A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Kiko e os Animais, de Yawen Zheng
Kiko e os Animais, de Yawen Zheng

Festival PLAY: estes filmes não são para meninos

O PLAY é o festival de cinema infantil e juvenil de Lisboa, mas – aqui entre nós – é uma excelente oportunidade para ver animação da boa. Mesmo se já é graúdo.

Raquel Dias da Silva
Escrito por
Vera Moura
e
Raquel Dias da Silva
Publicidade

A 9.ª edição do PLAY – Festival Internacional de Cinema Infantil e Juvenil de Lisboa vai voltar à cidade já no próximo sábado, 12 de Fevereiro, e prolonga-se até dia 20, no Cinema São Jorge e na Cinemateca Júnior. A programação inclui mais de 130 filmes e actividades paralelas para toda a família, desde ateliês de cinema até cine-concertos. Entre as novidades, destacam-se as sessões com língua gestual portuguesa e um novo ciclo de Cine-Poesia, para que entre sons e imagens não nos esqueçamos dos que dedicaram a sua vida às palavras. “Queremos homenagear poetas portugueses e vamos começar com Manuel António Pina, que tem uma obra muito rica dedicada à infância”, diz-nos a co-directora, Catarina Ramalho. “Cada sessão terá o nome de um poema seu, que estará presente em breves excertos.”

Recomendado: Filmes de animação que ganharam um Óscar

O melhor do PLAY 2022

Para bebés (1-2 anos)
Canção Feliz, de Trevor Hardy

1. Para bebés (1-2 anos)

No PLAY, bastam 15 minutos para começar uma carreira de espectador. É precisamente esta a duração das sessões para bebés, convidados a viver a sua primeira experiência de cinema em família. As sessões não são propriamente temáticas, mas a maior parte dos filmes conta com a presença de animais, inclusive como protagonistas. Entre as curtas-metragens programadas, encontra-se Lontras, de José Miguel Ribeiro, sobre o que fazem as lontras antes de ir dormir; Canção Feliz, de Trevor Hardy, que promete embalar todos os bebés; e Descobertas Inesperadas, de James Mabery, acerca de um jovem em busca de uma lanterna que lhe permita explorar outros lugares. “Este ano, vamos ter também uma sessão marsupial, para os recém-pais irem com os seus bebés”, conta Catarina, antes de revelar, por entre risos, estar programado um filme de Pedro Almodóvar, Mães Paralelas (15 Fev, Ter 14.30).

Para crianças (3-5 anos)
Alba, de Elva Arrieta Tabuzo

2. Para crianças (3-5 anos)

Entre lobos, meias ímpares e a amizade entre um gorila e uma banana, sobressaem várias histórias sobre identidade, como Alba, de Elva Arrieta Tabuzo, sobre uma rapariga que vive num mundo onde não pode brincar como os rapazes; Dança Cigana, de Radoslava Lacková, sobre uma menina em busca das suas raízes; e Marmelada, de Radostina Neykova, sobre o que é preciso para se ser um herói. “Temos também um filme maravilhoso, o Bemol, de Oana Lacroix, que está em competição e é sobre um rouxinol sem penas que um dia se constipa.”

Publicidade
Para miúdos (6-9 anos)
Como Superei o Meu Medo de Humanos, de Hélène Ducrocq

3. Para miúdos (6-9 anos)

“O critério de selecção é o conteúdo e a qualidade”, assegura Catarina Ramalho. “Entre os vários tópicos que decidimos abordar, achámos também que era importante falar da morte, de uma forma igualmente lúdica, porque talvez haja muita gente que tenha perdido alguém este último ano.” Em Como Superei o Meu Medo de Humanos, de Hélène Ducrocq (13 Fev, Dom 11.45, e 19 Fev, Sáb 15.00), a aranha Dédaliah confronta-se com a morte e interroga-se se poderia ter ido para Nova Iorque com o seu melhor amigo se não tivesse tanto medo. É o que os pequenos espectadores são convidados a descobrir em menos de nove minutos. “Vamos ainda passar filmes realizados por crianças, numa sessão grátis (12 Fev, Sáb 11.45), de que é exemplo Diários de Quarentena.”

Para pré-adolescentes (10-13 anos)
Cinco Pedras, de Ankit Kothari

4. Para pré-adolescentes (10-13 anos)

A co-directora do festival recomenda, desde logo, Cinco Pedras, de Ankit Kothari (13 Fev, Dom 17.00). “É live-action e retrata a sociedade indiana e como a amizade pode superar todas as regras sociais”, diz-nos, antes de nomear mais alguns títulos a não perder. É o caso de RapazRaparigaMix (12 Fev, Sáb 17.00), um curto documentário holandês sobre Wen Long, uma criança com nove anos, feliz por poder escolher o seu género e contar a sua história. Realizado por Lara Aerts, já foi premiado e nomeado em reconhecidos festivais internacionais, como o Holebifilmfestival Leuven, na Bélgica, o Giornata di Queer, em Itália, e o Minikino International Short Film Festival, em Bali, na Indonésia.

Publicidade
Actividades paralelas
Revista Dois Pontos

5. Actividades paralelas

No âmbito das conversas sobre cinema, o PLAY recebe a realizadora francesa Hélène Ducrocq, que também acompanhará um dos ateliês de animação, os workshops mais esperados do ano. Entre a programação, destaca-se, por exemplo, o popular ateliê de dobragens (20 Fev, Dom 11.00 e 15.00, M/6), onde as crianças têm oportunidade de aprender sobre tudo o que é preciso para pôr as personagens a falar. Já o cine-concerto (19 Fev, Sáb 17.00) desta edição está a cargo de Mistah Isaac, que irá musicar ao vivo duas curtas-metragens da realizadora Hermína Týrlová, uma das figuras mais importantes da animação checa da segunda metade do século XX. Mas há mais. A revista Dois Pontos junta-se ao festival com uma banca de actividades para crianças curiosas e criativas; e a BLX – Bibliotecas Municipais de Lisboa estará presente com a habitual loja e com um cadeirão feito de livros usados, danificados ou estragados, onde os mais novos se vão poder sentar para a fotografia.

Lisboa dos pequenitos, bairro a bairro

  • Miúdos

Lá no cimo da montanha, não faltam coisas para descobrir: parques e jardins a compor o cenário bucólico; restaurantes para comer perto da vila, no meio da serra ou quase com os pés na areia; praias paradisíacas; hotéis onde vale a pena pernoitar e dezenas de coisas para fazer. Quer levar os miúdos a reboque? Nesta lista encontra duas mãos cheias de ideias para entreter os mais pequenos em Sintra.

  • Miúdos

Está com vontade de explorar a cidade, mas anda com os miúdos de atrelado? Há propostas de coisas para fazer ao ar livre para si e para eles. Com o bónus, atenção, de o ajudar a tirar-lhes a energia sem dar cabo do orçamento. Desde jardins e parques para jogos em família até miradouros e roteiros de arte urbana para ver as vistas, estas sãos as melhores actividades ao ar livre para crianças em Lisboa e arredores.

Publicidade
  • Miúdos

Teatro, cinema, passeios, exposições, workshops de tudo e mais alguma coisa, sessões de leitura, visitas guiadas e muito mais actividades para descobrir Lisboa e arredores, sempre com os miúdos a reboque (sejam bebés ou pré-adolescentes). Se ao longo do ano há mais de 101 coisas para fazer com crianças na cidade, num fim-de-semana perfeito em família também não queremos que lhe falte nada.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade