Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Videoclubes em Lisboa? Três sítios para alugar filmes fora de casa
Cineteka
Fotografia: Manuel Manso Gonçalo Peres na Cineteka

Videoclubes em Lisboa? Três sítios para alugar filmes fora de casa

Já quase não existem, mas ainda conseguimos encontrar videoclubes em Lisboa. Vai uma viagem ao passado?

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

Os videoclubes por todo o mundo foram lentamente definhando desde meados da década passada. O nascimento e florescimento de plataformas de streaming chegaram para alimentar a preguiça de ir ao videoclube do bairro alugar um filme e ter dois dedos de conversa com a gerência sobre os últimos lançamentos ou clássicos do cinema. Podemos falar para a aplicação da Netflix ou da HBO, mas elas não respondem, embora nos garantam algumas recomendações tendo em conta as nossas preferências. E se a última loja Blockbuster fecha apenas em Março de 2019 (Perth, Austrália), tudo é possível. Como um videoclube em Marvila e um outro em Odivelas. Não são gigantes da indústria do cinema, mas são gigantes resistentes. E valha-nos as rede de bibliotecas pejadas de filmes de acesso gratuito.

Recomendado: Clássicos de cinema para totós

Três videoclubes em Lisboa – sim, ainda existem

Cineteka

Coisas para fazer Marvila

Começou por ser um videoclube online, nascido em 2004. Passados poucos anos abriu uma loja onde também se vendia merchansing relacionado com a sétima arte e chegou a passar por um canto da pastelaria Tasty Food, no Parque das Nações. Hoje mora no edifício Simol, no Braço de Prata, e está tudo lá: 12500 títulos à disposição, de todos os géneros, independentes ou mainstream, em DVD ou em Blu-ray. A Cineteka continua a alugar filmes e séries no site, mas também se pode dirigir à loja, tudo sem fidelização. Para além do horário normal, pode sempre devolver e levantar os filmes na recepção do edifício Simol entre as 8.30 e as 23.30 dos dias úteis ou entre as 9.00 e as 18.30 de sábado.

Woogie Boogie

Compras Grande Lisboa

É um videoclube, sim senhor, mas não sobrevive sozinho. Localizado no centro de Odivelas, no Woogie Boogie também pode fazer as suas apostas e não são para os Óscares: aqui joga-se Euromilhões, Lotaria Nacional, Totoloto ou Totobola. Na página oficial de Facebook, a montra digital do negócio, são publicados os trailers dos filmes que vão ficando disponíveis neste verdadeiro videoclube da velha guarda, "onde o cliente é amigo".

Publicidade

Bibliotecas Municipais

Atracções Bibliotecas, arquivos e fundações Areeiro/Alameda

Mais barato – ou melhor, de graça – está à disposição a colecção de filmes das Rede BLX. As bibliotecas municipais não são apenas recheadas a papel. Há muitos DVD’s por onde escolher. Quer requisitar o Rei Leão? Procure na Biblioteca Penha de França, Marvila ou Galveias. Está-lhe mesmo a apetecer rever o Casablanca? Vá até à Biblioteca Orlando Ribeiro, Olivais ou Coruchéus.

Procure estes filmes no videoclube

Os 100 melhores filmes de comédia de sempre

Filmes

Qualquer lista de melhores filmes de comédia de sempre é discutível (mas qual é que não é?), que isto do humor varia muito de pessoa para pessoa. Então como é que se escolhem os melhores? Com seriedade e abrangência. Mais concretamente, falando com peritos, desde cómicos a actores, realizadores e escritores.  

Os 100 melhores filmes de ficção científica de sempre

Filmes

O potencial cinematográfico (e não só) da ficção científica é quase infinito. É nestes filmes que os nossos maiores pesadelos podem tornar-se realidade e os nossos sonhos concretizar-se, ao mesmo tempo que é dito e posto em causa algo sobre o nosso presente. E o género sempre fez as delícias do público, desde o tempo dos efeitos especiais básicos e rudimentares dos filmes mudos ao excesso digital dos blockbusters contemporâneos. 

Publicidade

Os 100 melhores filmes de terror de sempre

Filmes

O cinema de terror é monstruoso. Destratado, incompreendido e alvo de virulentos ataques críticos, consegue ainda assim andar para a frente, deixado um rasto de destruição no seu caminho. Para alguns, os filmes de terror são pouco melhores do que pornografia, preocupando-se apenas em gerar uma reacção no público – seja horror, desassossego ou repugnância – e sem tempo a perder com aspirações mais elevadas. 

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade