Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Óscares 2019: estes são os nomeados para melhor actor

Óscares 2019: estes são os nomeados para melhor actor

Já se sabe, não tarda nada e está aí a cerimónia de entrega dos Óscares. Mas antes de 24 de Fevereiro é preciso saber quem é quem

Vice
©DR Vice de Adam McKay
Por Rui Monteiro |
Publicidade

É uma lista de pesos pesados, embora com duas estreias para Rami Malek e Willem Dafoe, já nomeado no passado na categoria secundária da representação, mas nunca na principal. Juntamente com Malek (Bohemian Rhapsody) e Dafoe (À Porta da Eternidade), estão na corrida Christian Bale, por Vice, Bradley Cooper, por Assim Nasce Uma Estrela e Viggo Mortensen, por Green Book – Um Guia para a Vida. Dos cinco, só Cooper dá vida a uma personagem fictícia, todos os outros são retratos reais de figuras tão conhecidas como Freddy Mercury, Vincent Van Gogh ou Dick Cheney. Conheça os cinco nomeados aos Óscares na categoria de Melhor Actor. O vencedor é anunciado a 24 de Fevereiro.

Recomendado: Os injustiçados das nomeações aos Óscares

Óscares 2019: estes são os nomeados para melhor actor

Assim Nasce uma Estrela
©2018 Warner Bros

Bradley Cooper (Assim Nasce Uma Estrela)

A carreira de Bradley Cooper começou discretamente num episódio de Sexo e a Cidade, em 1999. Porém, foi só em 2013 que recolheu a primeira de duas nomeações para Melhor Actor Principal pela sua interpretação em Guia para um Final Feliz, de David O. Russell, seguindo-se, em 2014, Sniper Americano, de Clint Eastwood, às quais juntou a candidatura a Melhor Actor Secundário em 2013, com Golpada Americana, outra vez dirigido por Russell. 2019 pode ser o seu ano, ao voltar à lista de nomeados para Melhor Actor Principal pelo seu desempenho no filme candidato ao principal galardão, porém afastado da competição para Melhor Realizador (o que, afirmou em entrevista a Oprah Winfrey, o deixou a dar para o indisposto) na película em que se estreou na direcção de longas-metragens e para o qual também contribuiu com o argumento, categoria em que também compete Assim Nasce Uma Estrela.

À Porta da Eternidade (2018)
©DCM

Willem Dafoe (À Porta da Eternidade)

Por estranho que possa parecer, dada a consistente qualidade das suas interpretações, esta é a primeira vez que Willem Dafoe é nomeado na categoria de Melhor Actor Principal. Antes, o ano passado, em 2001 e em 1987 fora já nomeado para Melhor Actor Secundário pelas suas notáveis prestações em, respectivamente, The Florida Project, de Sean Baker, A Sombra do Vampiro, de E. Elias Merhige, e, dirigido por Oliver Stone, em Platoon – Os Bravos do Pelotão. Bem se pode dizer que Julian Schnabel lhe abriu uma importante estrada para Óscar ao entregar-lhe o papel do pintor Vincent Van Gogh em À Porta da Eternidade.

Publicidade
Bohemian Rhapsody
©2018 Twentieth Century Fox Film Corporation

Rami Malek (Bohemian Rhapsody)

Para os apostadores profissionais ou amadores, ao vencer, primeiro o Globo de Ouro de Melhor Actor Principal em Filme Dramático, e quase logo a seguir empochar a mesma distinção nos prémios britânicos BAFTA, Rami Malek é um nome a considerar pela sua criação para o ecrã do ícone pop e líder dos Queen, Freddie Mercury, neste filme de Bryan Singer candidato em mais quatro categorias. O caminho do actor para o estrelato começou em meados da década quando foi nomeado para os Globos de Ouro, por dois anos consecutivos, pela sua interpretação na série televisiva Mr. Robot.

Vice

Christian Bale (Vice)

Com esta, é a quarta vez que Christian Bale é nomeado para um Óscar de interpretação. Ganhou, em 2011, na categoria Melhor Actor Secundário, pela sua prestação em The Fighter – Último Round, de David O. Russell, mas o título de actor principal continua a escapar-lhe. Agora, com este filme dirigido por Adam McKay, onde mais uma vez se desfigurou para melhor criar a personagem do antigo vice-presidente dos Estados Unidos Dick Cheney, chega ao Dolby Theatre com, por assim dizer, a vantagem de ter recebido o Globo de Ouro de Melhor Actor em Filme Musical ou Comédia, mas nada é garantido.

Publicidade
Green Book
© Ascot Elite

Viggo Mortensen (Green Book – Um Guia Para a Vida)

Será desta? Em 2007, quando protagonizou Promessas Perigosas, de David Cronenberg, Viggo Mortensen saiu frustrado da cerimónia. Esse foi o ano da sua primeira nomeação para Melhor Actor Principal. E frustrado sairia também o ano passado, quando foi candidato com Capitão Fantástico, de Matt Ross. Na sua terceira oportunidade, pelo filme de Peter Farrelly nomeado para mais quatro Óscares, Mortensen interpreta a personagem de um motorista racista, desempregado e sem cheta, que, no início da década de 60 do século passado, aceita conduzir um pianista clássico negro através de um dos estados mais segregacionistas da América.

Histórias dos Óscares

Meryl Streep nos Globos de Ouro 2017
©Image Group LA/HFPA
Filmes

As actrizes e os actores com mais Óscares

Foram muitos os actores e actrizes que, desde 1929, data da primeira cerimónia dos prémios, ganharam um Óscar. Pouco mais de 40 conseguiram levar para casa duas estatuetas da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood ao longo da sua carreira. Mas mais do que isso? Quase nenhuns. Katharine Hepburn é a actriz mais premiada, tendo recebido quatro Óscares de Melhor Actriz entre 1934 (por Glória de Um Dia) e 1982 (por A Casa do Lago). Depois vêm Daniel Day-Lewis, Meryl Streep, Jack Nicholson, Ingrid Bergman e Walter Brennan – o único que nunca foi eleito melhor actor principal, vencendo apenas por papéis secundários.

Glenn Close, Sunset Boulevard
© Brigitte-Lacombe
Filmes

Grandes actores e actrizes que nunca ganharam o Óscar

Numa cidade em que o estatuto de A List diz muito, Hollywood continua a ser implacável com algumas das caras mais conhecidas da indústria. Na cidade dos anjos contam-se histórias que traduzem amores e desamores da condição humana, histórias de força e superação, histórias de desastre e redenção, para que nos seja possível suportar a existência. Mas, no fim, há mais em jogo do que uma linha que nos estremece ou um monólogo que nos acompanha como bíblia para o resto dos dias. A estatueta dourada é a bitola que separa o que é bom do que é divino, mas nem sempre é consensual.

Publicidade
Filmes

Erros que ficaram para a história na entrega dos Óscares

A história dos Óscares também é feita de erros. O mais recente, e sem dúvida o mais grave, foi a troca do envelope na entrega do prémio de Melhor Filme em 2017. Um lapso que, ainda por cima, demorou algum tempo a ser rectificado, e só quando a equipa de  La La Land – A Melodia do Amor já estava em palco e os discursos de agradecimento iam a meio é que a produção explicou aos envolvidos que, afinal, Moonlight é que tinha vencido. Mas ao longo dos anos houve mais problemas e complicações. Recordamos outras gafes, entre trocas de nomes e homens nus.

Publicidade