A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Nomadland
Photograph: DisneyFrances McDormand é uma das nomeadas pelo papel em 'Nomadland – Sobreviver na América''

Óscares 2021: conheça as nomeadas para Melhor Actriz

Já se sabe, não tarda nada e está aí a cerimónia de entrega dos Óscares. Mas antes de 25 de Abril é preciso saber quem é quem.

Sebastião Almeida
Escrito por
Sebastião Almeida
Publicidade

Duas estreantes e três veteranas nestas andanças da passadeira vermelha dos Óscares. São assim, em traços gerais, as nomeadas na categoria de Melhor Actriz para a edição dos Óscares deste ano, dominada pela quantidade expressiva de filmes que chegaram ao público através do streaming. Frances McDormand é a protagonista de Nomadland e arrasou a concorrência nos Globos de Ouro, mas a prestação de Viola Davis em Ma Rainey – A Mãe do Blues ou da estreante Vanessa Kirby em Pieces of a Woman são de ter em conta. Andra Day e Carey Mulligan são as outras nomeadas para o Óscar de Melhor Actriz. A vencedora é anunciada a 25 de Abril.

Recomendado: Os nomeados para Melhor Actor

Óscares 2021 – Melhor Actriz

Andra Day (Estados Unidos vs. Billie Holiday)

É a primeira vez que a actriz norte-americana Andra Day é nomeada ao Óscar. Interpreta a famosa cantora de jazz Billie Holiday que, na película de Lee Daniels, se vê implicada em uma investigação federal liderada por Jimmy Fletcher (Trevante Rhodes), com quem teve uma relação conturbada.

Carey Mulligan (Uma Miúda com Potencial)

Há quem diga que à terceira é de vez. E esta é a terceira vez que Carey Mulligan está indicada para um Óscar. Interpreta Cassie, uma antiga estudante de medicina que vive com os pais no Ohio e procura vingar a melhor amiga, violada por um colega. Nos entretantos, passa a vida em bares fingindo-se frágil até os homens a levarem para casa e tentarem aproveitar-se, neste filme de Emerald Fennell.

Publicidade

Frances McDormand (Nomadland – Sobreviver na América)

A veterana Frances McDormand pode somar o terceiro Óscar da carreira. Nesta longa-metragem de Chloé Zhao (nomeada para a categoria de Melhor Realizador), dá vida uma mulher que perde tudo na crise financeira de 2008 e decide começar uma vida nómada, percorrendo o Oeste dos Estados Unidos numa carrinha que se transforma na sua casa e trabalhando onde consegue.

Vanessa Kirby (Pieces of a Woman)

Vanessa Kirby tornou-se conhecida em The Crown, ao interpretar a Princesa Margarida, irmã da rainha. E é outra das actrizes indicadas pela primeira vez para o prémio. Com Shia LaBeouf, neste filme de Kornél Mundruczó, forma um casal desolado por um parto caseiro que resulta na perda da filha recém-nascida. O plano-sequência que abre o filme tem dado que falar pela intensidade do seu desempenho.

Em streaming na Netflix

Publicidade

Viola Davis (Ma Rainey – A Mãe do Blues)

Em 2016, Viola Davis recebeu um Óscar pelo seu papel secundário em Vedações. E este pode ser o ano em que a actriz afro-americana  leva para casa a estatueta dourada pelo seu papel como protagonista. O filme de George C. Wolfe baseia-se na peça homónima de August Wilson, passada em 1927, quando uma banda se junta para gravar com a rainha dos blues, Ma Rainey.

Em streaming na Netflix

Histórias dos Óscares

  • Filmes

Foram muitos os actores e actrizes que, desde 1929, data da primeira cerimónia dos prémios, ganharam um Óscar. Pouco mais de 40 conseguiram levar para casa duas estatuetas da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood ao longo da sua carreira. Mas mais do que isso? Quase nenhuns. Katharine Hepburn é a actriz mais premiada, tendo recebido quatro Óscares de Melhor Actriz entre 1934 (por Glória de Um Dia) e 1982 (por A Casa do Lago). Depois vêm Daniel Day-Lewis, Meryl Streep, Jack Nicholson, Ingrid Bergman e Walter Brennan – o único que nunca foi eleito melhor actor principal, vencendo apenas por papéis secundários.

  • Filmes

Numa cidade em que o estatuto de A List diz muito, Hollywood continua a ser implacável com algumas das caras mais conhecidas da indústria. Na cidade dos anjos contam-se histórias que traduzem amores e desamores da condição humana, histórias de força e superação, histórias de desastre e redenção, para que nos seja possível suportar a existência. Mas, no fim, há mais em jogo do que uma linha que nos estremece ou um monólogo que nos acompanha como bíblia para o resto dos dias. A estatueta dourada é a bitola que separa o que é bom do que é divino, mas nem sempre é consensual.

Publicidade
Erros que ficaram para a história na entrega dos Óscares
  • Filmes

A história dos Óscares também é feita de erros. O mais recente, e sem dúvida o mais grave, foi a troca do envelope na entrega do prémio de Melhor Filme em 2017. Um lapso que, ainda por cima, demorou algum tempo a ser rectificado, e só quando a equipa de La La Land – A Melodia do Amor já estava em palco e os discursos de agradecimento iam a meio é que a produção explicou aos envolvidos que, afinal, Moonlight é que tinha vencido. Mas ao longo dos anos houve mais problemas e complicações. Recordamos outras gafes, entre trocas de nomes e homens nus.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade