Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Haja saúde: projectos que ajudam os profissionais da linha da frente
rede gira
©EMEL/Cláudio Ferreira

Haja saúde: projectos que ajudam os profissionais da linha da frente

Multiplicam-se por todo o país as iniciativas que procuram retribuir o esforço dos profissionais de saúde.

Por Renata Lima Lobo e Bárbara Baltarejo
Publicidade

Batem-se palmas em sinal de agradecimento a quem nos hospitais combate a Covid-19. Mas também se vão multiplicando as iniciativas que procuram retribuir o esforço de médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde que estão na linha da frente no combate à pandemia. A sociedade civil tem respondido desde a primeira hora à necessidade de abraçarmos, mais do que nunca, o espírito comunitário de entreajuda e estes projectos são uma gota num oceano de solidariedade que assolou o país. Todos os dias nos chegam notícias de novas iniciativas, vindas de empresários, associações ou pessoas que individualmente se juntam a esta luta que é de todos. E a todos, muito obrigada.

Recomendado: Como ajudar durante o estado de emergência

Uma foto da Time Out Magazine

A Time In Portugal já está disponível

Pode ler a última edição no conforto do seu sofá

Ler a revista
bicicletas gira
©EMEL

Rede de bicletas GIRA

Notícias Transporte e viagens

A rede municipal de bicicletas de Lisboa passou a estar disponível gratuitamente para todos os profissionais de saúde. Segundo a EMEL – Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, a rede tem sido um dos meios de transporte utilizados por estes profissionais e, por isso mesmo, decidiu isentá-los do pagamento das deslocações durante dois meses, ou seja, até ao próximo dia 6 de Junho. Para beneficiarem desta isenção, será necessário enviar um email para gira@emel.pt com uma cópia do Cartão do Cidadão (frente e verso) e um documento comprovativo da profissão ou local de trabalho. Recordamos que a rede de bicicletas partilhadas GIRA foi suspensa em Março e, poucos dias depois, reabriu para apoio excepcional às entregas ao domicílio.

Luís Onófre, Mascaras não cirurgícas, Covid-19
©DR

Designers que produzem material de protecção para hospitais

Há muitas formas de ajudar e os designers Luís Onofre e Ana Sousa mostraram mais um caminho. Ambos decidiram usar os recursos que têm disponíveis para produzir equipamentos de protecção individual para os profissionais de saúde. Da fábrica de Luís Onofre, em Oliveira de Azeméis, passaram a sair máscaras não-cirúrgicas em vez de sapatos. A iniciativa resulta de uma parceria com o Centro Tecnológico de Calçado de Portugal e permite produzir até 800 máscaras por dia. Estas unidades têm sido entregues a diferentes instituições, como hospitais, lares e Cruz Vermelha. Já a designer Ana Sousa optou por produzir uniformes para médicos e enfermeiros do Hospital Santa Maria Maior, em Barcelos. Todas as roupas foram confeccionadas de acordo com os modelos pré-desenhados e aprovados pelo Serviço Nacional de Saúde, mas têm a frase “Juntos somos mais fortes!” na etiqueta. Em apenas dois dias, foram feitos mais de 400 uniformes.

Publicidade
Casa
©DR

Projecto Acolhe um Herói

“Tens uma habitação vazia?". Esta é a pergunta lançada pelo site acolheumheroi.pt, que procura reunir habitações disponíveis para todos os profissionais de saúde que querem deixar as suas casas para ficarem mais próximos dos hospitais ou para protegerem as suas famílias. A ideia partiu da empresa criativa uppOut e, desde que começou a funcionar, a plataforma já deu casa a mais de 200 profissionais. O funcionamento é simples: quem tem uma casa disponível preenche um formulário online, assim como quem procura casa. Depois, é a própria plataforma que faz a ponte entre estas pessoas. Além disto, a Acolhe um Herói também ajuda a estabelecer contactos entre empresas que precisam de aumentar a produção e pessoas que queiram trabalhar, e tem uma secção dedicada a empresários que necessitam de ajuda para reinventar os seus negócios em plena pandemia.

Tonic App
©DR

Vários projectos da tech4covid19

A comunidade tecnológica portuguesa arregaçou as mangas para procurar soluções que pudessem ajudar no combate à actual pandemia. Assim nasceu a plataforma tech4covid19.org, que já soma mais de 4700 voluntários. Por lá há diferentes projectos, três deles para ajudar quem combate a Covid-19 na linha da frente.
O “Rooms Against Covid” junta quem tem alojamento disponível e os profissionais de saúde que procuram uma casa temporária onde possam regressar no final de cada turno de trabalho. Neste momento, já há alojamentos em Lisboa, Porto, Faro, Funchal, Coimbra e Braga. Agregada à plataforma está também uma campanha que já conseguiu angariar 210 mil euros para comprar material hospitalar, como ventiladores e equipamentos de protecção individual para quem não pode ficar em casa.
A plataforma tech4covid19 dá ainda a conhecer a TonicApp, uma aplicação móvel especificamente pensada para médicos. Disponível para Android e para iOs, inclui muita informação técnica sobre a actual pandemia. Saiba ainda que este movimento não fica por aqui. Conta com uma área de serviços de saúde, com vídeo-consultas grátis ou ensino à distância, por exemplo, e uma secção para os negócios e lazer, que reúne muitos projectos.

Publicidade
Air4All
©DR

Ventilador Air4all

Já se deve ter cruzado com o nome de Pedro Monteiro nas notícias. Triatleta e CEO da Morphis Composites, empresa de engenharia mecânica, decidiu avançar com um projecto de criação e produção de ventiladores acessíveis, que baptizou de Air4All e que foi lançado a 13 de Março. Em pouco tempo conseguiu reunir mais de 80 voluntários, entre eles investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência, da Fundação Champalimaud e de outras instituições, professores do Instituto Superior Técnico, médicos de diversas especialidades, enfermeiros, farmacêuticos, engenheiros, advogados, designers e empresas industriais. Juntos desenvolveram dois ventiladores de especificações acessíveis a todos (em código aberto): um pneumático e um mecânico, para os quais já têm protótipos em teste a aguardar certificação do Infarmed para serem produzidos por várias empresas portuguesas a baixo custo. No final, serão oferecidos gratuitamente a todos os hospitais do país.

Douro, vinhas
©DR

Associação das Empresas de Vinho do Porto

O vinho do Porto é um dos ícones portugueses a nível mundial e, durante a pandemia, este sector empresarial uniu-se para ajudar em força o país. A AEVP – Associação das Empresas de Vinho do Porto entregou, gratuitamente, às Unidades Hospitalares do Norte de Portugal, 55 mil litros de gel desinfectante, aprovado pelo Infarmed, produzido a partir de aguardente vínica. Uma acção de solidariedade que juntou empresas como a Adriano Ramos Pinto, a Barão de Vilar, a Gran Cruz, a Niepoort Vinhos, a Quinta do Noval, a Real Companhia Velha e a Rozès. Também integram o projecto a Sociedade dos Vinhos Borges, a Sogevinus Fine Wines, a Sogrape Vinhos, a Symington Family Estates e a The Fladgate Partnership.

Publicidade
Porto Velhotes
©DR

Porto Velhotes

Também no sector do vinho, a Porto Velhotes, submarca da Cálem desde 1934, decidiu apoiar os profissionais de saúde através da campanha de crowdfunding. “Vamos ajudar quem mais precisa... até sermos Velhotes?”. Com esta iniciativa, a marca de vinho do Porto quer alargar o apoio ao movimento da Cruz Vermelha Portuguesa e reforçar a quantidade de equipamentos de protecção individual, cobertores, camas de campanha, tendas, ventiladores e desfibriladores. Por outro lado, a Porto Velhotes quer também impulsionar o aumento da capacidade de resposta na prestação de cuidados ao domicílio e de transporte para as unidades de saúde da população de terceira idade. A marca já fez um primeiro contributo de 5000€. Pode fazer o mesmo (com o valor que quiser) até 30 de Abril em velhotes.calem.pt/covid-19- ajudar-quem-precisa.

Ajude, ficando em casa

Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade