Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Gran Cruz House, a pérola da ribeira do Porto

Gran Cruz House, a pérola da ribeira do Porto

Uma ode ao vinho, ao rio Douro e à boa gastronomia ergueu-se na ribeira do Porto. Fomos conhecer o mais recente inquilino e estrear o quarto Pink.

GRAN CRUZ HOUSE
Luís Ferraz
Por Ágata Xavier |
Publicidade

Lençóis imaculados, almofadas altas e fofas (de penas ou algodão), uma televisão escondida num espelho, pronta para ser ligada pelo primeiro hóspede. Na porta do wc, uma visita colorida: a interpretação de Kruella d’Enfer da famosa Mulher de Negro – que desde 1985 é a imagem de marca da Porto Cruz, o maior distribuidor de vinho do Porto, que acaba de inaugurar uma Boutique Guest House na Ribeira: a Gran Cruz House. Tem sete quartos, todos com nomes de vinho do Porto (estava lá o Pink por estrear, o White, o Ruby, o Vintage, o Tawny, o Reserve e o LBV), todos com vista de rio – e todos diferentes entre si.

GRAN CRUZ HOUSE
Luís Ferraz

A decoração salta à vista, quer seja pela escolha dos azuis ou pelas tonalidades terra que ocupam as paredes e as colchas (a cargo da Nano Design), quer seja pela particularidade das portas da casa de banho: cada uma serviu de tela em branco para um artista nacional. Além de Kruella D’Enfer (Ângela Ferreira), intervieram Tamara Alves, Albuquerque Mendes, João Jales, Jorge Curval, José Emídio e Rui Anahory. Alguns dos quartos têm ainda namoradeiras em pedra, o que torna a Gran Cruz ideal para casais que queiram conversar, namorar ou, quem sabe, jogar xadrez.

De janelas abertas, a animação da Ribeira toma conta do quarto, tal como a vista de Vila Nova de Gaia, com todas as caves de vinho do Porto no horizonte. Entre elas está o espaço Ponto Cruz, inaugurado em 2012, um edifício de exposição artística, restauração (é nele que fica o De Castro Gaia) e lazer, com um invejável terraço com uma não menos invejável vista sobre a Invicta. Este foi inaugurado numa altura em que aquele lado do rio não tinha a vida que tem agora. A mudança é tal que, hoje em dia, alguns dos miúdos que saltam para o rio a troco de moedas vestem fatos de mergulho. É do lado de lá que está também o teleférico e, desde há uma semana, uma roda gigante que se acende mal o sol se põe.

GRAN CRUZ HOUSE
Luís Ferraz

De regresso à margem do hotel Gran Cruz, é a vez de o rio entrar pelo quarto, sobretudo o do piso superior, que tem as janelas mais curtas, e logo nos sentimos balouçar como numa casa flutuante de um canal holandês. Já de janela fechada, impera o silêncio. Como é possível não se ouvir o som que sai da coluna do bailarino brasileiro que dança sem parar com uma boneca de pano em tamanho real ou o acordeonista cujo repertório não pode deixar de fora Yann Tiersen ou Astor Piazzolla? Estar no meio de tudo e estar no meio de nada é o grande trunfo deste boutique hotel.

Mas há outro, o Casario, um restaurante com uma carta que junta as mãos de Miguel Castro e Silva às de José Guedes, dois filhos da terra (com o segundo a transitar do De Castro Gaia para a outra margem). Respeitadores da sazonalidade e riqueza dos produtos nacionais, estão lá clássicos do chef, como o robalo marinado com ervas frescas, o bacalhau à Gomes de Sá ou o mil-folhas de amêndoa com creme de queijo da Serra e sorvete de frutos vermelhos. Há espaço para composições mais arrojadas, como o dashi (um caldo japonês) de lulas, cogumelos shiitake e cebolo ou um cachaço de porco ibérico e couve com vinagre de vinho do Porto. A aposta é forte nos menus de degustação (embora se possa pedir à la carte), com almoços de 4 ou 5 momentos (32€ ou 36€) e jantares de cinco ou sete pratos (48€ ou 58€) – com a maridagem a ser feita com Dalva, Porto Cruz e Quinta de Ventozelo.

Publicidade
GRAN CRUZ HOUSE
Luís Ferraz

No bar, existem 60 referências, do vinho ao gin, para acompanhar a refeição ou, aproveitando que o calor veio para ficar, ocupar a varanda intimista com vista para o Douro. De manhã, a mesma sala – e varanda – dão lugar aos pequenos-almoços, que juntam vários tipos de pão (não se esqueça de provar o de azeite, confeccionado na casa), compotas e mel da Quinta do Ventozelo e manteiga dos Açores. “É a nossa pérola da Ribeira”, diz Jorge Dias, director-geral da Gran Cruz. Gostámos tanto que roubámos para o título.

GRAN CRUZ HOUSE
Luís Ferraz
Hotéis

Gran Cruz House

Como chegar
Vá pela A1 até à Estrada da Circunvalação. Apanhe a Avenida Paiva Couceiro e siga as indicações para a Praça da Ribeira.
Preços
Quartos single a partir de 180€
Quartos duplos a partir de 200€

Já que aqui está

Mural da Trindade criado por Mr. Dheo
© DR
Arte, Arte urbana

Roteiro da arte urbana no Porto

Com nomes de artistas reconhecidos além-fronteiras, como Mr. Dheo, Hazul, Vhils ou Daniel Eime, aqui tem um guia com a melhor arte urbana no Porto. Da Rua da Madeira, passando pela Rua Miguel Bombarda e acabando em Miragaia, nenhum ponto foi esquecido. Carregue a bateria do telemóvel e seja um turista na sua própria cidade.

brunch café rivoli
© Cláudia Paiva
Restaurantes, Restaurantes

Novos brunches no Porto

Se já experimentou a maioria dos brunches da cidade e está à espera de uma lufada de ar fresco gastronómica, leia o que se segue. Há novos brunches para devorar no Porto, seja durante a semana ou nos dias de descanso, num hotel boutique de cinco estrelas ou num espaço cultural.

Publicidade
Coisas para fazer

As maiores atracções no Porto

O Porto não é só Foz, nem é só Ribeira, mas sim uma combinação de factores que se juntam para tornar esta cidade na mais bonita do mundo (modéstia à parte, claro). Se anda esquecido dos seus encantos, entre os quais se contam lugares como a Fundação Serralves, o Teatro Nacional São João, a Torre dos Clérigos, a Livraria Lello & Irmão, e a Serra do Pilar, este artigo é para si. Leia-o com atenção, relembre algumas das razões que fazem os turistas apaixonarem-se pela Invicta, e revisite as maiores atracções no Porto.

Fundação de Serralves
© Fundação Serralves
Coisas para fazer, Exposições

Os melhores museus no Porto

Nem todas as cidades podem orgulhar-se da quantidade e da qualidade dos seus museus. Aqui existem em abundância para todos os gostos e épocas, da escultura à imprensa, do futebol à pintura... Por isso, visitar os melhores museus no Porto devia ser instituído como uma disciplina obrigatória nas escolas do país ou como programa não-facultativo aos fins-de-semana.

Publicidade