Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Óscares: Oito bandas sonoras invulgares

Óscares: Oito bandas sonoras invulgares

O Óscar para Melhor Banda Sonora Original só surgiu em 1935, e nem sequer se chamava assim. Eis oito vencedores

Por Rui Monteiro |
Publicidade
Breakfast at Tiffany's (1961)
Breakfast at Tiffany's (1961)

O Óscar para Melhor Banda Sonora Original só surgiu na sétima cerimónia, em 1935, e nem sequer se chamava assim. Não importa, porque o que importa é a música que tornou alguns filmes melhores. Alguns compositores, como John Williams, alinham Óscares uns atrás dos outros pelo seu trabalho. Outros, como Nino Rota ou Henri Mancini, são mais discretos. E Ryuchi Sakamoto, então, cria ambientes como poucos, ou talvez só como Max Steiner outrora o fez. Oito exemplos excepcionais e bastante distintos seguem já a seguir. São bandas sonoras inesquecíveis – e premiadas pela Academia de Hollywood com o Óscar.

Recomendado: Óscares 2020

 

Óscares: Oito bandas sonoras invulgares

O Denunciante (1936)

Max Steiner já fora batido no ano anterior na corrida ao Óscar, mas, aqui, neste filme brilhante de John Ford sobre a rebelião irlandesa, o compositor ultrapassou toda a concorrência, principalmente a do lendário e por ele muito reverenciado maestro Erich Korngold.

O Feiticeiro de Oz (1939)

Como se sabe Dorothy (que é Judy Garland) é arrebatada por um tornado e vai parar a Oz neste filme de Victor Fleming, que soube entregar a Herbert Stothart a autoria da partitura e, assim, juntar mais uma estatueta à colecção recolhida pela película. O compositor não se fez rogado. E da sua extraordinária banda sonora sobra para sempre a beleza enternecedora de "Somewhere Over the Rainbow".    

Publicidade

Os Sapatos Vermelhos (1949)

Foi logo à primeira que Brian Easdale arrecadou Óscar. Para isso contou com a confiança dos génios esquecidos (ou pelo menos pouco lembrados) de Michael Powell e Emeric Pressburger, que o contrataram, e com a solidez de um argumento que lhe permitiu toda a fantasia que o mundo do bailado permite a compositor destinado a ilustrar a ascensão e queda de uma primeira bailarina. 

Boneca de Luxo (1962)

Breakfast at Tiffany's (que é o título original e aquele que todos recordam quando se lembram de Audrey Hepburn, muito mais do que de Truman Capote, autor do romance em que o filme se baseia, ou do realizador, Blake Edwards) tornou Henry Mancini definitivamente famoso com esta banda sonora jazzística e sofisticadamente elaborada, bastante distante, por exemplo, da tonitruância de El Cid e Os Canhões de Navarone, os seus outros dois óscares na mesma categoria.

Publicidade

O Padrinho, Parte II (1975)

Não fora alguém ter reparado que Nino Rota usara umas partes de outra banda sonora e o Óscar chegaria uns três anos antes e graças ao primeiro filme da série dirigida por Francis Ford Coppola. Assim, não foi no primeiro, foi no segundo O Padrinho que a sua música foi reconhecida, no processo derrotando Jerry Goldsmith (Chinatown) e John Williams (A Torre do Inferno), grande favorito nesse ano. 

O Expresso da Meia-Noite (1979)

Giorgio Moroder teve um papel demasiado importante na popularização do disco-sound para poder ser considerado (pelo menos pelos puristas pop-rock) um compositor sério, ou pelo menos mais sério que Nils Rodgers ou os irmãos Gibb. Mas, verdade, verdadinha, neste filme de Alan Parker (com argumento de Oliver Stone), sobre um rapaz apanhado a traficar pó na Turquia e respectiva via-sacra prisional, Moroder cria, através de um uso basto criativo da electrónica então disponível, uma música completamente adequada às necessidades narrativas da película. 

Publicidade

O Último Imperador (1988)

Quando é preciso criar um ambiente, seja para o que for, o melhor é chamar Ryuichi Sakamoto, como fez Bernardo Bertolucci (que ainda juntou temas de David Byrne e Cong Su) em O Último Imperador. O compositor japonês recusou tudo o que até aí era considerado obrigatório a uma banda sonora de qualidade, e criou um mundo novo onde antes predominava um sinfonismo barroco e provinciano, tornando o pastelão do realizador italiano suportável.

Os Oito Odiados (2015)

Ennio Morricone é um dos grandes compositores da história do cinema. As suas bandas sonoras para os westerns à italiana de Sergio Leone são icónicas e influenciaram dezenas de artistas, e o seu trabalho, ao longo do século XX, valeu-lhe cinco nomeações para o Óscar. Levou finalmente a estatueta dourada para casa em 2016, pelo seu trabalho neste western meditativo de Quentin Tarantino. Na altura, tinha 87 anos e estava afastado de Hollywood há mais de uma década.

A caminho dos Óscares

Titanic
©DR
Filmes

Os filmes que ganharam mais Óscares

Antes da cerimónia de entrega dos Óscares, que se realiza a 9 de Fevereiro, em Los Angeles, recordamos alguns dos filmes com o maior número de estatuetas no currículo. O clássico Ben-Hur, realizado em 1959 por William Wyler, Titanic (1997), de James Cameron, e a terceira parte da trilogia O Senhor dos Anéis, rodada por Peter Jackson e estreada em 2003, lideram a lista dos recordistas de Óscares na história do cinema, com 11 prémios.

Meryl Streep nos Globos de Ouro 2017
©Image Group LA/HFPA
Filmes

As actrizes e os actores com mais Óscares

Foram muitos os actores e actrizes que, desde 1929, ganharam um Óscar. Pouco mais de 40 conseguiram levar para casa duas estatuetas da Academia ao longo da sua carreira. Mas mais do que isso? Quase nenhuns.

Publicidade
Hitchcock Truffaut
©DR
Filmes

Grandes realizadores que nunca ganharam o Óscar

Já se sabe que nem sempre os melhores realizadores (e os melhores actores e os melhores filmes) são aqueles que ganham os Óscares, e já por muitas ocasiões as estatuetas de Hollywood foram parar às pessoas erradas, deixando de mãos a abanar quem as merecia. Conheça os grandes realizadores que nunca ganharam o Óscar (de melhor realizador).

Publicidade