Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right "All Through the Night”: um romance sonhado por Cole Porter
Música, Compositor, Coler Porter
©DR Cole Porter

"All Through the Night”: um romance sonhado por Cole Porter

Esta canção sobre um amor que só encontra consumação no mundo dos sonhos está entre as obras-primas de Cole Porter

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

“O dia é meu inimigo, a noite está do meu lado/ Vivo em solidão até que o dia se extingue/ [...] Pela noite dentro/ Deleito-me no teu amor/ Pela noite dentro, estás tão perto de mim!/ [...] Quando a madrugada me desperta/ Nunca ali estás!/ E estou certo de que me olvidaste/ Até que as sombras alastram/ E então posso sonhar de novo, é-me concedido/ estar perto de ti pela noite dentro”. A voz que se exprime em “All Through the Night” só no mundo dos sonhos pode estar com a sua amada, daí que abomine o dia e aguarde ansiosamente pela noite. A canção foi composta por Cole Porter para o musical Anything Goes (1934), que também incluiu outras duas canções destinadas à fama: a canção-título e “I Get A Kick Out of You”.

Recomendado: Os eventos que pode ver na internet, em streaming

 

Dez versões clássicas de “All Through the Night”

1. The Dorsey Brothers

Ano: 1934

“All Through the Night” foi estreada em palco por William Gaxton e Betina Hume, mas a primeira gravação foi dos Dorsey Brothers, uma banda liderada pelos irmãos Tommy (trombonista) e Jimmy Dorsey (clarinetista e saxofonista) que esteve activa entre 1928 e 1935 e ganhou popularidade quando, em 1934, assinou contrato com a Decca. O seu tempo na ribalta foi, todavia, breve, pois o registo de “All Through the Night”, a 27 de Novembro de 1934, foi o derradeiro que realizaram.

2. Helen Ward & Harry Rosenthal

Ano: 1935

“All Through the Night” só logrou verdadeiro sucesso no ano seguinte, com as versões de Bob Lawrence com a orquestra de Paul Whiteman e de Helen Ward (1913-1998) com a orquestra de Harry Rosenthal (c.1893-1953).

Publicidade

3. Ella Fitzgerald

Ano: 1956
Álbum: Ella Fitzgerald Sings the Cole Porter Song Book (Verve)

Este foi o álbum que inaugurou a histórica série de “Song Books” de Ella para a Verve e foi também o primeiro disco da editora que Norman Granz criou para suceder à Clef e à Norgran. O duplo álbum, com arranjos e direcção de Buddy Bregman, é um marco da história do jazz e contém uma soberba versão de “All Through the Night”.

4. Johnny Mathis

Ano: 1957
Álbum: Wonderful Wonderful (Columbia)

O álbum de estreia, homónimo, de Johnny Mathis (n. 1935), gravado e lançado em 1956, tinha o cantor apenas 21 anos, teve recepção favorável entre a crítica de jazz, mas resultado comercial modesto, não chegando a entrar no top da Billboard. Porém, os singles “Wonderful! Wonderful!” e “It’s Not For Me To Say”, surgidos no final desse mesmo ano, tinham chegado a n.º 14 e n.º 5, e o segundo álbum, Wonderful Wonderful (cujo título parece pretender capitalizar o sucesso do single “Wonderful! Wonderful!”, mas que, bizarramente, não inclui esta canção no alinhamento) chegou a n.º 4 do top da Billboard. Foi o início de uma carreira triunfal para Mathis, que, até à data, lançou 73 álbuns, dos quais 18 atingiram vendas de pelo menos meio milhão de exemplares, ascendendo o total acumulada das suas vendas a 360 milhões de discos.

Em Wonderful Wonderful os arranjos são quase todos de Percy Faith e o repertório e a abordagem são ainda vagamente jazzísticos, característica que iria perder-se em discos subsequentes.

Publicidade

5. Frank Sinatra

Ano: c.1954-55

A Colgate Comedy Hour foi um espectáculo televisivo patrocinado pela Colgate-Palmolive que esteve no ar entre 1950 e 1955, na NBC. Começou, como o nome indica, por ter natureza cómica, mas a partir de 1954 passou a dar ênfase aos números musicais. É da Colgate Comedy Hour que provém esta versão de Sinatra para “All Through the Night”, canção que não faz parte da extensa discografia do cantor.

6. Illinois Jacquet

Ano: 1964
Álbum: Bosses of the Ballad: Illinois Jacquet and Strings Play Cole Porter (Argo)

O saxofonista tenor Illinois Jacquet (1922-2004). que se estreara a gravar como líder com Illinois Jacquet Collates, em 1951, apresenta aqui um álbum preenchido com composições de Porter e em que o saxofone é acolchoado por uma orquestra de cordas de 19 elementos, com arranjos de Tom McIntosh e Benny Golson.

Publicidade

7. Paul Desmond

Ano: 1964
Álbum: Glad to Be Unhappy (RCA Victor)

O contrato que, pela sua filiação no quarteto do pianista Dave Brubeck, vinculava o saxofonista alto Paul Desmond (1924-1977) à Columbia impedia-o de gravar para outras editoras discos que recorressem a piano. Desmond não se atrapalhou com a interdição e encontrou no guitarrista Jim Hall uma elegante alternativa ao piano, tendo, entre 1961 e 1964, gravado com ele uma memorável série de álbuns para a RCA Victor, entre os quais está este Glad to Be Unhappy, com Eugene Wright (contrabaixo) e Connie Kay (bateria).

“All Through the Night” tem um saxofone de veludo e uma secção rítmica leve como gaze.

8. Julie London

Ano: 1965
Álbum: All Through the Night: Julie London Sings the Choicest of Cole Porter (Liberty)

Num álbum com programa preenchido com canções de Porter, a cantora Julie London é acompanhada pelo quinteto do saxofonista Bud Shank, com Russ Freeman (piano e arranjos), Joe Pass (guitarra), Monty Budwig (contrabaixo) e Colin Bailey (bateria). A canção que dá título ao álbum tem uma atmosfera after-hours e prima pela suavidade.

Publicidade

9. Dave Brubeck

Ano: 1966
Álbum: Anything Goes!: The Dave Brubeck Quartet Plays Cole Porter (Columbia)

Dois anos depois de Paul Desmond ter visitado “All Through the Night” a solo, gravou-a integrado no quarteto de Brubeck, num álbum 100% Cole Porter. Os outros músicos do quarteto são os habituais Gene Wright (contrabaixo) e Joe Morello (bateria).

10. Kenny Clarke/Francy Boland Big Band

Ano: 1969
Álbum: More Smiles (MPS)

Em 1961, o baterista Kenny Clarke, um dos membros mais proeminentes da comunidade de jazzmen americanos que fixara residência em Paris, aliou-se ao pianista belga Francy Bolland e formou aquela que se tornaria na mais importante big band fora dos EUA durante a década de 1960. O álbum de estreia, com o título-manifesto Jazz Is Universal, surgiu em 1962 e More Smiles faz parte da generosa safra de1968-69, que deu origem a uma dezena de álbuns. Tem a particularidade de incluir, entre as suas nove faixas, três composições de Cole Porter.

Mais versões

Thelonious Monk
@William P. Gottlieb

Dez versões de “‘Round Midnight”

Música Jazz

Sendo o jazz uma música eminentemente nocturna, não é de admirar que“‘Round Midnight” se tenha tornado numa das suas composições mais populares, sendo alvo de mais um milhar de versões. Estas dez são imprescindíveis.

Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Também poderá gostar

        Publicidade