Lisboa icon-chevron-right Os filmes de Nicolas Cage: bom ou mau actor (ou oito razões para a dúvida persistente)

Os filmes de Nicolas Cage: bom ou mau actor (ou oito razões para a dúvida persistente)

Nicolas Cage é um génio, uma fraude, um medíocre com sorte, ou uma mistura disto tudo? Tentámos responder a esta questão
Nicholas_Cage_1_rgb.jpg_cmyk.jpg
O misterioso Nicolas Cage
Por Rui Monteiro |
Publicidade

Nicolas Cage é um bom actor ou nem por isso? É uma dúvida antiga, mas que persiste. E persiste porque não tem uma resposta óbvia – num dos episódios da sitcom Community, Abed Nadir, um dos personagens principais, inscreve-se numa cadeira chamada "Nicolas Cage: Good or Bad?” e quase enlouquece enquanto tenta responder a esta pergunta. Como não queremos que nos aconteça o mesmo, não vamos exactamente tentar resolver este mistério. Em vez disso, vamos recordo oito dos melhores e piores filmes em que o sobrinho mais mediático (desculpa, Jason Schwartzman) de Francis Ford Coppola entrou desde 1982 e deixar que cada um tire as suas próprias conclusões. Aí vai a nossa análise aos filmes de Nicolas Cage.

Recomendado: Clássicos de cinema para totós

O melhores filmes de Nicolas Cage

Arizona Júnior (1987)

Nicolas Cage teve um dos bons (ainda que tresloucados) papéis da sua carreira no segundo filme dos irmãos Joel e Ethan Coen. Cage é Hi McDonnough, um bandido incompetente e infértil que, juntamente com a mulher Ed (Holly Hunter), rouba um bebé. Um plano que já de si não era perfeito e se revela menos exequível de minuto para minuto, nesta comédia absurda e delirante onde entram ainda Trey Wilson, John Goodman e Frances McDormand, entre outros.

Um Coração Selvagem (1990)

O estilo sempre um bocadinho acima do tom serviu às mil maravilhas para a demencial correria dos sentidos e das personagens entre um abismo e outro, ou em saltar da frigideira para o fogo, se preferido, enquanto procuram a normalidade para as suas vidas na anormalidade frenética e sexual em que se movem. Neste filme de estrada dirigido magistralmente por David Lynch, a par com Laura Dern (outra actriz da escola Cage, por assim dizer), o actor vestiu com orgulho o piroso fato de Sailor Ripley e tornou-se um personagem para recordar. 

Publicidade

Morrer em Las Vegas (1995)

Uma fita em que toda a gente leva um Óscar. Mike Figgis pelo argumento e pela realização, Elisabeth Shue como actriz principal e, claro, Nicolas Cage, na obra em que compensou realmente dar o litro – o que como piada é um bocado foleira pois o protagonista literalmente bebe até morrer. Mau gosto piadético à parte, este papel de argumentista nas lonas, que encontra uma prostituta tão ou mais complicada e – porque não? – estragada do que ele, permite a Cage mostrar a sua qualidade representando um arco de sentimentos e sensações entre a lucidez e a agonia notáveis e comoventes.

Inadaptado (2002)

Inadaptado é um filme simplesmente magnífico. E Nicolas Cage encontra-se em pico de forma, a desempenhar ao mesmo tempo dois papéis: o alter-ego e o irmão de Charlie Kaufman, o mais brilhante e ousado dos argumentistas, que assina o argumento deste filme dirigido por Spike Jonze. Nestes dois papéis, Cage é sublime na interpretação da rivalidade entre os dois irmãos, moldando as suas habituais explosões de frenesim angustiado em uma espécie de agitação interior neurótica completamente apropriada à acção. 

Os piores filmes de Nicolas Cage

Companheiros à Força (1993)

Nicolas Cage já fizera O Feitiço da Lua e Um Coração Selvagem. Tinha um nome, por assim dizer. Porém, com Samuel L. Jackson ao lado, meteu-se nesta suposta comédia carregada de comentários raciais. Os quais, por muito que tentassem os argumentistas mostrar sagacidade, não tinham graça nenhuma e proporcionaram a ambos os actores uma actuação tão confusa que, de tão tosca, até tinha uma certa piada, quando se acha graça ao patético. Pode-se dizer que foi um sinal incompreendido. 



O Escolhido (2006)

Desta vez, Cage é um polícia em busca de uma jovem desaparecida numa ilha isolada na costa americana do oceano Pacífico, povoada por um grupo secreto de mulheres que gerem o lugar como um enclave semipagão. Como se isto não bastasse, o filme de Neil Labute é generoso no desenvolvimento do argumento da maneira mais bizarra possível sem qualquer medo do ridículo. Como acontece a outros filmes tão maus que até têm graça, tornou-se coisa de culto. Aliás, é em O Escolhido que o actor diz uma das suas mais tristemente célebres frases: “No, not the bees! Not the bees.”

Publicidade

O Perigo Espreita (2008)

Quando é para bater no fundo, o melhor é bater mesmo no fundo. E, na altura, nada parecia mais fundo no prestígio de qualquer actor que o desastrado Bangkok Dangerous, de seu título original, de Danny Pang e Oxide Chun Pang, autores conhecidos pela mediocridade disfarçada de baixo orçamento. E Nicolas lá foi fazer o seu papel. Agora de atirador furtivo existencial, encarregado de um assassinato que lhe causa problemas, não éticos, mas, sim, de demasiada e escusada exposição. Pior, apaixona-se por uma nativa, ganha consciência, e toma as decisões difíceis que tem de tomar enquanto anda de moto ao som de música pirosa. 



Ghost Rider: Espírito de Vingança (2011)

Para quem acredita nessas coisas, é como o caminho para o inferno da representação a presença de Cage em Ghost Rider: Espírito de Vingança, no qual, curiosamente, interpreta um motociclista fugido de um maléfico submundo qualquer. Por outro lado, é também a prova de que ao participar na película de Mark Neveldine e Brian Taylor o actor é capaz de tudo. E, que, por desafio ou singela maluquice ou simples ganância, voluntariamente se mete em empresas destinadas a cobrir os seus protagonistas de vergonha – como se não bastasse já ter sido protagonista do original de Mark Steven Johnson uns anos antes.

Os melhores filmes de....

Filmes

Sandra Bullock

Vencedora de um Óscar de Melhor Actriz em 2010 por Um Sonho Possível, Sandra Bullock impôs-se em Hollywood graças a Speed - Perigo a Alta Velocidade, em 1994, e conquistou os espectadores com a sua imagem de "girl next door". Eis alguns dos seus melhores papéis.

Amy Schumer
Photograph: Courtesy Justin Stephens
Filmes

Amy Schumer

Em pouco mais de dez anos, Amy Schumer passou dos clubes de comédia de Nova Iorque para a televisão e para o cinema, mas sem nunca abandonar o seu primeiro amor. Relembramos alguns dos melhores papéis da comediante e actriz.  

Publicidade
Filmes

Joaquin Phoenix

Há quem o compare a Marlon Brando e quem diga que é o melhor actor norte-americano do momento. Eis Joaquin Phoenix visto através de seis das suas maiores interpretações, dirigido por realizadores como Gus Van Sant, Ridley Scott ou Paul Thomas Anderson.

More to explore

Publicidade