Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O futuro de Taylor Swift ergue-se sobre o seu passado

O futuro de Taylor Swift ergue-se sobre o seu passado

"Lover", de Taylor Swift, é um daqueles cada vez mais raros discos que são um acontecimento

Taylor Swift
Publicidade

★★★★☆

O novo álbum de Taylor Swift soa apaixonado e honesto, tem grandes canções e o coração na lapela. Mas dura 61 minutos e 48 segundos – a conta sobe para 70 minutos e 57 na edição especial, com 20 faixas. E nenhum disco pop devia prolongar-se por mais de 60 minutos. Nem sequer 50. Não só para reter a nossa atenção, mas para evitar passos em falso.

Em defesa dela, este excesso de canções faz algum sentido. Em Lover, a cantora lembra uma daquelas jogadoras que espalham as suas apostas pelos vários resultados possíveis para garantir algum lucro. Ou seja, o disco tem demasiadas faixas porque Taylor Swift quer garantir que chega a toda a gente, evocando diferentes momentos da sua carreira.

Quem gostou da autora amarga e ressabiada de reputation (2017) vai amar “I Forgot That You Existed”; para os fãs da synth-pop de 1989 (2014) há cantigas como “Cruel Summer”, co-escrita por St. Vincent, ”Me!”, com Brendon Urie dos Panic! at the Disco, e outras; “Lover” é uma canção emo-country monumental e não ficaria fora de lugar em Red (2012) ou num dos discos de Rilo Kiley; “Soon You'll Get Better”, com as Dixie Chicks, remete para os tempos de Nashville e uma certa pureza country. Há temas que lembram Lorde (“The Archer”) e Lana Del Rey (“Miss Americana & The Heartbreak Prince”). A aparente inconsistência não é defeito, é feitio.

O problema não é tanto a variedade, como a falta de qualidade de meia dúzia de canções, que oscilam entre o olvidável e o foleiro. E de algumas letras, como as de “The Man” com o seu feminismo despido de qualquer consciência de classe e noção de privilégio (“If I was a man / Then I'd be the man”), ou “You Need To Calm Down”, um exercício de apropriação LGBT pueril (“Why are you mad / When you can be GLAAD?”).

É pena. Algures no meio destas 18 faixas está um disco de dez ou onze faixas perfeito e emocionalmente honesto. Cinco estrelas, mesmo. E “It’s Nice To Have A Friend” é uma das melhores canções do ano, com os seus dois minutos de meio de nostalgia e minimalismo pop sem paralelo na discografia da cantora. Menos teria sido mais.

+ Dez discos para ouvir até ao final do ano

Mais críticas de discos

Panda Bear
Inês Félix
Música

Panda Bear ainda nos consegue surpreender

★★★★☆

Não há muitos músicos tão inventivos como Noah Lennox, vulgo Panda Bear. A solo e com os Animal Collective, o cantor e compositor americano vem desde o final dos anos 90 a desenvolver um corpo de trabalho em constante mutação, testando novas formas e técnicas sem nunca perder o norte nem abdicar da coerência estética.

Publicidade
Ricardo Ribeiro
Duarte Drago
Música

Ricardo Ribeiro: o exercício exemplar de força e contenção

★★★★★

Há uma década, Ricardo Ribeiro tornou-se mais conhecido lá fora do que cá dentro depois de gravar Em Português, do alaudista libanês Rabih Abou-Khalil, disco aclamado que fez mais pelo estudo da influência árabe no nosso genoma cultural do que vários tratados de etnomusicologia.

Publicidade