Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Lojas de antiguidades em Lisboa

Lojas de antiguidades em Lisboa

Os objectos que encontra à venda nestas lojas de antiguidades em Lisboa não são velhos. São antigos.

solar antiques
©Inês Félix Painel dos Saltimbancos, no Solar Antiques
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Se quer comprar um quadro, um pote, uma jóia ou uma peça de mobiliário do tempo da Maria Cachucha, mas com toda a propriedade (e muitas vezes com todos os certificados a que tem direito), conheça alguns dos espaços em Lisboa onde o pode fazer sem medo de ser enganado. Isto não quer dizer que não faça o seu trabalho de campo na Feira da Ladra ou, quem sabe, num contentor de obras de um edifício pombalino em busca daquele achado que o vai tornar no próximo grande milionário do país. Mas até lhe sair o Euromilhões está convidado a investir em peças de valor incontornável. E há artigos para muitos tipos de bolsos nestas lojas de antiguidades em Lisboa.

Recomendado: Lojas históricas em Lisboa: velhas, mas boas

 

Lojas de antiguidades em Lisboa

Polvorinho em chifre de antílope
©São Roque - Antiguidades e Galeria de Arte
Compras, Antiguidades

São Roque - Antiguidades e Galeria de Arte

icon-location-pin Lisboa

Viaja ao passado há mais de 30 anos, mas é desde 2007 que mora na Rua de São Bento, num espaço com cerca de 300m2 onde encontra mobiliário antigo, pintura religiosa ou naturalista, peças étnicas, pratas, loiças e terracotas. A tudo isto juntam-se algumas peças de autor do proprietário Mário Roque e muitas outras na zona da galeria, dedicada a promover artistas, épocas e estilos através de diversas exposições. Na mesma rua têm outro espaço, o São Roque Too (na porta 269).

(leiloado em 2018)
©DR
Compras, Antiguidades

Palácio do Correio Velho

icon-location-pin Bairro Alto

Fundada em 1989, esta casa de leilões estreou-se no mercado com o lote “Biblioteca de D. Carlos I e de D. Manuel II”, que colocou o Palácio do Correio Velho numa posição de destaque no mundo dos leilões. Hoje tem o selo municipal “Loja com História” e desde 2014 que também tem o serviço de leilões online, onde tanto pode encontrar um quadro do Júlio Pomar como jóias, porcelanas, relógios ou mobiliário antigo. E se tem heranças lá por casa que lhe parecem merecedoras de um olhar mais atento, pode sempre pedir uma avaliação à experiente equipa do Palácio do Correio Velho.

Publicidade
solar antiques
©Inês Félix
Compras, Antiguidades

Solar Antiques

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

É a maior e mais antiga loja do mundo especializada em azulejos originais. Verónica Leitão é a terceira geração da família a abraçar o negócio que inclui um número infindável de azulejos portugueses dos séculos XV a XIX, painéis originais, como o Painel dos Saltimbancos que nasceu no século XVIII na Quinta dos Anjos de Carnide (por 8200€ é seu), muita porcelana das Caldas da Rainha, colunas em talha, portas, peças de exterior, um cantinho Bordalo – tudo, enfim, o que Manuel Leitão, filho do fundador, acredita ser a alma de um povo. “Não estamos a vender, estamos a transmitir conhecimento e peças a gerações futuras”, defende. E é seguro comprar aqui azulejos: “Não compramos em pequenas quantidades, porque podem ser azulejos roubados. Tudo o que compramos é reportado à polícia”, explica Verónica. Se quiser um bonito azulejo, por 10€ vai bem servido.

O Segredo dos Tempos
Fotografia: Inês Félix
Compras, Antiguidades

O Segredo dos Tempos

icon-location-pin Sete Rios/Praça de Espanha

O antiquário de José Cerqueira já existe há três décadas e é um mundo de preciosidades. Tem um armazém nas Laranjeiras, mas na loja encontra muitos artigos valiosos e também curiosos, como peças basculantes em cerâmica do tempo Raphael Augusto Bordallo Pinheiro – só a figura de uma ama, oriunda de uma colecção particular, fica-lhe por 680€. A ostentar também está um gigante alambique em cobre do século XIX por 950€. Isto durante a nossa visita, porque aqui tudo se vende.

Publicidade
©Inês Félix
Compras, Lojas vintage

Brique à Braque de São Bento

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Há 43 anos que Margarida Paio e o marido João fazem negócio no número 542. Ele, marceneiro e restaurador de móveis, sempre esteve no ramo. Margarida trabalhava numa multinacional, mas o gosto acabou por pegar e por ali foi ficando. Em montra há cromos, pins, telefones antigos e quadros, num espólio perfeitamente plausível de catalogar como uma verdadeira cápsula do tempo.

Antiguidades Raul Correia
©Inês Félix
Compras

Antiguidades Raul Correia

icon-location-pin Bairro Alto

Mesmo em frente ao Convento dos Cardaes, na Rua do Século, encontra uma montra para um vasto mundo de preciosidades. Um mundo criado pelo coleccionador Raul Dias Correia que agora renasce pelas mãos da filha Filipa que herdou um verdadeiro império de antiguidades com peças que remontam ao século XVII. Agora, os clientes podem, sob marcação, explorar os armazéns abrantinos e fazer lá as suas compras. Entre as propostas, encontra-se, por exemplo, uma dobadoura (para dobrar as meadas) do século XV restaurada, uma máquina de limpar facas, uma balança dos anos 40 da Krups, livros e cartazes e até latas de tudo e mais alguma coisa.

Publicidade
lojas de antiguidades
Alda Luís Antiguidades
Compras

Alda Luís Antiguidades

icon-location-pin Beato

A Alda Luís Antiguidades actua em todo o mercado nacional, mas sobretudo na região de Lisboa, dedicando-se à compra e revenda de antiguidades e velharias, destacando-se santos e figuras religiosas, salvas e outros artigos em prata e ouro, pinturas, porcelanas e mobiliários antigos. Além do comércio de peças usadas e antiguidades, também há um serviço de restauro de várias categorias de produtos, desde mobiliário a tapeçarias de todo o tipo, passando por lustres de cristal e vidro e aguarelas e gravuras antigas.

Mais lojas em Lisboa

Tous – Ourivesaria Aliança
©DR
Compras

Saiba quais são as lojas mais bonitas de Lisboa

Há uma série de lojas onde vale a pena entrar, mesmo que não vá para abrir a carteira. Algumas parecem autênticos museus, com talhas douradas e tectos trabalhados, outras são mais modernas e com ar minimalista, mas todas valem a visita.

Publicidade
Publicidade