muito perto de Lisboa, mas estamos longe o suficiente para nem nos lembrarmos que ela existe. E temos tudo aqui para não precisarmos de pegar no carro para nada.

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com