Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Cara ou coroa? As nossas apostas para os Globos de Ouro de televisão
Ozark1/15
©DROzark
Ratched2/15
©DRRatched
The Crown S43/15
Des Willie/NetflixGillian Anderson como Margaret Thatcher
The Mandalorian (2019)4/15
©DisneyThe Mandalorian de Jon Favreau
Lovecraft Country5/15
©IMDBJonathan Majors e Jurnee Smollett em Lovecraft Country
Emily in Paris (2020)6/15
©DRLily Collins em Emily in Paris
The Flight Attendant7/15
©DRKaley Cuoco em The Flight Attendant
The Great (2020)8/15
©DRThe Great
Ted Lasso (2020)9/15
©DRTed Lasso
Schitt’s Creek10/15
©DRSchitt’s Creek
Gambito de Dama (2020)11/15
©DRAnya Taylor-Joy em Gambito de Dama
Unorthodox (2020)12/15
©DRShira Haas em Unorthodox
The Undoing (2020)13/15
©Niko TavermiseNicole Kidman e Hugh Grant em David E. Kelley
Normal People (2020)14/15
©DRNormal People
Small Axe (2020)15/15
©DRSmall Axe

Cara ou coroa? As nossas apostas para os Globos de Ouro de televisão

Nesta temporada, os principais prémios de TV giram à volta do streaming, com a Netflix em destaque. Antecipamos a entrega dos Globos de Ouro.

Por Hugo Torres
Publicidade

Depois de um ano singular, uma temporada de prémios sem precedentes. Em 2021, o habitual período de celebração do cinema e da televisão, com sucessivas cerimónias de entrega de prémios, será mais longo do que o costume. Vai pelo menos até 25 de Abril, noite prevista para os Óscares. Os Globos de Ouro, entregues na madrugada de domingo para segunda-feira (na hora de Portugal, 1 de Março, da 01.00 às 04.00), são o primeiro grande momento. Sem passadeira vermelha e com apresentadoras e convidados ligados digitalmente, a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood vai distinguir uma produção audiovisual que passou sobretudo pelo streaming em ano de pandemia. A Netflix domina em número de nomeações (42), tanto nos filmes como nas séries – mas pode haver surpresas. Antecipamos as principais categorias de TV, para que veja o que ainda não viu e possa partilhar indignações informadas quando o vencedor for outro que não o seu favorito.

Recomendado: Os melhores filmes de 2020

Melhor série dramática

Netflix

Com três séries nomeadas em cinco, está na linha da frente para levar o prémio para Los Gatos, Califórnia. Desse lote, a vencedora menos provável é Ratched, uma origin story da retorcida enfermeira de Voando Sobre Um Ninho de Cucos (Milos Forman, 1976) e mais uma prova do deslumbramento e da complacência de Ryan Murphy (Glee, American Crime Story) com a indústria desde que assinou um contrato milionário com a Netflix, que lhe deu carta branca para fazer o que quisesse (alguém lhe ponha uma trela!).

Os olhos estão postos em The Crown, a destacada favorita. Esta grande produção venceu esta categoria em 2017 e, desde então, tem sido sempre nomeada. À quarta temporada, nos anos 1980 de Thatcher e do “conto de fadas” de Charles e Diana, a criação de Peter Morgan mantém a pose e cumpre com o protocolo previsto para uma série de prestígio: enche o olho e faz figura entre os nomeados (além de melhor série dramática, também estão indicados Olivia Colman, Emma Corrin, Gillian Anderson, Helena Bonham Carter e Josh O’Connor).

Mas por aqui já temos bandeiras, cachecóis e demais parafernália de adepto para torcer por Ozark, a terceira produção Netflix na corrida a este prémio. Ooooooooooozark!... Ouvem-nos daí? A série protagonizada por Jason Bateman, Laura Linney e Julia Garner (também nomeados), sobre uma família de classe média-alta, burocrática e enfadonha, que se vê obrigada a lavar dinheiro para um cartel mexicano, num casino flutuante paredes meias com um bando de rednecks, é tudo o que os viúvos de Breaking Bad estavam a precisar.

Disney

A pergunta que está na mente de toda a gente é: como é que a Associação de Imprensa Estrangeira consegue resistir a mimar uma série com um “Baby Yoda”? A resposta é: talvez não resista. Embora a recente polémica com uma das suas protagonistas, Gina Carano – que comparou a luta política nos EUA com o processo que conduziu ao Holocausto, sendo prontamente despedida pela Disney –, não ajude, The Mandalorian tem argumentos de sobra para conquistar o Globo de Ouro. Desde logo porque o showrunner Jon Favreau acrescenta camadas a uma das sagas mais acarinhadas do cinema, Star Wars, explorando a desconhecida história da espécie do mestre Yoda.

Publicidade

HBO

Lovecraft Country é o quinto e último nomeado. A série criada por Misha Green é simultaneamente uma homenagem aos resistentes da América segregada e uma antologia exacerbada de (demasiados) géneros de terror e ficção científica. Se este serviço de streaming estaria mais bem representado por I May Destroy You? Claro que sim.

Melhor série de comédia ou musical

Netflix

Emily in Paris, a levíssima série do criador de O Sexo e a Cidade, Darren Star, acompanha o choque cultural vivido por uma jovem do Midwest americano no ambiente snobe de uma empresa de moda na capital francesa, para onde vai trabalhar como especialista em marketing digital. A nossa tese? Foi nomeada para compensar a protagonista, Lily Collins (também indicada em nome próprio), por não ter sido reconhecida por Mank.

HBO

Nesta categoria, é aqui que está a pole position, com duas nomeações. Uma para The Flight Attendant, comédia negra pilotada por Kaley Cuoco, que após 12 temporadas de A Teoria do Big Bang é indicada pela primeira vez para um Globo de Ouro de interpretação. A actriz faz de Cassie Bowden, uma assistente de bordo alcoólica que acorda num quarto de hotel junto a um homem degolado (a aventura romântica da noite anterior). Divertido? Não tanto como The Great – nem de perto nem de longe. A Rússia imperial e obscurantista do século XVIII, governada por um mimalho egocêntrico, depravado, absolutista e sanguinário, tem muito mais material para nos rirmos. E o criador Tony McNamara (A Favorita) carrega na caricatura, com a preciosa ajuda de Elle Fanning (Catherine) e Nicholas Hoult (Peter, o imperador), ambos também nomeados. Não é a nossa aposta, mas, se vencer, huzzah!

Publicidade

Apple TV

Talvez seja a primeira vez que se usa a palavra underdog e Apple na mesma frase – mas no streaming, a este nível, ainda faz sentido. Ted Lasso corre à margem dos gigantes da nova televisão, mas é um concorrente à altura das circunstâncias. Trata-se de uma comédia que não vive só de risos e momentos embaraçosos; pode mesmo levar à lágrima comovida. Centra-se na personagem que lhe dá nome, interpretada por Jason Sudeikis, um treinador de futebol americano contratado para treinar um clube de futebol inglês. Porquê? Porque a presidente do clube, Rebecca Welton (Hannah Waddingham), quer afundá-lo por vingança.

TVCine

Escondida na recôndita Pop TV, Schitt’s Creek demorou a fazer o seu caminho na televisão americana, e só se estreou em Portugal em Novembro passado, quando já tinha chegado ao fim das suas seis temporadas e limpado a última edição dos Emmys. É a única representante do cabo nestas categorias, mas é a mais forte candidata a ganhar esta. A vida dos Rose, uns ricalhaços caídos em desgraça e forçados a viver numa cidade perdida e rural, é o motor desta sátira criada e interpretada por Eugene e Dan Levy (pai e filho). Se só vai começar a ver agora, não tem problema: o TVCine+ disponibiliza todos os episódios.

Melhor minissérie

Netflix

Eis-nos na grande incógnita destes três prémios. A Netflix tem duas produções nomeadas, uma das quais com boas hipóteses de fazer boa figura: Gambito de Dama. A minissérie criada por Scott Frank e Allan Scott, dois argumentistas de diferentes gerações, agarrou meio mundo à história de Beth Harmon (Anya Taylor-Joy), um génio do xadrez, solitária e autodestrutiva. Não é de estranhar que agarre a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood também. Por outro lado, Unorthodox é uma pérola do catálogo, sobre uma jovem (Shira Haas) que foge de uma comunidade judaica ultraortodoxa e do casamento forçado, em busca de uma liberdade que só encontra na música, que lhe é interdita. Uma pérola que parece ganhar só pelo facto de estar nomeada. Se não ouviu falar dela ou ainda não a viu, não se deixe enganar pela falta de buzz: é essencial. Baseia-se em factos reais.

HBO

Aqui estão os outros dois títulos com aspirações ao prémio, em particular The Undoing, produzida e interpretada por sua alteza real dos olhos bem abertos, Nicole Kidman. Um thriller psicológico envolvendo a classe alta de Manhattan, logo transformado em drama de tribunal, que nos envolve na dúvida sobre a possibilidade de um respeitado oncologista pediátrico (Hugh Grant), casado com a personagem de Kidman, ser ou não o assassino brutal da deslumbrante Elena (Matilda de Angelis). O criador, David E. Kelley, é o mesmo de Big Little Lies – e as comparações não são descabidas. Mais modesta e sem nomes sonantes, a produção irlandesa Normal People, que acompanha a entrada na idade adulta de Marianne Sheridan (Daisy Edgar-Jones) e Connell Waldron (Paul Mescal), com os desafios e as inquietações próprias dessa altura da vida, também seduziu audiência suficiente para se apresentar de cabeça erguida nesta cerimónia dos Globos de Ouro.

Publicidade

Amazon Prime

Last, but certainly not least, Steve McQueen. O realizador de 12 Anos Escravo assina a série antológica Small Axe, que se debruça sobre a difícil vida dos imigrantes das “Índias Ocidentais” numa Londres não muito longínqua – as cinco histórias decorrem entre 1969 e 1982. O título é uma referência a um provérbio inglês (“If you are the big tree, we are the small axe”) que Bob Marley já havia vertido em canção. Música é, aliás, o que não falta por aqui, nem comida bem condimentada, para temperar a luta diária desta comunidade negra. Os críticos de Nova Iorque e de Los Angeles já distinguiram esta obra, nas respectivas entregas de prémios. John Boyega (Star Wars) faz parte do elenco e também está nomeado para o Globo de Ouro de Melhor Actor Secundário em televisão. A Amazon é mais discreta e menos prolífica do que os concorrentes do streaming, o que significa que nem sempre é levada na conta certa. Mas não se surpreenda se Small Axe arrancar este prémio pela raiz.

As nossas escolhas em 2020

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade