Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Dez filmes que ganharam o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro
Dersu Uzala,
A Águia da Estepe (1975)

Dez filmes que ganharam o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro

Fellini, Truffaut ou Bergman são alguns dos realizadores cujos filmes ganharam o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

O Óscar de Melhor Filme Estrangeiro – ou o Melhor Filme Internacional, como se chama agora – é o parente pobre na cerimónia de entrega dos prémios da Academia. No entanto, foi uma das poucas estatuetas douradas que durante anos valeu a alguns dos grandes clássicos da sétima arte, como , de Federico Fellini, ou A Noite Americana, de François Truffaut. Mas isso parece estar a mudar. Roma, de Alfonso Cuarón, era um dos favoritos do ano passado nalgumas das principais categorias, e este ano é Parasitas, do sul-coreano Bong Joon-ho, que se destaca com seis nomeações, incluindo nas categorias de Melhor Filme e Realização.

Vote aqui para quem acha que devia ser o filme vencedor este ano. 

Dez filmes que ganharam o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro

1. ‘O Meu Tio’, de Jacques Tati (1958)

O “tio” do título é o Sr. Hulot, a tão genial quanto gentil e distraída personagem interpretada por Jacques Tati, que também funciona como o seu alter ego cinematográfico. Hulot vai visitar o sobrinho de nove anos, que vive com os pais numa vivenda ultramoderna num novo subúrbio de Paris, e esta situação familiar serve para Tati fazer uma sátira minuciosa, certeira, irresistível, à sociedade de consumo, de massas e da inovação tecnológica que despontava em França, passados os anos duros do pós-guerra, e confrontar Hulot com ela.

2. ‘A Fonte da Virgem’, de Ingmar Bergman (1960)

Este filme de época deu a Ingmar Bergman o primeiro dos três Óscares de Melhor Filme Estrangeiro que ganhou. O realizador sueco baseou-se numa lenda medieval do seu país para rodar esta história da implacável vingança de um pai sobre os três homens que lhe violaram e mataram a filha adolescente. É clara a influência de Akira Kurosawa no estilo de Ingmar Bergman à época, tendo o próprio realizador chamado então ao filme, cheio de referências ao paganismo e ao cristianismo, “uma pobre imitação de Kurosawa”.

Publicidade

3. ‘Comboios Rigorosamente Vigiados’, de Jiri Menzel (1967)

Baseado num livro do escritor e actor checo Bohumil Hrabal, que também assina o argumento, este é um dos títulos mais conhecidos e celebrados da Nova Vaga do cinema checoslovaco, e a primeira-longa metragem do seu realizador, Jiri Menzel. Milos, o jovem herói, arranja emprego numa estação de caminhos de ferro do seu país durante a ocupação alemã na II Guerra Mundial, e está obcecado em perder a virgindade. Menzel espeta várias farpas no poder comunista da época com esta comédia erótica e sardónica.

4. '8½', de Federico Fellini (1963)

É o mais icónico filme de Federico Fellini e um dos quatro premiados com o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro. Aqui, o realizador italiano monta um verdadeiro circo de emoções a partir das suas próprias emoções, entregando ao maior dos actores europeus, Marcello Mastroianni, o papel de seu alter ego. E, como no circo, o cineasta faz da sua história uma enorme festa, uma celebração, por vezes algo carnavalesca, mas que com o seu olhar entre o satírico e o trágico se transforma quase num hino à vida e um sinal do optimismo da época para este realizador atormentado com o final a dar ao seu filme.

Publicidade

5. ‘O Charme Discreto da Burguesia’, de Luis Buñuel (1972)

O mestre espanhol Luis Buñuel dá aqui largas ao seu gosto pelas derivas surrealistas e pelas narrativas desprovidas de qualquer lógica. Dois casais dirigem-se a casa de amigos para jantar, mas lá chegados, descobrem que se enganaram no dia. Vão então a uma estalagem para comer, mas está fechada, porque o dono morreu e está a ser velado lá por família, amigos e empregados.  O filme inclui cinco encontros semelhantes, com estas e outras personagens, envolvendo várias peripécias, e quatro sequências de sonhos das mesmas.

6. ‘A Noite Americana’, de François Truffaut (1973)

Um dos melhores filmes já feitos sobre o cinema, passado durante a atribulada rodagem de um filme, um dramalhão sentimental intitulado Je Vous Présente Paméla. Truffaut, que também interpreta o papel do realizador, filma animada, detalhada e gostosamente, os problemas, as peripécias, os inesperados, as relações de amizade e amorosas que se fazem e desfazem durante uma rodagem, bem como os problemas, as manias e os ridículos de actores e actrizes, mostrando todo o artifício em que o cinema assenta – começando logo pelo do título.

Publicidade

7. ‘A Águia da Estepe’, de Akira Kurosawa (1975)

O melhor do cinema japonês encontra-se com o melhor do cinema soviético nesta obra-prima que o grande realizador nipónico Akira Kurosawa foi fazer à União Soviética. Passada no início do século XX e baseada em factos reais, esta é a história da amizade entre Vladimir Arsenev, um capitão de engenharia do exército russo, e Dersu Uzala, um caçador nómada, que foi o guia da equipa que aquele liderou em duas expedições aos confins da Rússia asiática. Uma grande aventura clássica de exploração na natureza, um magnífico poema cinematográfico e uma elegia por um modo de vida.

8. 'Cinema Paraíso', de Giuseppe Tornatore (1988)

Quem não conhece a história de Salvatore, que recua 30 anos no tempo, por via da memória, para regressar ao mundo mágico dos filmes, guiado pelo projeccionista Alfredo. Escrito e dirigido por Giuseppe Tornatore, Cinema Paraíso foi lançado em 1988, conquistou a Academia, e garantiu um lugar na posteridade. Mais de três décadas depois da estreia, continua a ser um dos mais populares filmes italianos e ainda consegue levar o público às salas, como se percebeu em 2018, quando regressou aos cinemas numa cópia restaurada digitalmente.

Publicidade

9. 'A Vida é Bela', de Roberto Benigni (1997)

Guido Orefice (Roberto Benigni) conhece Dora (Nicoletta Braschi) e conquista-a com o seu humor. A vida corre bem e, com ela, chega Giosue (Giorgio Cantarini), o filho do casal. Mas a felicidade é interrompida  quando Guido e Giosue são separados de Dora e levados para um campo de concentração. Determinado a proteger o filho dos horrores que os cercam, Guido convence Giosue de que o tempo no campo é apenas um jogo. Resulta daí um dos filmes italianos mais rentáveis de sempre que, além do Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, recebeu mais duas estatuetas, incluindo a de Melhor Actor, para o também realizador Roberto Benigni.

10. 'Roma', de Alfonso Cuarón (2018)

Nesta narrativa pessoal e quase íntima, filmada a preto e branco, Alfonso Cuarón regressa à década de 1970, no bairro de Roma, na Cidade do México, e presta homenagem à empregada doméstica que o ajudou a criar. Depois de vencer o Leão de Ouro em Veneza, e inúmeros outros prémios, o filme foi nomeado para dez estatuetas douradas e ganhou três — Filme Estrangeiro, Realização e Fotografia, todos para Cuarón, que já tinha vencido Óscares de Realização e Edição por Gravidade, cinco anos antes.

A caminho dos Óscares

Titanic
©DR

Os filmes que ganharam mais Óscares

Filmes

Antes da cerimónia de entrega dos Óscares, que se realiza a 9 de Fevereiro, em Los Angeles, recordamos alguns dos filmes com o maior número de estatuetas no currículo. O clássico Ben-Hur, realizado em 1959 por William Wyler, Titanic (1997), de James Cameron, e a terceira parte da trilogia O Senhor dos Anéis, rodada por Peter Jackson e estreada em 2003, lideram a lista dos recordistas de Óscares na história do cinema, com 11 prémios.

Meryl Streep nos Globos de Ouro 2017
©Image Group LA/HFPA

As actrizes e os actores com mais Óscares

Filmes

Foram muitos os actores e actrizes que, desde 1929, ganharam um Óscar. Pouco mais de 40 conseguiram levar para casa duas estatuetas da Academia ao longo da sua carreira. Mas mais do que isso? Quase nenhuns. Estes foram os actores e actrizes que ganharam mais Óscares até hoje.

Publicidade
Hitchcock Truffaut
©DR

Grandes realizadores que nunca ganharam o Óscar

Filmes

Já se sabe que nem sempre os melhores realizadores (e os melhores actores e os melhores filmes) são aqueles que ganham os Óscares, e já por muitas ocasiões as estatuetas de Hollywood foram parar às pessoas erradas, deixando de mãos a abanar quem as merecia. Conheça os grandes realizadores que nunca ganharam o Óscar (de melhor realizador).

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade