Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right As novidades do Sublime Comporta para este Verão

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Hotel, Sublime Comporta
©Nelson Garrido Sublime Comporta

As novidades do Sublime Comporta para este Verão

À volta da nova piscina biológica nasceram nove suites de madeira e com elas mais uma boa desculpa para não sair do hotel

Por Nelma Viana
Publicidade

O adjectivo "sublime" caiu em desuso. Hoje, o que já foi excelso, perfeitíssimo, esplêndido ou majestoso resume-se a ser “incrível”. É sabido que o que é incrível deverá corresponder a algo que é assumidamente melhor do que muito bom, extraordinário até, mas da maneira que as coisas estão, com a generalização massiva do termo e sua utilização despreocupada, é perfeitamente possível que uma coisa “assim-assim” seja apresentada como sendo incrível por mera preguiça linguística do interlocutor. E onde é que entra o sublime no meio disto tudo? Desaparece do léxico corrente e fica fechado numa caixinha onde se guardam as palavras especiais que designam as coisas e os sítios que o são realmente.

Na aldeia de Muda, naquela zona do território em que a proximidade da Comporta se começa a sentir pelo aumento considerável de melgas, mosquitos e outras espécies voadoras nem sempre identificáveis a olho nu, o Sublime Comporta é justamente um desses sítios que respeita não só a forma mas sobretudo o conteúdo para se provar merecedor do título supremo das coisas boas.

Está, desde 2014, ano em que Gonçalo Pessoa e Patrícia Trigo decidiram converter a casa de férias da família num espaço aberto, na bucket list de quem vive para passear e conhecer sítios para lá de bonitos e é, desde então, unanimemente considerado um dos melhores hotéis do mundo. Um hotel incrível que na verdade é mesmo sublime.

Recomendado: os melhores sítios para ficar na Comporta

Depois de passarmos o portão que nos separa da vida de comum mortal, somos atacados por uma confusão espacio- -temporal que de repente nos mete algures num retiro de natureza no Belize. Alguns pestanejares e um abanão de cabeça mais tarde, situamo-nos: estamos a uma hora de Lisboa, a uma dúzia de quilómetros do mar e envolvidos por pinheiros e sobreiros que dificilmente encontraríamos lá nas Caraíbas.

O Sublime, vê-se logo, é imensamente português e ligado à terra. A sua imagem de marca, a fotografia que todos faz suspirar, é a do edifício-mãe, que é uma réplica de um antigo armazém de arroz. Um gigante de madeira com paredes de vidro metido no meio de uma floresta. Depois das villas a lembrar as típicas palhotas da Comporta, agora honra-se o património com nove Bio Pool Suites inspiradas na obra magnífica que é o Cais Palafítico da Carrasqueira.

NELSON GARRIDO

Imagine-se um bungalow de madeira de nível excepcional. Acrescente-se uma decoração rústica-chic, uma parede de vidro panorâmica com acesso a um alpendre com espreguiçadeiras que é banhado, de forma muito fabulosa, por uma das maiores piscinas biológicas da Europa. Sabe aquele azul-céu que geralmente se associa às piscinas? Não tem nada a ver.

Não há azulejos, pastilha ou microcimento capazes de reproduzir a cor natural de uma piscina livre de químicos. É verde, e é assim que deve ser quando a limpeza e purificação da água dependem exclusivamente das plantas e animais residentes. E não, não se vêem bichos nem se sentem coisas estranhas a fazer cócegas nos pés. Primeiro porque a piscina é profunda e depois porque a cada suíte corresponde uma área delimitada por uma plataforma submersa e estrutura que ajudam a guardar um perímetro de segurança contra a fauna e flora existentes e também contra eventuais invasões de território pelos vizinhos do lado.

Publicidade
Fabrice Demoulin

Depois de uma remodelação geral das cabanas e quartos (90 no total), as Bio Pool Suites aparecem para reforçar o compromisso ambiental do hotel, que acabou de plantar um pomar e uma agrofloresta, e de acrescentar mais de uma centena de espécies às 200 já existentes no jardim biológico que serve de despensa aos três restaurantes da casa.

A dois passos dos canteiros das aromáticas e das flores comestíveis está o Food Circle, uma sala de jantar intimista com lugar para 12 pessoas ao balcão e onde o único recurso da cozinha é o fogo (165€). Não vale a pena tentarmos chamar- -lhe um menu de degustação porque estaríamos a reduzir o que realmente acontece a uma simples refeição. Chamemos- -lhe antes uma experiência imersiva, um festim de boa comida e boa onda. Tiago Santos é o autor e executor da ementa, archeiro das brasas e fiel guardião de inconfidências e outros devaneios que possam surgir depois do terceiro copo de vinho. Conte com um desfile de pelos menos meia dúzia, desde o espumante para entreter logo à chegada até ao licoroso de Setúbal, não sem antes passar pelos títulos da casa.

carlos vieira

No edifício central, entre o bar e a recepção, o Sem Porta é o “restaurante de todos os dias” que não cai na óbvia cozinha tradicional. Respeita os produtos da estação e vai à origem buscar o sabor para apresentar uma cozinha elegante e descomplicada que aposta nas coisas como são. O boi e milho (27€) e o peixe do dia e lingueirão (28€) não têm truques, dizem logo como vai ser. A carta funciona ao almoço e ao jantar, mas se quiser passar o dia a banhos, o bar da piscina tem sandes, saladas, sumos e espirituosas para entreter.

A partir das 19.00, na novíssima Tasca da Comporta começam a desfilar sob as luzinhas de arraial penduradas no pátio flutes de champanhe e ostras. Uma provocação para o que vem a seguir. Tiago Santos toma conta da casa e vira-se para as grandes pérolas da cozinha portuguesa: os petiscos. Há ovos com farinheira, francesinha, chouriço assado, amêijoas, croquetes, salada de polvo, choco frito, pica-pau... vamos acrescentar só mais a cabidela e a açorda alentejana e fechamos o assunto da comida.

Publicidade
Sublime Comporta
Sublime Comporta
Nelson Garrido

Sublime Comporta

Hotéis

Para dar conta disto tudo, aconselhamos a que aproveite a natureza e o ar puro para longas caminhadas e que faça uma paragem demorada no spa para uma massagem Sublime. São 60 minutos de céu que vão dar vontade de voltar. A sério. Mas há outros tratamentos de uma longa lista a que se pode entregar, com o bónus de saber que dentro do Sublime spa só entram cosméticos biológicos e as ervas do jardim.

E porque, por fim, se tem de abandonar o Sublime, cura-se o desejo de levar um bocadinho do Sublime no bolso com uma passagem pela loja. Vinho, compotas ou azeite? Na dúvida, um de cada.

Viver devagar na Farmhouse of the Palms

Viagens Collection: Escapadas

Em São Brás de Alportel há uma casa com 200 anos transformada num refúgio de férias de onde não apetece sair. Tem vista para a serra, uma piscina que muda de cor com a luz do sol e vários recantos para preguiçar à sombra. Estivemos lá e descobrimos um Algarve alheio à azáfama turística.

Publicidade

Epic SANA Algarve: férias épicas é aqui

Viagens Collection: Escapadas

Ainda somos do tempo em que Agosto era o mês das férias em família. Recordamos com um misto de cansaço e saudade as camas improvisadas por onde éramos distribuídos com os primos, as linhas de montagem para nos barrarem de protector solar e as mesas de plástico para onde nos recambiavam à hora da refeição. 

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade