Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Catarina Munhá atira ao coração da pop nacional

Catarina Munhá atira ao coração da pop nacional

“Animal de Domesticação” é um primeiro álbum, mas não soa a estreia. São canções inteligentes, bem urdidas e universais.

Catarina Munhá
Catarina Munhá
Publicidade

★★★★☆

A civilização É uma selva com particularidades inesperadas: o que nos sublima neste jargal de moralidade e progresso é também o que amiúde nos enjaula e diminui. Encontrar alguém como Catarina Munhá a serpentear, suave mas libertariamente, por entre fantasmas e ruínas emocionais é, por isso, um acaso feliz e reconfortante. A voz dissimuladamente frágil conduz-nos por canções sonhadoras (“Águas-Furtadas”), feministas (“Isto de Ser Mulher”, em que canta: “Eu ainda não fiz paz/ Com esta coisa de ser mulher/ Sempre quis ser rapaz/ Para fazer o que eu quiser”), eudemonistas (“Sobre Leite Derramado”, um tema desarmante de piano e voz a recusar o hedonismo e o “abismo” do fado: “É difícil a leveza/ Ser feliz é tão pesado/ Bem mais fácil a tristeza/ Sobre o leite derramado”) ou matemáticas (“Variável Independente”). Canções inteligentes, bem urdidas e universais.

Catarina escreve as letras, compõe, canta e toca piano, ukelele e violino. Começou quando contava uns meros cinco anos, o que terá sido decisivo para que Animal de Domesticação não soe a um álbum de estreia. A companhia contribui com outro tanto: três quartos dos PAUS estão aqui (Hélio Morais, Fabio Jevelim e Makoto Yagyu), aos quais se juntam Sérgio Nascimento, André Rosinha, André Henriques ou António Porém Pires, que assina a melíflua “Quem Me Dera Ser Magenta” – uma preciosidade que, sem pretensões a fazê-lo, é uma delicada síntese da música popular portuguesa dos últimos 40 anos. Está no alinhamento certo. Com este disco, Catarina Munhá atira directamente coração da pop nacional e entra em zonas presidenciais, com a tão em voga magistratura do afecto. “Anda cá para este abraço/ Que eu tenho tanto espaço./ Larga essa solidão/ Anda para o rés-do-meu-chão”, canta a fechar. E o que nós temos a fazer é ir sem pruridos.

Mais críticas de discos

Panda Bear
Inês Félix
Música

Panda Bear ainda nos consegue surpreender

★★★★☆

Não há muitos músicos tão inventivos como Noah Lennox, vulgo Panda Bear. A solo e com os Animal Collective, o cantor e compositor americano vem desde o final dos anos 90 a desenvolver um corpo de trabalho em constante mutação, testando novas formas e técnicas sem nunca perder o norte nem abdicar da coerência estética.

Publicidade
Ricardo Ribeiro
Duarte Drago
Música

Ricardo Ribeiro: o exercício exemplar de força e contenção

★★★★★

Há uma década, Ricardo Ribeiro tornou-se mais conhecido lá fora do que cá dentro depois de gravar Em Português, do alaudista libanês Rabih Abou-Khalil, disco aclamado que fez mais pelo estudo da influência árabe no nosso genoma cultural do que vários tratados de etnomusicologia.

Publicidade