Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O melhor de John Le Carré no cinema e na televisão
O Homem Mais Procurado
DR O Homem Mais Procurado

O melhor de John Le Carré no cinema e na televisão

Fomos seleccionar as mais conseguidas adaptações ao cinema e à televisão de obras do falecido mestre da literatura de espionagem.

Por Eurico de Barros
Publicidade

Muitos foram os livros do falecido John Le Carré adaptados a filmes e a séries de televisão, desde os anos 60. Várias desses filmes e dessas séries de televisão não estão à altura das obras originais, e o próprio Le Carré manifestou-se várias vezes sobre elas, aplaudindo as que aprovava e atacando as que julgava serem falhadas. De entre este considerável acervo de versões para cinema e televisão de títulos escritos pelo mestre britânico da literatura de espionagem, seleccionámos e propomos aquelas que consideramos serem as melhores. Algumas delas estão, inclusivamente, disponíveis em streaming e no YouTube.

Recomendado: As melhores razões para ligar a televisão esta semana

O melhor de John Le Carré no cinema e na televisão

‘O Espião que Veio do Frio’, de Martin Ritt (1965)

Richard Burton é o principal intérprete deste que é o primeiro bom filme baseado numa obra de John Le Carré. Burton dá corpo a Alec Leamas, um agente inglês enviado para lá do Muro de Berlim com a missão de fingir que mudou de lado, mas que na verdade vai espalhar desinformação sobre um perigoso agente da RDA. A fita revela já o desencanto de Le Carré em relação à Guerra Fria e Burton é soberbo de expressão dramática no tristonho e amargurado Leamas.

(Disponível na Amazon Prime)

‘A Toupeira’, de John Irvin (1979) / ‘A Gente de Smiley’, de Simon Langton (1982)

Sir Alec Guinness é um inesquecível e definitivo George Smiley, de alguma forma o alter ego ficcional de John Le Carré, neste díptico televisivo com o selo da BBC, em cujos argumentos o escritor participou. Smiley, um espião veterano, é obrigado a sair da sua semi-reforma para descobrir que é o agente soviético infiltrado no MI6, e depois enfrentar “Karla”, o seu velho inimigo do lado comunista. O mundo da espionagem visto como um misto de floresta de enganos e jogo de espelhos, muito longe das representações espectaculares dos filmes de acção do género. Estas são duas das melhores adaptações dos livros de Le Carré ao pequeno e ao grande ecrã. (E esqueçam o desnecessário e falhado remake para cinema da primeira, de 2011, com Gary Oldman como Smiley.)

(Disponíveis no YouTube)

Publicidade

‘A Rapariga do Tambor’, de George Roy Hill (1984)

A escolha de Diane Keaton para o papel principal deste filme foi muito criticada à altura, mas a verdade é que ela se sai muito bem no papel de Charlie, a actriz e militante anti-sionista que acaba por ser recrutada pela Mossad israelita para se infiltrar num grupo palestiniano para o destruir e eliminar o seu líder, com o qual ela se envolve sentimentalmente. Um retrato das cruéis realidades, das decepções elaboradas e da brutalidade amoral da guerra secreta.

‘A Casa da Rússia’, de Fred Schepisi (1990)

Esta história de espionagem do início da perestroika e da glasnost tem, atipicamente para Le Carré, um romance no centro. Sean Connery é Barley Blair, um pequeno editor inglês que fica na posse, em Moscovo, de importantes documentos sobre o arsenal nuclear soviético, que lhe foram entregues por Katya Orlova (Michelle Pfeiffer), e é reenviado para a URSS pelos serviços secretos ingleses, para obter mais informações. E acaba por pôr o seu amor por Katya e a segurança dela acima de tudo.

(Disponível na Amazon Prime)

Publicidade

‘O Alfaiate do Panamá’, de John Boorman (2001)

Depois de ter sido James Bond em vários filmes, Pierce Brosnan personifica aqui um agente do MI6, Andrew Osnard, que é o anti-007, um tipo grosseiro e incompetente, colocado no Panamá, e que é enganado por Harry Pendel (Geoffrey Rush), o mitómano alfaiate do título, que ele faz seu informador. John Le Carré escolheu aqui o registo de comédia negra para satirizar os ridículos e os absurdos do mundo da espionagem internacional, que podem conduzir a situações politicamente perigosas.

‘O Homem Mais Procurado’, de Anton Corbijn (2014)

Acabada a Guerra Fria com o colapso do comunismo e o triunfo das democracias ocidentais, sucedeu-lhe a Guerra ao Terror, em cujo contexto se passa O Homem Mais Procurado. É um intenso, bem ritmado e atmosférico thriller de espionagem passado em Berlim, sobre um checheno muçulmano que entrou ilegalmente na Alemanha e é suspeito de ligações terroristas. O malogrado Philip Seymour Hoffman está excelente no líder dos agentes germânicos.

Publicidade

‘A Rapariga do Tambor’, de Park Chan-wook (2018)

O realizador sul-coreano de elaboradas fitas de acção e suspense como Oldboy – Velho Amigo, Vingança Planeada ou A Criada, conseguiu fazer uma versão televisiva de A Rapariga do Tambor tão densa e tão empolgante como o filme de George Roy Hill de 1984, contando ainda com uma extraordinária interpretação de Florence Pugh no papel de Charlie. Agora uma inglesa, tal como no livro e como deve ser, e não uma americana radicada em Inglaterra, como acontece na fita.

Os melhores filmes de...

Sniper Americano
©2014 Warner Bros. Entertainment

Bradley Cooper

Filmes

Um dos nomes mais activos e notados de uma nova geração de intérpretes do cinema americanos, Bradley Cooper já trabalhou sob a direcção de cineastas como Clint Eastwood, Cameron Crowe e David O. Russell, e é um actor capaz de se mexer entre os grandes estúdios e o cinema independente Ei-lo em sete filmes fundamentais para o entendimento da sua ascensão em Hollywood.

Meryl Streep nos Globos de Ouro 2017
©Image Group LA/HFPA

Meryl Streep

Filmes

Faça lá as contas: 80 papéis, 19 nomeações aos Óscares, três vitórias. Se isto não merece um prémio de carreira, então não sabemos o que merece. A 74ª edição dos Globos de Ouro distinguiu Meryl Streep, de 67 anos, com o prémio Cecil B. DeMille. Enquanto o discurso da actriz norte-americana se tornou viral, nós fomos à procura dos seus dez melhores filmes.

Publicidade

Natalie Portman

Filmes

Ver os melhores filmes de Natalie Portman é como uma viagem no tempo através da vida da actriz nomeada para o Óscar pelo desempenho em Jackie. Começamos na sua estreia, com apenas 12 anos, no papel de uma criança que quer ser uma assassina, e viajamos através dos seus 22 anos de carreira. Desde a adolescente problemática de uma pequena cidade à lenda de filmes de acção.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade